Negócios

Estas são as empresas que cortaram os laços com a Rússia

Sanções internacionais, o fechamento do espaço aéreo e as restrições financeiras ao SWIFT atrapalham operações das empresas

Cada vez mais empresas suspendem operações na Russia
Por Adam Majendie
07 de Março, 2022 | 03:56 pm
Tempo de leitura: 9 minutos

Bloomberg — Netflix (NFLX), TikTok, Samsung (SSNLF) e operadoras de cartão de crédito se juntaram à crescente lista de empresas que cortam laços com a Rússia ou que estão revendo suas operações no país à medida que aumentam os riscos financeiros e de reputação.

Sanções internacionais, o fechamento do espaço aéreo e das ligações de transporte devido à guerra e as restrições financeiras ao SWIFT e aos controles de capital dificultaram, quando não impossibilitaram, que muitas empresas forneçam peças, façam pagamentos e entreguem mercadorias de e para a Rússia. Além disso, a possível reação do consumidor internacional contra qualquer empresa percebida como colaboradora do regime de Vladimir Putin significa que o êxodo de corporações da Rússia já virou uma debandada.

A derrota reverte três décadas de investimento de empresas estrangeiras depois do fim da União Soviética, em 1991, especialmente em energia. Aqui estão algumas das maiores empresas que começaram a desvendar suas conexões:

Petróleo e gás

O maior investidor estrangeiro da Rússia, a BP (BP), liderou o caminho com seu anúncio surpresa, em 27 de fevereiro, de que deixaria sua participação de 20% na estatal Rosneft, um movimento que poderia resultar em uma baixa de US$ 25 bilhões e cortar a produção de petróleo e gás global da empresa em um terço.

PUBLICIDADE

A Shell foi a próxima, citando o “ato sem sentido de agressão militar” da Rússia. A empresa disse que encerrará parcerias com a Gazprom, controlada pelo Estado, incluindo a instalação de gás natural liquefeito Sakhalin-II e seu envolvimento no projeto de gasoduto Nord Stream 2, que a Alemanha bloqueou na semana passada. Ambos os projetos valem cerca de US$ 3 bilhões. A Exxon Mobil (XOM) disse que “descontinuaria” suas operações na Sakhalin-1.

A Equinor (EQNR), gigante de energia estatal da Noruega, disse que começará a se retirar de suas joint ventures na Rússia, no valor de cerca de US$ 1,2 bilhão. Paralelamente, o fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, disse que está congelando ativos russos no valor de cerca de US$ 2,8 bilhões e apresentará um plano de saída até 15 de março.

Finanças

A Visa (V) e a Mastercard (MA) anunciaram no sábado (5) que estão suspendendo as operações na Rússia. Em declarações separadas que chegaram com poucos minutos de diferença, a Visa citou “a invasão não provocada da Ucrânia pela Rússia e os eventos inaceitáveis que testemunhamos”, enquanto a Mastercard se referiu à “natureza sem precedentes do conflito atual e ao ambiente econômico incerto”.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, pediu às empresas que suspendam todos os negócios na Rússia durante uma videochamada com legisladores dos EUA. Cada um obtém cerca de 4% de sua receita líquida de negócios ligados à Rússia. American Express (AXP) se retirou no domingo (6).

PUBLICIDADE

Alguns críticos argumentam que os passos não são suficientes. Embora as empresas tenham dito que quaisquer transações iniciadas com seus cartões emitidos na Rússia não funcionarão mais fora do país e os cartões emitidos fora da Rússia não funcionarão em comerciantes ou caixas eletrônicos russos, os consumidores na Rússia que possuem um cartão emitido localmente ainda podem pagar por mercadorias e serviços dentro do país.

Duas das quatro principais auditoras, a PricewaterhouseCoopers e a KPMG, também disseram no domingo (6) que cortariam laços com empresas russas.

Montadoras

No espaço de uma semana, a maioria das maiores montadoras do mundo, incluindo a General Motors (GM), a Ford (FORD) , a Volkswagen (VWAGY) e a Toyota (TM), anunciaram que interromperiam os envios para a Rússia ou fábricas ociosas no país. Os fabricantes de caminhões Volvo (VOLV) e Daimler Truck (DTG.F) também interromperam as atividades comerciais lá.

No entanto, a montadora que mais tem a perder, a Renault (RNO.PA), não fez nenhum movimento.

O controle majoritário da empresa francesa sobre a AvtoVaz (AVAZ), fabricante da Ladas na era soviética, e a dependência da Rússia para cerca de 12% de sua receita enervaram os investidores e a Renault perdeu mais de um terço de seu valor de mercado em duas semanas. “A Renault prometeu cumprir as sanções”, disse Gabriel Attal, porta-voz do governo francês, na quinta-feira (3) à rádio France Info.

Bens de consumo

A Samsung, líder em vendas de smartphones na Rússia com mais de 30% do mercado, suspendeu as exportações para o país de todos os seus produtos. A empresa disse que doará US$ 6 milhões para esforços humanitários na região, incluindo US$ 1 milhão em produtos eletrônicos de consumo.

PUBLICIDADE

Antes do anúncio, Mykhailo Fedorov, que atua como vice-primeiro-ministro da Ucrânia e supervisiona as operações digitais, postou uma carta em sua conta no Twitter para o vice-presidente da Samsung, Han Jong-hee, instando a gigante de tecnologia coreana a interromper temporariamente o fornecimento de serviços e produtos para a Rússia. “Precisamos do seu apoio – em 2022, a tecnologia moderna talvez seja a melhor resposta para os tanques, vários lançadores de foguetes e mísseis visando bairros residenciais, jardins de infância e hospitais”, escreveu ele.

A Microsoft (MSFT) condenou na sexta-feira (4) a “invasão injustificada, não provocada e ilegal” da Rússia na Ucrânia e disse que está suspendendo todas as novas vendas de produtos e serviços na Rússia. A Apple (AAPL) interrompeu as vendas de iPhones e começou a limitar os serviços Apple Pay e outros produtos populares na Rússia, e removeu os aplicativos RT News e Sputnik News das App Stores fora do país. A HP (HPQ), maior fornecedora de PCs para a Rússia, interrompeu as exportações para o país, assim como a Intel (INTC).

A Nike (NKE) é uma das várias empresas de bens de consumo que citaram problemas logísticos como motivo para suspender as vendas na Rússia. A varejista de moda espanhola Inditex (IDEXF), que possui 502 lojas na Rússia, incluindo 86 lojas Zara, também está fechando temporariamente todas as suas lojas na Rússia e interrompendo as vendas online, dizendo que “não pode garantir a continuidade das operações e condições comerciais”.

Outras empresas até agora tomaram medidas limitadas para interromper os negócios. O secretário-geral da empresa de laticínios Danone (BN.PA), Laurent Sacchi, disse que a maior fabricante de iogurte do mundo suspenderá o investimento na Rússia, mas continuará a vender laticínios e alimentos para bebês.

PUBLICIDADE

O CEO da Danone, Antoine de Saint-Affrique, estava entre os CEOs e presidentes de algumas das maiores empresas da França que se reuniram com Emmanuel Macron na sexta-feira (5), segundo o Le Figaro. O presidente francês exortou-os a não deixar a Rússia às pressas e, em qualquer caso, não sem consultar o governo, informou o jornal.

A Netflix está encerrando suas operações na Rússia e disse que nenhum novo cliente poderá se inscrever, embora não esteja claro o que acontecerá com as contas existentes.

A Netflix tem menos de um milhão de clientes na Rússia e atua no país por meio de uma parceria com o National Media Group. A gigante do streaming disse anteriormente que não transmitirá os canais de notícias russos necessários em seu serviço de idioma local no país e pausou todos os projetos e aquisições da Rússia, incluindo quatro programas em produção.

Estúdios de Hollywood, incluindo a Walt Disney (DIS), a Paramount Pictures (PGRE), a Sony (SONY) e WarnerMedia, da AT&T (T), e Universal Pictures, da Comcast (CMCSA), também interromperam ou adiaram o lançamento de filmes na Rússia.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, outras plataformas, incluindo o TikTok, estão suspendendo ou fechando serviços por causa da nova lei de “fake news” da Rússia, que visa silenciar a dissidência e limitar as informações sobre a invasão da Ucrânia.

“Não temos escolha a não ser suspender a transmissão ao vivo e novos conteúdos em nosso serviço de vídeo enquanto analisamos as implicações de segurança desta lei”, anunciou o TikTok em uma série de tweets. “A segurança de nossos funcionários e usuários continua sendo nossa maior prioridade.”

PUBLICIDADE

A empresa, de propriedade da ByteDance, com sede na China, disse que seu serviço de mensagens no aplicativo não será afetado.

Na sexta-feira (4), o governo russo disse que estava bloqueando o acesso ao Facebook da Meta Platforms (FB) como parte da repressão. Horas após o anúncio, a Meta disse que pausaria toda a publicidade no país e deixaria de vender anúncios para empresas russas.

Direito e Contabilidade

A Baker McKenzie disse na semana passada que estava revisando suas operações na Rússia e cortaria laços com vários clientes russos para cumprir as sanções. Os clientes da empresa com sede em Chicago incluem o Ministério das Finanças da Rússia e o VTB, o segundo maior banco da Rússia.

PUBLICIDADE

A Linklaters, com sede em Londres, disse em comunicado que estava “revisando todo o trabalho da empresa relacionado à Rússia”. O chefe da KPMG no Reino Unido, Jonathan Holt, disse que a empresa cortará relações com certos clientes sujeitos à recente onda de sanções contra a Rússia.

Críticas Crescentes

À medida que mais empresas cortam os laços com a Rússia, aumentam as críticas a bancos e corporações consideradas lucrativas com a guerra ou inertes para punir a invasão de Putin.

A senadora norte-americana Elizabeth Warren, uma crítica ferrenha de Wall Street, disse que alguns bancos estão “enfraquecendo” as sanções ao comprar títulos corporativos russos e sugerir que os clientes comprem os ativos baratos do país.

PUBLICIDADE

Em um comunicado divulgado na sexta-feira (4), Warren chamou os fabricantes de mercado JPMorgan Chase (JPM) e Goldman Sachs (GS) após um relatório da Bloomberg de que os dois bancos estavam comprando títulos vencidos. Os bancos rotineiramente cobram dívidas porque os clientes pedem ou porque esperam encontrar compradores prontos.

Os analistas do JPMorgan também publicaram uma nota recomendando que os investidores aumentem suas participações em dívida vinculada à Rússia para aproveitar uma “jogada de recuperação” decorrente da venda que acompanhou a invasão da Ucrânia pelo país.

“Bancos gigantes de Wall Street, como o JPMorgan e Goldman Sachs, nunca perdem uma oportunidade para enriquecer, mesmo que isso signifique capitalizar a invasão da Ucrânia pela Rússia e minar as sanções impostas às empresas russas”, disse Warren, democrata de Massachusetts.

PUBLICIDADE

Representantes do Goldman Sachs e do JPMorgan não quiseram comentar a reportagem da Bloomberg sobre sua compra de títulos russos.

Na semana passada, McKinse, o sócio-gerente global da Bob Sternfels, foi ao LinkedIn para condenar a invasão russa da Ucrânia e declarar que a empresa não fará mais negócios com nenhuma entidade governamental na Rússia. O executivo mais sênior da consultoria na Ucrânia pediu que as empresas vão mais longe e comecem, sempre que possível, a fechar “escritórios e pontos de venda” no país. Na quinta-feira (4), a empresa acrescentou que não realizará nenhum novo trabalho com clientes na Rússia e interromperá todo o atendimento ao cliente no país após a conclusão de seus compromissos restantes, embora seu escritório permaneça aberto para a equipe de suporte.

O fundador da Fast Retailing, dona da gigante da moda Uniqlo, disse que a empresa não se retiraria da Rússia, segundo o Nikkei. “As roupas são itens essenciais na vida cotidiana”, disse Tadashi Yanai, presidente e CEO da Fast Retailing. “Os russos também têm o direito de viver.”

Os representantes do Fast Retailing em Tóquio não responderam imediatamente às perguntas da Bloomberg News. A empresa operava 50 lojas na Rússia em 28 de fevereiro. A Fast disse em 4 de março que doaria US$ 10 milhões e 200 mil itens de vestuário ao Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados para apoiar aqueles que fogem da Ucrânia.

--Com a colaboração de Tara Patel, Mark Gurman, Stephanie Baker e Angus Whitley.

– Esta notícia foi traduzida por Marcelle Castro, Localization Specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

AO VIVO: Ucrânia e Rússia terão nova rodada de negociações

China adverte EUA contra formação de uma Otan no Pacífico e apoio a Taiwan

PUBLICIDADE