PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Viagens

Quer morar fora? Veja as cidades com menor custo de vida na América Latina

Medellín, na Colômbia, e Assunção, no Paraguai, estão entre as cidades mais baratas; Buenos Aires está entre as mais caras

O Rio de Janeiro ocupa a quinta posição entre as mais caras da América Latina - e a primeira do Brasil
11 de Junho, 2022 | 07:28 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — Já pensou em se mudar para outro país? Um estudo da empresa ECA International revela um ranking das cidades mais caras e mais baratas do mundo para se viver neste ano como expatriado, levando em conta o custo de vida.

PUBLICIDADE

Na América Latina e no Caribe, Buenos Aires, na Argentina, Montevidéu, no Uruguai, e Cidade do Panamá são as três cidades mais caras da região para se viver como estrangeiro. Por sua vez, as mais baratas são Medellín, na Colômbia, Santa Cruz, na Bolívia, e Assunção, Paraguai.

A pesquisa, realizada em março deste ano, analisa o custo anual de bens de consumo e serviços. Ela também compara os custos de aluguel em áreas comumente habitadas por expatriados em mais de 410 cidades ao redor do mundo. O relatório mais recente classificou um total de 207 cidades em 120 países.

PUBLICIDADE

Destaques da América Latina

De acordo com o estudo, Santiago do Chile saiu da lista das 100 cidades mais caras do mundo. A capital caiu 21 posições no ranking, passando da 98ª em 2021 para a 119ª. É uma das poucas cidades da região que caiu no ranking, o que significa que seu custo de vida diminuiu.

“As políticas de esquerda do Presidente Gabriel Boric alertaram investidores e contribuíram para uma queda de 10% na moeda em relação ao dólar americano. Considerando que o Chile é um grande exportador de cobre e que passou por um aumento nos preços, a depreciação da moeda destaca a extensão das preocupações dos investidores”, disse o chefe de produção e analista da ECLA, Steven Kilfedder, sobre essa queda do Chile.

Da mesma forma, Tegucigalpa, em Honduras, caiu dois lugares, chegando em 161º. La Paz, na Bolívia, e Bogotá, na Colômbia, caíram quatro posições. A primeira agora está na 179ª posição, e a segunda, na 143ª.

“A Colômbia deveria ter visto o fortalecimento de sua moeda por ser um exportador chave de petróleo. Entretanto, a incerteza política antes das eleições (cujo primeiro turno ocorreu em 29 de maio) teve o efeito contrário sobre o peso colombiano, o que significa que, para muitos expatriados ou turistas, é mais barato visitar agora do que foi no ano passado, disse Kilfedder.

Entre as cidades que subiram estavam o Rio de Janeiro, agora em 118º lugar, e São Paulo, em 138º lugar. Ambas ficaram mais caras, com o Rio subindo 45 posições, e a capital paulista, 38 posições em relação ao ano passado.

PUBLICIDADE

“Depois das dificuldades dos anos anteriores, devido à covid e à agitação política, que causou a queda do real, a moeda teve uma reviravolta, pois o aumento das taxas de juros para combater a inflação, combinado com o aumento dos preços das commodities e uma melhor perspectiva da pandemia, fortaleceu o real, tornando o país mais caro para expatriados e turistas que no ano passado”, destacou Kilfedder.

Outra cidade latina que subiu no ranking foi Santo Domingo, na República Dominicana, que subiu 28 posições no ranking e chegou em 116º lugar. “A combinação do aumento da inflação com o fortalecimento da moeda tornou o país mais caro para turistas e expatriados”, disse Kilfedder.

Ranking global

Globalmente, Hong Kong é, pelo segundo ano consecutivo, a cidade mais cara do mundo. Nova York está em segundo e Genebra em terceiro no ranking.

De acordo com o estudo, o aumento dos preços e uma moeda forte no último ano mantiveram a cidade asiática no topo. Uma xícara de café a US$ 5,21, um litro de gasolina a US$ 3,04 e um quilo de tomate a US$ 11,51 estavam entre os preços que levaram Hong Kong ao topo da lista.

“Embora Hong Kong tenha sido menos afetada pela crescente inflação global do que outros lugares da região e do mundo no ano passado, ainda é o lugar mais caro do mundo”, disse Lee Quane, diretor regional da ECA International para a Ásia, em comunicado à imprensa. “Foi a força do dólar de Hong Kong – indexado ao dólar americano – durante o ano passado que lhe permitiu manter sua posição como o lugar mais caro do mundo enquanto outras moedas enfraqueceram”, disse ele.

Londres e Tóquio completam o pódio das cinco cidades mais caras. Segundo a ECA, o aumento dos custos de aluguel foi uma das razões pelas quais Londres e Nova York ficaram entre os cinco primeiros, com um aumento de 20% e 12%, respectivamente.

PUBLICIDADE

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Leia também

EUA retiram exigência de teste de covid a viajantes que chegam ao país

Leidys Becerra (BR)

Leidys Becerra (BR)

Jornalista colombiana com experiência na cobertura de temas locais e internacionais e na geração de conteúdo digital. Foi redatora de notícias da Univision, com passagens pelas redações dos periódicos colombianos El Tiempo e da Semana