Mercados

Fed une esquerda e direita em alerta sobre ‘estar atrás da curva’

Economistas de ambos os lados argumentaram que o Fed está atrasado na batalha para conter a explosão de preços

Economistas veem Fed atrasado na luta contra inflação
Por Rich Miller
09 de Janeiro, 2022 | 03:24 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Federal Reserve conseguiu fazer algo raramente visto nos EUA atualmente: fazer com que os membros dos partidos Democrata e Republicano concordem.

Na reunião anual da American Economic Association deste ano, economistas proeminentes de ambos os lados do espectro político argumentaram que o Fed está atrasado na batalha para conter a explosão de inflação em uma economia ainda assolada pela pandemia.

E embora eles geralmente tenham dado boas-vindas à mudança de postura do Fed em direção a uma política monetária mais rígida e esperem que as pressões de preços diminuam este ano, os economistas pareciam com dúvidas se a inflação desaceleraria tanto quanto os bancos centrais estão prevendo. Os economistas viram a inflação permanecer bem acima da meta de 2% dos formuladores de política monetária.

Entre os participantes da conferência virtual de três dias que termina neste domingo: o ex-secretário do Tesouro Lawrence Summers e o ex-economista-chefe da Casa Branca Jason Furman - ambos democratas - e o famoso economista monetarista John Taylor e ex-presidente do Conselho de Consultores Econômicos Glenn Hubbard, que serviu em administrações republicanas.

PUBLICIDADE

Com certeza, nem todos os economistas - especialmente alguns da esquerda - estão alertando sobre a ameaça da inflação e a demora na resposta do Fed a ela.

O ganhador do Prêmio Nobel Joseph Stiglitz, que foi economista-chefe da Casa Branca para o presidente democrata Bill Clinton, pediu cautela por parte do banco central. Ele argumentou que taxas de juros mais altas não resolveriam os problemas de oferta e a escassez global de suprimentos que ajudaram a elevar a inflação. Além disso, a participação da força de trabalho continua bem aquém do que poderia ser.

O presidente do Fed, Jerome Powell, provavelmente será pressionado a falar sobre o que pretende fazer para conter a inflação quando comparecer na terça-feira ao Comitê Bancário do Senado para uma audiência sobre sua indicação pelo presidente Joe Biden para outro mandato de quatro anos. Powell, um republicano, ganhou a indicação de Biden e o apoio de alguns outros democratas por sua ênfase na importância de o Fed conseguir o máximo de empregos que sejam amplos e inclusivos.

Ritmo mais rápido

Os dados a serem divulgados nesta quarta-feira provavelmente mostrarão que os preços ao consumidor subiram 7% em dezembro em relação ao ano anterior, de acordo com a mediana das previsões de economistas consultados pela Bloomberg. Isso superaria o aumento anual de 6,8% em novembro e seria o maior alta nos preços desde 1982.

PUBLICIDADE

Aqui estão algumas das observações sobre a inflação e o Fed feitos por vários economistas conhecidos em painéis na conferência AEA:

  • Furman, um professor da Universidade de Harvard, disse que espera que a inflação permaneça elevada este ano, com uma previsão média de 3,2% para o índice de despesas de consumo pessoal. Isso está acima da previsão mediana de 2,7% dos formuladores de políticas do Fed em sua reunião de 14 a 15 de dezembro.
  • Furman vê uma chance de 15% de que a inflação fique mais alta neste ano do que no ano passado. Ele também afirmou que os três indicados que Biden está considerando para o conselho do banco central “são consideravelmente mais pacíficos do que qualquer um que está no Fed” há muito tempo.
  • Taylor, cuja regra de política monetária tem sido um guia para os bancos centrais em todo o mundo há anos, disse que o Fed está “muito atrás” da curva. Dependendo das suposições feitas, ele sugeriu que a taxa dos chamados Fed funds deveria estar entre 3% e 6%, e não no nível próximo a zero agora almejado pelo banco central.
  • Observando que os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA aumentaram na semana passada, o professor da Universidade de Stanford previu ver “mais disso no futuro”.
  • Summers, professor da Universidade de Harvard e colaborador pago da Bloomberg, também prevê que os rendimentos dos títulos do Tesouro aumentem ainda mais. “À medida que a realidade da necessidade de equilibrar oferta e demanda se tornar clara, as taxas de juros aumentarão substancialmente no próximo ano e meio”, disse ele.
  • Summers entrou em uma discussão animada com Stiglitz na conferência, argumentando que o professor da Universidade de Columbia estava colocando muita ênfase nas cadeias de suprimentos para o aumento dos preços.
  • Gregory Mankiw, que foi economista-chefe da Casa Branca do presidente republicano George W. Bush, disse que “muito” do aumento da inflação pode ser atribuído a deslocamentos temporários na oferta. “Também temos um mercado de trabalho muito apertado e você está começando a ver isso no crescimento dos salários”, disse ele.
  • O professor de Harvard, que agora se autodenomina um independente político por causa da oposição ao ex-presidente Donald Trump, disse que embora a inflação não vá ficar em 7%, ele ficaria “surpreso” se cair para 2% muito rapidamente.
  • O ex-vice-presidente do Fed, Alan Blinder, disse que ainda se considera um membro da chamada “equipe transitória” no debate sobre a inflação.
  • Mas Blinder, que serviu na Casa Branca no governo Clinton e agora leciona na Universidade de Princeton, disse que pode levar algum tempo para que a “inflação engarrafada” diminua. Os formuladores de política do Fed demoraram a reconhecer as pressões de preços em alta em suas previsões, acrescentou ele.
  • O pouso suave que Powell e seus colegas do banco central estão tentando projetar para a economia “exigirá que o Fed seja sortudo e inteligente”, disse Hubbard na conferência.
  • Apontando para as pressões inflacionárias decorrentes do aumento dos aluguéis e dos preços das casas e do aumento dos salários, o professor da Universidade de Columbia duvidou que os aumentos de três quartos de ponto percentual nas taxas do Fed planejados para este ano serão suficientes.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE