PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Semana será decisiva para traders com malabarismo entre risco da Rússia e Fed

Embora a volatilidade tenha aumentado em moedas, ações e títulos, esses mercados continuam a se mover de forma relativamente independente um do outro

Jerome Powell pode ser pressionado por tensões nos mercados de financiamento
Por Payne Lubbers e Michael G. Wilson
13 de Março, 2022 | 05:20 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os mercados estão começando uma semana lotada que testará se a Rússia planeja pagar sua dívida internacional e provavelmente verá o Federal Reserve aumentar as taxas de juros pela primeira vez desde 2018.

O rublo russo indicava mais força em relação ao dólar nas primeiras negociações offshore, com os EUA e a China prontos para realizar suas primeiras conversas pessoais de alto nível desde que a Rússia invadiu a Ucrânia. O euro foi cotado 0,2% mais alto em relação ao dólar, apagando o declínio da semana passada na moeda comum. No entanto, as expectativas de uma política monetária mais apertada dos EUA para combater a inflação furiosa podem fazer com que o dólar recupere sua força nos próximos dias, depois que um indicador da moeda terminou na semana passada perto de uma alta de 20 meses. Os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA também dispararam em antecipação.

PUBLICIDADE

A Rússia tem cerca de US$ 117 milhões em pagamentos de cupons da dívida do país com vencimento na quarta-feira, com a Fitch Ratings descrevendo um calote como “iminente”. As ações permanecem fechadas em Moscou, mas o comércio onshore do rublo foi retomado na semana passada. Mísseis russos atingiram uma instalação de treinamento militar no oeste da Ucrânia, perto da fronteira polonesa, que era usada regularmente pela Otan antes do conflito.

As moedas vinculadas a recursos também estão no centro das atenções depois que os preços das commodities caíram de altas recentes.

É muito a considerar até mesmo para os profissionais de mercado mais endurecidos. Embora a volatilidade tenha aumentado em moedas, ações e títulos, esses mercados continuam a se mover de forma relativamente independente um do outro - como fariam em tempos mais calmos - com as correlações se mantendo estáveis. Isso é positivo para os investidores que normalmente diversificam suas participações para tentar mitigar seus riscos, mas torna mais difícil rastrear os movimentos selvagens nos mercados de níquel para títulos do Tesouro dos EUA.

PUBLICIDADE

O mercado do Tesouro acabou de encerrar uma das piores semanas da última década, com os rendimentos das notas de 10 anos sendo negociados brevemente acima de 2% pela primeira vez em quase duas semanas.

Embora o Fed quase certamente aumente sua taxa de referência em 25 pontos-base na quarta-feira, o presidente Jerome Powell será questionado sobre a escala e o ritmo do ciclo de aperto do banco central depois que ele lançar seu mais recente ‘dot plot’. Traders também querem saber como o Fed planeja encerrar seu balanço após anos de flexibilização quantitativa, e Powell pode ser pressionado por tensões nos mercados de financiamento.

Se o dólar estender seu rali após a reunião do Fed, o iene provavelmente será um dos maiores perdedores. A moeda do Japão “não tem para onde ir”, mas caiu depois de cair para seu nível mais baixo em relação ao dólar em cinco anos na sexta-feira, de acordo com um relatório de estrategistas da TD Securities. O euro também pode sofrer ainda mais depois que o Banco Central Europeu sinalizou risco e incerteza em sua reunião na semana passada, mesmo quando inesperadamente avançou com os planos de reduzir o estímulo.

No entanto, grande parte da atenção dos traders permanecerá na Rússia. Se a nação não pagar suas obrigações, pode desencadear uma cascata de inadimplência corporativa. A Rússia perdeu acesso a quase metade de suas reservas e vê mais riscos para esse capital devido ao aumento da pressão dos EUA e aliados sobre a China, segundo o ministro das Finanças, Anton Siluanov.

Os reguladores russos também estão procurando maneiras de reabrir as negociações de ações na Bolsa de Moscou sem permitir um colapso nos preços dos ativos. O banco central do país está aberto a reiniciar as negociações no início desta semana.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Como a invasão russa na Ucrânia ameaça o sistema global de alimentos?

Bancos Centrais do mundo definem política para economias abaladas pela guerra

PUBLICIDADE