Negócios

Tesla paralisa fábricas após trimestre instável, mas o motivo é melhor que o esperado

Fabricante de carros elétricos vai interromper a maior parte da produção de linhas de montagem em Xangai e Berlim para aumentar a produção

O trabalho de atualização na fábrica para aumentar a produção de ambos os veículos deve ser concluído no início de agosto, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.
Por Craig Trudell
04 de Julho, 2022 | 02:25 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os investidores da Tesla (TSLA) têm muito o que analisar após o feriado de 4 de julho: um trimestre com entregas decepcionantes, um mês recorde de produção e agora várias semanas de inatividade em algumas das fábricas.

A fabricante de carros elétricos vai interromper a maior parte da produção da linha de montagem do Modelo Y em Xangai nas duas primeiras semanas de julho e, em seguida, interromperá a linha do Modelo 3 por um período de 20 dias a partir de 18 de julho, informou a Bloomberg no mês passado. O trabalho de atualização na fábrica para aumentar a produção de ambos os veículos deve ser concluído no início de agosto, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

Nesta segunda-feira (4), a TeslaMag, portal especializado na montadora, disse que a fábrica perto de Berlim fará uma pausa de duas semanas a partir de 11 de julho. O site alemão informou que a Tesla pretende dobrar sua taxa de produção a partir de agosto, citando uma fonte não identificada. A empresa construiu 1.000 Model Ys na fábrica durante pelo menos uma semana no mês passado.

A Tesla não mencionou esses planos em sua declaração de produção e entrega de 2 de julho. A montadora ofereceu uma linha otimista - produziu mais veículos em junho do que em qualquer mês de sua história - ao divulgar 254.695 entregas para o trimestre, abaixo das estimativas dos analistas.

PUBLICIDADE

A “fraqueza relativa” do trimestre era esperada, disse Philippe Houchois, analista da Jefferies com classificação de compra das ações da Tesla, em um relatório em 3 de julho. Ele escreveu que os comentários do CEO Elon Musk referindo-se às novas fábricas da empresa como “fornos de queimar dinheiro” sugerem que o fluxo de caixa livre da Tesla pode ter sido afetado por interrupções significativas no capital de giro.

O maior golpe no desempenho da Tesla no último trimestre veio do lockdown de semanas de Xangai em resposta a um surto de Covid. A empresa fez um esforço extraordinário para reabrir sua fábrica e mantê-la funcionando, com milhares de trabalhadores dormindo no local para manter a produção parcial.

Enquanto Xangai é a fábrica mais produtiva da Tesla, suas plantas perto de Berlim e Austin, no Texas, estão apenas começando. Musk organizou uma festa de abertura no primeiro em 22 de março e no segundo em 7 de abril.

Enquanto esses eram assuntos alegres - Musk dançou na Alemanha e vestiu um chapéu de cowboy e óculos escuros no Texas -, o CEO da companhia parecia muito mais moderado algumas semanas depois.

PUBLICIDADE

“Berlim e Austin estão perdendo bilhões de dólares agora porque há uma tonelada de despesas e quase nenhuma produção”, disse Musk aos proprietários de Tesla no Vale do Silício em 31 de maio.

A paralisação de Xangai e as dificuldades para aumentar as novas fábricas contribuíram para que as ações da Tesla caíssem 38% nos três meses encerrados em junho, uma queda trimestral recorde. O S&P 500 caiu 16%, a maior queda para o índice de ações dos EUA desde o primeiro trimestre de 2020.

Leia também

Ex-bilionários: conheça os brasileiros que perderam esse status em 2022

As ações preferidas dos analistas em julho

PUBLICIDADE