PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Bilionário perde US$ 607 milhões em esquema de fraude nas Bermudas

Georgiano processa uma unidade do Credit Suisse em busca de reparação de valor que teria perdido

Bilionário perde US$ 607 milhões em esquema de fraude no Credit Suisse
Por Hugo Miller e Marion Halftermeyer
21 de Junho, 2022 | 03:52 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Bidzina Ivanishvili, o bilionário georgiano que está processando uma unidade do Credit Suisse (CS) por um esquema de fraude supostamente administrado por um de seus ex-banqueiros, teria perdido cerca de US$ 607 milhões no caso, de acordo com uma nova estimativa de suas perdas que é quase 10% superior ao valor divulgado anteriormente.

A nova quantia foi citada durante uma audiência nesta terça-feira (21), supervisionada pelo presidente da Suprema Corte das Bermudas, Narinder Hargun. Em março, ele pediu que contadores forenses de ambos os lados do caso apresentassem uma avaliação mais precisa das perdas de Ivanishvili. Há três meses, Hargun havia apontado US$ 553 milhões em perdas.

Na época, o juiz criticou o Credit Suisse Life, dizendo que a unidade de seguro de vida do banco havia feito “vista grossa” para as irregularidades do fraudador condenado Patrice Lescaudron. O francês, que foi condenado em 2018, era um lobo solitário que escondia sua atividade fraudulenta, segundo o banco.

Jonathan Crow, advogado do Credit Suisse Life em Bermudas, abriu a audiência dizendo que não contestou a decisão de Hargun e que reconheceu o valor revisado de US$ 607 milhões.

PUBLICIDADE

Ele, no entanto, procurou restringir o escopo de onde a compensação poderia vir. Bermudas aprovou legislação em 2000 para criar entidades chamadas empresas de contas segregadas, ou SACs, que permitem a divisão legal de ativos e passivos em contas separadas.

“Nós lutamos contra a ação e perdemos” e não estamos buscando anular a responsabilidade, disse Crow. Mas a compensação “deve ser paga e obtida apenas com os ativos nas contas segregadas”, configuradas para Ivanishvili, disse ele. O CS Life Bermuda já recorreu do veredicto.

Joe Smouha, advogado de Ivanishvili, rebateu que tal argumento não fazia sentido e que a CS Life estava, em essência, argumentando que a responsabilidade deveria ser paga pelos “patrimônios próprios do autor”. A lei nunca teve a intenção de dar a essas empresas “imunidade presumida”, disse ele.

“Levantar a questão nesta fase, após o julgamento, é um abuso de processo”, disse Smouha.

PUBLICIDADE

Espera-se que o juiz Hargun se pronuncie sobre essa questão, bem como os US$ 607 milhões acordados pelos contadores na audiência de terça-feira.

‘Perda de tempo’

Ele deu uma possível dica de que direção ele estava indo quando interrompeu Crow no meio da frase para desafiar seu argumento.

Hargun disse que “parece uma completa perda de tempo” que durante o julgamento os participantes tenham passado muitas horas tentando avaliar quais seriam as perdas se a CS Life não fosse responsabilizada. “Qual é o sentido de tudo isso se o dinheiro simplesmente saísse das contas segregadas”, ele perguntou.

O julgamento das Bermudas foi visto como um teste para saber se o banco poderia ser isento de responsabilidades futuras em casos pendentes em outras partes da Suíça. Um promotor de Genebra no início deste mês disse a representantes do banco que achava que havia deixado mais de US$ 60 milhões serem lavados por Lescaudron, abrindo caminho para o que seria uma acusação histórica por lavagem de dinheiro do próprio banco.

O Credit Suisse já reservou 600 milhões de francos suíços (US$ 622 milhões) em provisões legais, algumas das quais relacionadas ao caso das Bermudas, no primeiro trimestre deste ano e sinalizou a possibilidade de mais acertos legais à medida que trabalha com um acúmulo de casos legados e se prepara para novos.

O Credit Suisse se recusou a comentar se outras provisões seriam necessárias devido ao número mais alto de perdas.

PUBLICIDADE

Leia também

Ebanx demite 20% dos funcionários e cita cenário macro como razão

Unicórnios da América Latina são avaliados bem acima de suas receitas