Agro

Alta dos fertilizantes ameaça suprimentos de arroz de até 500 milhões de pessoas

Praticamente todos os pratos de comida que chegam à mesa de jantar vêm com a ajuda de fertilizantes

Cosecha de arroz
Por Pratik Parija, Mai Ngoc Chau e Ditas Lopez
18 de Abril, 2022 | 07:26 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O aumento dos custos de fertilizantes fez com que produtores de arroz em toda a Ásia reduzissem seu uso, uma medida que ameaça as colheitas de um alimento básico que alimenta metade da humanidade e pode levar a uma crise alimentar total se os preços não forem reduzidos.

Da Índia ao Vietnã e às Filipinas, os preços dos nutrientes agrícolas cruciais para aumentar a produção de alimentos dobraram ou triplicaram apenas no ano passado. Menor uso de fertilizantes pode significar uma colheita menor. O International Rice Research Institute prevê que os rendimentos podem cair 10% na próxima temporada, traduzindo-se em uma perda de 36 milhões de toneladas de arroz, ou o equivalente a alimentar 500 milhões de pessoas.

Essa é uma “estimativa muito conservadora”, disse Humnath Bhandari, economista agrícola sênior do instituto, acrescentando que o impacto pode ser muito mais severo se a guerra na Ucrânia continuar.

Os preços dos fertilizantes vêm subindo globalmente devido a problemas de fornecimento, problemas de produção e, mais recentemente, a guerra, que interrompeu o comércio com a Rússia, um grande fornecedor de todos os principais tipos de nutrientes agrícolas.

PUBLICIDADE

O aumento nos custos de fertilizantes está ameaçando pressionar a inflação de alimentos, supondo que os agricultores continuem a cortar fertilizantes usados e os rendimentos das colheitas sofram. Se isso acontecer, as cadeias de suprimentos globais provavelmente sofrerão um grande impacto: praticamente todos os pratos de comida chegam à mesa de jantar com a ajuda de fertilizantes.

Os produtores de arroz são particularmente vulneráveis. Ao contrário do trigo e do milho, que viram os preços dispararem à medida que a guerra coloca em risco um dos maiores celeiro do mundo, os preços do arroz foram reduzidos devido à ampla produção e aos estoques existentes. Isso significa que os produtores de arroz estão tendo que lidar com custos inflacionados ao mesmo tempo em que não recebem mais dinheiro por seus grãos.

Nguyen Binh Phong, proprietário de uma loja de fertilizantes e pesticidas na província de Kien Giang, no Vietnã, disse que o custo de um saco de 50 quilos de ureia - uma forma de fertilizante nitrogenado - triplicou no ano passado. Ele disse que alguns agricultores reduziram o uso de fertilizantes em 10% a 20% por causa do aumento dos preços, levando a uma produção menor.

“Quando os agricultores cortam o uso de fertilizantes, eles aceitam que terão um lucro menor”, disse ele.

PUBLICIDADE

Os governos da Ásia, onde grande parte do arroz do mundo é colhido, desejam evitar esse cenário. Manter os preços sob controle é importante para os políticos, dada a importância do arroz como alimento básico para centenas de milhões de pessoas, especialmente grupos de baixa renda. Muitas nações fornecem subsídios a fertilizantes para aumentar a produtividade de variedades melhoradas de cereais.

O rali de fertilizantes está aumentando sua carga fiscal. A Índia, que depende muito das importações de fertilizantes, deve gastar cerca de US$ 20 bilhões para proteger os agricultores de preços mais altos, acima dos US$ 14 bilhões orçados em fevereiro. A nação do sul da Ásia é o segundo maior produtor mundial de arroz e exporta para países como Arábia Saudita, Irã, Nepal e Bangladesh.

Somashekhar Rao, 57, um agricultor que cultiva arroz em um terreno de 25 acres em Telangana, no sul da Índia, disse que está lutando com o aumento do custo dos fertilizantes. Ele espera que os rendimentos caiam de 5 a 10% para sua colheita de inverno por causa do atraso em garantir suprimentos suficientes. O fertilizante é mais eficaz quando usado em plantas em seu ciclo de crescimento máximo.

A crise não é de todo ruim. O uso excessivo de fertilizantes químicos é comum na região. O aumento nos preços está incentivando os agricultores a usar os recursos de forma mais eficiente, de acordo com o International Rice Research Institute, que está trabalhando com os produtores para alcançar os melhores resultados. As soluções incluem a utilização de uma combinação de insumos químicos e orgânicos para manter os rendimentos e melhorar a saúde do solo.

Ainda assim, essas etapas levarão tempo para serem implementadas. E como a guerra na Ucrânia continua a perturbar as economias em todo o mundo, os agricultores e o instituto do arroz dizem que os dias mais difíceis talvez ainda estejam por vir.

“Se isso continuar, é inevitável” que os preços subam, disse Bhandari. “Isso tem que ser refletido em algum lugar.”

PUBLICIDADE

Leia também

‘In careca we trust’: Analista de câmbio vira sensação no Brasil

Estagiários da Faria Lima ganham mais do que o profissional médio brasileiro

PUBLICIDADE