PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Tech

Chinesa Tencent compra fatia de 5,5% da brasileira Zenvia na Nasdaq

Conglomerado dono do WeChat compra ações da fornecedora gaúcha de softwares no mercado

Zenvia abriu capital na Nasdaq no ano passado
19 de Janeiro, 2022 | 10:06 am
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — O conglomerado chinês Tencent Holdings (TCEHY), dona do aplicativo WeChat, adquiriu uma participação relevante de 5,5% das ações ordinárias classe A da empresa brasileira de tecnologia Zenvia (ZENV), fundada por Cassio Bobsin em Porto Alegre (RS), segundo o registro da compra dos papéis no mercado, enviado à SEC (Securities and Exchange Commission), ontem (18). A Zenvia é uma fornecedora de softwares de atendimento e comunicação de empresas em múltiplos canais que abriu capital na Nasdaq em julho do ano passado.

A Zenvia não emitiu comentários públicos sobre a nova posição acionária do investidor minoritário da companhia gaúcha. Ontem, em dia de forte correção negativa na Nasdaq, o papel da Zenvia fechou em forte queda de 4,15%, cotado a US$ 5,77, enquanto o da Tencent caiu 5,14%, a US$ 57,55.

Veja mais: Nasdaq derrete 2,6% com ‘sell-off’ de tech e escalada de yields

No dia 22 de julho do ano passado, as ações da Zenvia começaram a ser negociadas na Nasdaq. A companhia levantou US$ 150 milhões com a oferta inicial, a fim de expandir seus negócios, apresentando-se como a primeira “SaaS company” (plataforma de Software as a Service) da América Latina listada na Bolsa tecnológica norte-americana.

PUBLICIDADE

Em novembro, a Zenvia divulgou seu resultado financeiro do terceiro trimestre, destacando um aumento de 43,7% na receita líquida, alcançando R$ 163,7 milhões, um crescimento de 24,4% no número de clientes ativos, totalizando 11.302, além de uma alta de 61,5% no lucro bruto ajustado, que chegou a R$ 57,8 milhões. A margem bruta ajustada da companhia registrou expansão de 3,9 pontos percentuais, para 35,3%, considerado pela empresa um patamar recorde desde o primeiro trimestre de 2019.

As operações de M&A (fusões e aquisições) também foram destacadas pela Zenvia, que adquiriu a plataforma D1 e a SenseData, de “customer success management”. Em dezembro, a empresa assinou os contratos definitivos para a aquisição da Movidesk, sua segunda aquisição pós-IPO (primeira foi a SenseData) e a 10ª da companhia em pouco mais de 18 anos.

A presença de empresas chinesas no capital de companhias brasileiras é crescente. No ano passado, por exemplo, a Dotz, administradora de programas de fidelidade e de contas digitais, ganhou um sócio de peso, o Ant Group, do chinês Jack Ma, dono do portal de vendas online Alibaba. Em abril do passado, as duas companhias anunciaram acordo de compra de uma participação de 5% da empresa brasileira.

No comércio eletrônico, as varejistas brasileiras como Magazine Luíza e Via sofrem com a competição chinesa liderada pelo grupo Alibaba com sua plataforma AliExpress. No setor de telefonia móvel, a Xiaomi, segunda maior fabricante de smartphone do mundo, também anunciou, no ano passado, uma estratégia de expansão de suas unidades no Brasil.

PUBLICIDADE

Leia também

Tabas, rival do QuintoAndar, capta R$ 80 milhões em equity e dívida

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.