PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Salto do petróleo na Turquia é sinal para outros mercados emergentes

Mercado da Turquia dá sinais de alerta de que as pressões inflacionárias estão aumentando nos países em desenvolvimento

Apesar de gastar bilhões de dólares para proteger a moeda do aumento dos preços da energia na semana passada, a lira ampliou a quinta maior depreciação nos mercados emergentes desde 11 de fevereiro
Por Netty Ismail e Tugce Ozsoy
28 de Fevereiro, 2022 | 09:58 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os mercados na Turquia estão dando sinais de alerta de que as pressões inflacionárias estão aumentando para os países em desenvolvimento à medida que os preços do petróleo disparam.

Apesar de gastar bilhões de dólares para proteger a moeda do aumento dos preços da energia na semana passada, a lira ampliou a quinta maior depreciação nos mercados emergentes desde 11 de fevereiro. O rendimento das notas do governo de dois anos saltou mais de 210 pontos-base nos cinco dias até sexta-feira, perdendo apenas para a dívida local emitida pela Rússia, que agora enfrenta sanções dos EUA e seus aliados.

PUBLICIDADE

Para ter certeza, a liquidação foi agravada pela política monetária extraordinariamente solta da Turquia, que já abalou os preços ao consumidor. Mas a redefinição agressiva de preços mostra o quanto está em jogo para um país que importa quase todo o petróleo e gás natural que consome. E aponta para os ventos contrários que toda uma gama de economias importadoras de energia, como Índia e África do Sul, enfrentam depois que a Rússia invadiu a Ucrânia.

Os preços do petróleo estenderam seu avanço nesta segunda-feira, depois que outra rodada de sanções internacionais à Rússia no fim de semana amplificou as preocupações com a escassez de energia. A lira turca estava estável no horário comercial de Londres, depois de enfraquecer até 2% mais cedo.

“Muitas economias emergentes, como a Turquia, estão lutando para se recuperar da pandemia e um choque no preço do petróleo agrava isso”, disse Brendan McKenna, estrategista do Wells Fargo em Nova York. “À medida que as perspectivas de crescimento pioram, a inflação aumenta e as contas correntes se tornam ainda mais deficitárias, o câmbio em mercados emergentes pode ficar sob forte pressão.”

PUBLICIDADE

O MSCI Emerging Markets Currency Index registrou seu primeiro declínio semanal em um mês e o segundo maior deste ano. Isso ocorre em um momento em que aumentos iminentes de juros nos EUA ameaçam drenar capital dos países emergentes. Os traders agora estão apostando em até seis aumentos de 1/4 de ponto do Federal Reserve este ano, a partir de março.

‘Golpe Triplo’

É o que Witold Bahrke, macroestrategista sênior de Copenhague da Nordea Investment, descreve como um “golpe triplo” de preços mais altos do petróleo, “ventos contrários monetários severos” e uma desaceleração no comércio global.

Índia, Filipinas e Tailândia provavelmente perderão mais na Ásia com um aumento sustentado na inflação dpor conta do petróleo, desacelerando o crescimento e enfraquecendo suas moedas, de acordo com a Nomura Holdings. Os bancos centrais desses países sinalizaram que planejam permanecer acomodatícios pelo tempo necessário para sustentar o crescimento, o que corre o risco de elevar os preços ao consumidor

Para o Citigroup, outros países vulneráveis incluem Chile e Hungria, que aumentaram sua principal taxa de juros, como esperado, na semana passada. O vice-governador Barnabas Virag disse que os riscos de inflação “fortaleceram inequivocamente” desde o mês passado e todos os que definem as taxas apoiam a necessidade de uma continuação do ciclo de alta das taxas.

Enquanto outros mercados emergentes se posicionam para combater as pressões de preços com ainda mais aperto, a resposta da Turquia não foi convencional – ela cortou as taxas em 500 pontos base desde setembro. Em vez disso, o governo lançou um novo tipo de conta de poupança em dezembro destinada a proteger a poupança em liras contra quaisquer perdas em moeda estrangeira incorridas, uma tentativa de deter a demanda local por dólares e euros sem prejudicar o crescimento.

Enquanto isso, Wolfango Piccoli, co-presidente da Teneo, diz que cada aumento de US$ 10 no preço do barril de petróleo custa ao país cerca de US$ 4 bilhões em importações extras, ampliando seu déficit em conta corrente. O déficit cresceu pelo segundo mês em dezembro.

PUBLICIDADE

O Citigroup mantém uma posição subponderada na lira em seu portfólio de modelos, dizendo que as importações líquidas de energia do país, como porcentagem de sua economia, são as mais altas do mundo em desenvolvimento depois da Ucrânia.

O próximo teste da Turquia será na quinta-feira, quando os economistas esperam que os preços ao consumidor acelerem para uma taxa anual de 52,5% em fevereiro, a maior desde abril de 2002. Isso reduziria a taxa real - a taxa básica do país após a retirada da inflação - para menos 38,50%, de longe a mais baixa do mundo.

“Além da tragédia da Ucrânia, o efeito cascata mais imediato em todo o mercado emergente e no resto do mundo é através dos preços da energia e da inflação que permanecerão mais altos por mais tempo”, disse Delphine Arrighi, chefe de dívida de mercados emergentes em Londres da GuardCap Asset Management.

PUBLICIDADE

Essa semana

Aqui estão alguns dos eventos de dados econômicos mais importantes para assistir esta semana:

  • O índice oficial de gerentes de compras de manufatura da China provavelmente contraiu em fevereiro e o setor não industrial provavelmente desacelerou
  • O banco central da Ucrânia provavelmente aumentará as taxas em 100 pontos base na quinta-feira, segundo o Citigroup. Sinais de angústia nos mercados de dívida da Ucrânia se aprofundaram na semana passada após o ataque da Rússia
  • A Malásia deve manter sua taxa básica de juros inalterada na quinta-feira
  • A crise na Ucrânia aumentou o risco de um aumento das taxas já em maio, embora o Bank Negara Malaysia tenha mais probabilidade de agir em julho, de acordo com a Bloomberg Economics
  • Dados de inflação da Indonésia, Peru, Tailândia, Coreia do Sul e Filipinas. Turquia, Índia, Hungria e Coreia do Sul divulgarão o PIB do quarto trimestre
  • O banco central do México, que está considerando aumentar as taxas de juros novamente em março, publicará seu relatório trimestral de inflação na quarta-feira.

--Colaborou Lilian Karunungan.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE