PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Ibovespa cai seguindo exterior, em sessão de baixa para commodities

Mercados repercutem preocupações com o crescimento econômico em meio à guerra e a lockdowns na China, após corte nas projeções do FMI

Novos lockdowns na China em meio ao avanço da covid podem contribuir para menor crescimento econômico global.
19 de Abril, 2022 | 10:30 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — O sentimento de aversão ao risco dá o tom dos mercados nesta terça-feira (19), em meio a novos lockdowns na China – dado o avanço da covid-19 –, o recrudescimento da guerra e preocupações com o crescimento econômico global em meio à forte pressão inflacionária.

Por aqui, o Ibovespa (IBOV) opera em queda nesta manhã, seguindo o mau humor externo. Por volta das 10h15 (horário de Brasília), o principal índice de renda variável da Bolsa brasileira cedia 0,66%, aos 114.927 pontos. Já o dólar subia, negociado a R$ 4,67.

PUBLICIDADE

Em um dia de queda para as commodities, como o petróleo e o minério de ferro, os papéis de empresas ligadas ao setor recuavam na B3: as ações da Vale (VALE3) cediam 2,3%, enquanto as de 3R Petroleum (RRRP3) caíam 2,97% e as de Petrorio (PRIO3) recuavam 0,72%. Os papéis da Petrobras (PETR3; PETR4), contudo, tinham alta de 1,2% e 2,5%.

Os investidores seguem repercutindo uma expectativa de um Federal Reserve mais duro em maio, após James Bullard, presidente do Fed de St. Louis, reforçar novamente a necessidade de o banco central americano agir de maneira mais rápida para controlar a inflação, admitindo que estaria apto a considerar até um incremento de 0,75 ponto nas próximas reuniões.

Também no radar, o Fundo Monetário Internacional (FMI) cortou nesta terça-feira (19) suas projeções de crescimento global para 2022 e 2023, dizendo que o impacto econômico da invasão na Ucrânia pela Rússia “se propagará por toda parte”.

PUBLICIDADE

Agora, a instituição prevê um crescimento econômico global de 3,6% para este e o próximo ano, uma queda de 0,8 e 0,2 ponto percentual em relação às projeções divulgadas em janeiro.

“Os efeitos da guerra se propagarão por toda parte, aumentando as pressões de preços e exacerbando desafios políticos significativos”, escreveu Pierre-Olivier Gourinchas, conselheiro econômico do FMI, em relatório.

Na cena externa, as bolsas caíam mais de 1% na Europa, na volta do feriado de Páscoa, enquanto nos Estados Unidos, os índices futuros tinham leve queda. Por lá, as atenções seguem ainda sobre a divulgação de balanços corporativos, com destaque para o primeiro nome do setor de “tech”, Netflix (NFLX).

Confira o desempenho dos mercados na manhã desta terça-feira (19):

  • Por volta das 10h15 (horário de Brasília), o Ibovespa cedia 0,66%, aos 114.927 pontos;
  • O dólar à vista (USDBRL) tinha alta de 0,26%, negociado a R$ 4,67;
  • Entre os contratos de juros futuros, o DI para 2025 operava estável, a 12,09%;
  • Nos EUA, os índices futuros operavam próximos da estabilidade: o do S&P 500 cedia 0,17%, enquanto o da Nasdaq tinha queda de 0,34%;
  • Na Europa, de volta do feriado, as bolsas caem nesta terça: o índice CAC-40, de Paris, caía 1,3%, enquanto o Stoxx 600 cedia cerca de 1,2%;

Leia também:

Alta dos fertilizantes ameaça suprimentos de arroz de até 500 milhões de pessoas

Últimas BrasilBloomberg LíneaAçõesIbovespaJurosDólar
Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

PUBLICIDADE