promo
Mercados

Pedidos de seguro-desemprego nos EUA têm quarta queda semanal consecutiva

Redução nas solicitações iniciais aponta para o fortalecimento dos negócios e menos demissões à medida que a atividade econômica do país se recupera

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego nos Estados Unidos caíram pela quarta semana consecutiva, uma tendência que sugere que as condições do mercado de trabalho estão melhorando à medida que a economia se recupera.

Os registros desta quinta-feira (19) apresentaram queda de 29.000 para 348.000 na semana encerrada em 14 de agosto, o menor nível da pandemia, segundo dados do Departamento do Trabalho americano. Economistas em uma pesquisa da Bloomberg estimavam um declínio para 364.000.

Os pedidos contínuos de benefícios caíram para 2,8 milhões na semana encerrada em 7 de agosto, também o menor valor desde o início da pandemia.

A redução nas solicitações iniciais aponta para o fortalecimento dos negócios e menos demissões à medida que a atividade econômica melhora. Dito isso, uma aceleração nos registros iniciais nas próximas semanas pode apontar para uma fraqueza do mercado de trabalho à medida que a variante delta do Covid-19 se espalha.

Veja mais: Fed vê meta de inflação cumprida, mas se divide quanto a compra de títulos: Ata

Alguns estados e cidades reintroduziram a obrigatoriedade do uso de máscara nas últimas semanas em resposta às variantes do coronavírus, e as empresas adiaram seus planos de retorno ao escritório. Mas há poucas evidências até agora para sugerir que a variante delta resultou em demissões, especialmente porque não foram colocadas restrições em restaurantes, bares e locais de entretenimento.

Texas e Illinois registraram as maiores quedas em pedidos iniciais na semana passada. Virginia registrou o maior aumento, seguida por Novo México e Califórnia.

Mais de 20 governadores encerraram prematuramente os programas federais de desemprego - incluindo um pagamento semanal extra de US$ 300 - implementados durante a pandemia, na esperança de que a remoção dos pagamentos aumentados incentivaria os trabalhadores a procurar empregos. Ações judiciais em alguns desses estados desafiando a autoridade legal dos governadores para encerrar a ajuda podem restaurar os benefícios suspensos até que expirem oficialmente no início de setembro.

Os pedidos contínuos em todos os programas diminuíram para 11,7 milhões na semana encerrada em 31 de julho. Isso se compara a uma alta de cerca de 32,8 milhões em junho de 2020.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Citi contrata executivo do BofA e traz chefe de ações da América Latina a SP

Estudo britânico indica menor eficácia de vacinas contra delta

Perdas de dívida corporativa chinesa afetam ganhos de emergentes