Negócios

Leilão de energia; AGE do Carrefour; Eletrobras: Radar SA

Na próxima semana acontece o primeiro leilão para contratação de reserva de capacidade do país, com 132 projetos de geração cadastrados

Ideia é garantir potência adicional no sistema a partir de 2026, segundo o Ministério de Minas e Energia
Por Taís Fuoco e Vinícius Andrade
17 de Dezembro, 2021 | 08:19 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, a Agência Nacional de Energia Elétrica e o Ministério de Minas e Energia realizam o primeiro leilão para contratação de reserva de capacidade do país. Estão cadastrados 132 projetos de geração, novos e existentes, que somam 50,7 mil megawatts de potência, segundo a Aneel. A ideia é garantir potência adicional no sistema a partir de 2026, segundo o MME. Carrefour Brasil, M. Dias Branco e Lojas Marisa reúnem acionistas em AGEs.

A semana

  • 20/dezembro: M. Dias Branco promove AGE para discutir alterações no estatuto social
  • 21/dezembro: ANP realiza 1º leilão de reserva de capacidade, voltado para contratação de usinas termelétricas, na CCEE
  • 22/dezembro: Carrefour Brasil promove AGE para aprovar aumento de capital de R$ 4,8 bilhões com a capitalização de reserva de lucros
  • 22/dezembro: BNDES promove audiência pública para discutir desestatização da Eletrobras
  • 23/dezembro: Lojas Marisa tem AGE para debater criação de plano de outorga e de opções de compra de ações
  • 24/dezembro: Véspera de Natal, mercados fechados no Brasil

Pode atrasar

O pedido de vista do ministro Vital do Rêgo adiou novamente a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o processo de privatização da Eletrobras. O ministro pediu mais tempo para estudar o caso. O TCU se reúne novamente em 19 de janeiro, mas ainda não está claro se a Eletrobras volta a ser discutida já nessa primeira reunião de 2022.

Vai tentar de novo

A Petrobras decidiu reajustar o preço cobrado por pelo menos uma das refinarias que iria vender e, com isso, irritou os interessados e atrasou o processo, disse a Reuters citando pessoas com conhecimento do assunto que falaram sob anonimato. Refap e Repar devem ter seus processos de venda relançados, segundo a reportagem, depois que Unipar e Raízen recusaram o aumento.

Terá que vender

O plenário do Cade decidiu por remédios ainda mais amargos para autorizar a compra da Unidas pela Localiza. Entre as exigências estão a venda da marca Unidas e a redução da frota de veículos. Com os remédios, o market share da nova companhia deve ficar abaixo de 50%, disse o presidente do Cade, Alexandre Cordeiro.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE