Mercados

Plástico deve ficar mais caro com furacão na Costa do Golfo

Tempestade tropical Ida está ganhando força e deve chegar ao estado de Louisiana na tarde de domingo com ventos de 185 km/h

Tempestade deve alcançar a Louisiana no domingo
Por Kevin Crowley
27 de Agosto, 2021 | 03:22 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Já em níveis recordes, os preços dos plásticos devem avançar ainda mais com a tempestade que, segundo previsões, se transformará em um grande furacão na Costa do Golfo dos EUA, que produz quase 20% do etileno mundial.

A tempestade tropical Ida está ganhando força e deve chegar ao estado de Louisiana na tarde de domingo com ventos de 185 km/h. Fábricas de químicos pertencentes à Exxon Mobil, Dow e outras ficam na área mais vulnerável ao furacão, colocando sob ameaça a oferta de polímeros usados em milhares de produtos, como embalagens de xampu e tubos para encanamentos.

Veja mais: Metais se aproximam de patamares recordes com menor receio por variante delta

Contratos de polipropileno, polietileno de alta densidade e PVC na Costa do Golfo já são negociados nos maiores patamares em registro após o clima congelante em fevereiro, enquanto a demanda por bens de consumo segue forte.

PUBLICIDADE

A tonelada do polipropileno — usado em móveis, produtos de limpeza, carpetes e outros produtos — pode saltar quase 45% para US$ 4.000 se boa parte da capacidade produtiva ficar paralisada por mais de três semanas, calcula Jeremy Pafford, responsável por desenvolvimento de mercado na América do Norte para a provedora de dados ICIS.

“Interrupções de longo prazo induzidas pelo clima tropical podem alimentar aumentos estratosféricos nos preços, que vão onerar cadeias de suprimentos e consumidores”, disse Pafford. “Como a maior parte da capacidade de produção de commodities do segmento de resina plástica nos EUA se localiza no litoral do Texas e da Louisiana, um episódio devastador pode causar meses de escassez de polietileno, polipropileno e/ou poliestireno.”

O hub petroquímico dos EUA passou boa parte de 2021 tentando se recuperar de paralisações prolongadas decorrentes da tempestade de fevereiro. A restrição de oferta foi agravada pelo aumento da demanda por manufaturados e embalagens. As limitações no transporte marítimo global também prejudicaram as cadeias de suprimentos de produtos químicos, impulsionando os preços.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Com ação na cotação mínima de 12 meses, abaixo de R$ 19, Magalu anuncia novo programa de recompra

Casa Branca estuda indicar Powell para segundo mandato no Fed

Powell diz que redução de compra de ativos pode começar em 2021, sem pressa no aumento de juros



PUBLICIDADE