PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Mercado inicia semana com cautela de olho em volatilidade de Treasuries

Futuros de Wall Street têm leve baixa e ações recuam na Ásia no início dos negócios desta segunda

Futuros de NY iniciam semana com leve baixa
Por Andreea Papuc
09 de Janeiro, 2022 | 11:10 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os mercados asiáticos iniciaram a semana com cautela conforme os investidores se preparam para mais volatilidade nas negociações com títulos do Tesouro dos EUA e avaliam os impactos econômicos da expansão rápida da variante ômicron da covid.

PUBLICIDADE

As ações têm baixa no início da manhã desta segunda na Austrália e na Coreia do Sul. Os mercados do Japão estão fechados por um feriado.

Os futuros de índices de ações dos EUA recuam após o S&P 500 (SPX) registrar o pior começo de ano desde 2016, já que as expectativas de aumento das taxas de juros dos EUA mais rapidamente do que o previsto pressionam os mercados de títulos. O Nasdaq 100 (NDX), referência de alta tecnologia, teve a sua pior semana desde fevereiro, em meio a uma rotação de carteiras com redução de ações de tecnologia e de empresas de alto crescimento considerados caros.

PUBLICIDADE

Os rendimentos dos títulos do Tesouro subiram em todos os vencimento na semana passada, após um processo de venda desencadeado pela ata do Federal Reserve, sinalizando a disposição de começar a aumentar as taxas de juros já em março. O rendimento da nota de 10 anos dos EUA atingiu o nível mais alto em quase dois anos.

Dados de inflação

Os dados de inflação dos EUA nesta semana serão observados com atenção, à medida que aumentam as preocupações de que o Fed esteja atrás da curva para lidar com as elevadas pressões sobre os preços. As empresas dos EUA adicionaram menos funcionários do que o esperado em dezembro, mas os salários subiram mais do que o previsto.

Os mercados enfrentam uma volatilidade cada vez maior conforme que os investidores buscam saber como reajustar os preços dos ativos, à medida que for retirada a liquidez adicional do período de pandemia, que impulsionou os preços de ações a patamares recordes. Ao mesmo tempo, a disseminação da variante ômicron representa um novo teste para a atividade econômica.

“O Fed dos EUA precisa agir com cautela na remoção da acomodação da política - isso não deve acontecer muito rápido, caso contrário, corre o risco de uma interrupção na recuperação do crescimento econômico e pode levar a outro problema”, disse Diana Mousina, econômica sênior da AMP Capital, em nota. Ela vê mais volatilidade este ano com a inflação, aumentos das taxas do Fed e a geopolítica, bem como as eleições de meio de mandato nos EUA.

As ações chinesas devem continuar chamando atenção. A Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China disse que adotará várias medidas para evitar a volatilidade e atuará “firmemente” para prevenir grandes flutuações depois que as ações tiveram o pior início de ano desde 2016.

PUBLICIDADE

Em outros mercados, o Bitcoin (BTC) foi negociado em torno de pouco mais de US$ 42 mil, conforme a baixa das criptomoedas se aprofunda.

Alguns dos principais movimentos nos mercados:

Ações

  • Os futuros de S&P 500 (ESH2) recuavam 0,1% pouco depois das 11h em Tóquio (23h em Brasília). Na sexta, o S&P 500 (SPX) caiu 0,4%;
  • Os futuros do Nasdaq 100 (NQH2) tinham baixa de 0,2%. Na sexta, o Nasdaq 100 (SDX) caiu 1,1%;
  • O S&P/ASX 200 da Austrália (AS51) tinha baixa de 0,4%;
  • Índice Kospi (KOSPI), de Seul, caia 1,1%;
  • O índice Hang Seng (HSI), de Hong Kong, recuava 0,1%;

Moedas

  • O iene japonês (JPY) estava em 115,63 por dólar;
  • O yuan offshore (CNH) estava em 6,3869 por dólar;
  • O Bloomberg Dollar Spot Index (DXY) caiu 0,5% na sexta-feira;
  • O euro (EUR) estava em US$ 1,1353;

Renda fixa

  • O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos (GT10) avançou quatro pontos-base para 1,76% na sexta-feira

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) caia 0,5%, para US$ 78,52 o barril;
  • O ouro (XAU) subia 0,3% para US$ 1.795,07 a onça.

(atualizado às 23h com cotações mais recentes)

Veja mais em bloomberg.com

Leia também