PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Goldman espera que Fed suba juros sete vezes em 2022 após inflação

Em relatório enviado a clientes, banco diz esperar aumento de 25 pontos-base em cada uma das reuniões restantes deste ano

Crescem apostas de um aperto monetário maior nos EUA após dados de inflação acima do esperado
Por Enda Curran
11 de Fevereiro, 2022 | 11:15 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O Goldman Sachs Group (GS) vê o Federal Reserve, o banco central americano, elevando as taxas de juros sete vezes este ano para conter a inflação dos Estados Unidos mais alta do que o esperado, em vez das cinco que esperava anteriormente.

O banco vê um aumento de 25 pontos-base em cada uma das reuniões restantes deste ano, escreveram economistas liderados por Jan Hatzius em um relatório aos clientes. A previsão alterada segue os preços ao consumidor dos EUA, que registrou o maior salto desde 1982 em janeiro.

Essa visão também está ganhando força entre os investidores, que estão precificando um ritmo semelhante de aumento da taxa. Os swaps vinculados às datas das reuniões do Fed indicam que os investidores esperam, após a reunião de dezembro, que a taxa principal do banco central americano saia de quase zero atualmente para 1,85%.

Goldman prevê que o Fed vai subir as taxas de juros em toda reunião a partir de marçodfd

Embora haja um argumento para um aumento de 50 pontos-base em março, dada a combinação de inflação muito alta, forte crescimento salarial e altas expectativas de inflação de curto prazo, as indicações dos agentes de política monetária até agora estão apontando para movimentos mais incrementais, de acordo com analistas do Goldman.

PUBLICIDADE

“A maioria das autoridades do Fed que comentaram se opuseram a um aumento de 50 pontos-base em março”, escreveram em nota. “Portanto, achamos que o caminho mais provável é uma série mais longa de aumentos de 25 pontos-base.”

Veja mais: No vermelho, mercados ponderam magnitude do aumento de juros nos EUA

Embora muitos funcionários do Fed não sejam a favor de saltos maiores, o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, disse que apoia o aumento das taxas de juros em um ponto percentual completo até o início de julho - incluindo o primeiro aumento de meio ponto desde 2000 - em resposta à inflação mais alta em quatro décadas.

“Nós consideraríamos mudar nossa previsão se outros participantes se juntarem a ele, especialmente se o mercado continuar a precificar altas chances de um movimento de 50 pontos-base em março”, disseram os analistas do Goldman.

PUBLICIDADE
Dados de inflação nos Estados Unidos vieram acima do esperadodfd

A mudança do Goldman reflete as observações do ex-secretário do Tesouro dos EUA Lawrence Summers, que na semana passada disse à Bloomberg Television que os investidores devem se preparar para que o Fed possa aumentar as taxas de juros em todas as sete reuniões de política monetária restantes este ano e até mesmo, para aumentar em mais de 0,25 ponto de uma só vez.

Os bancos globais têm aumentado suas expectativas para um ciclo agressivo de alta do Fed.

Economistas do Deutsche Bank AG disseram que os dados de inflação significam que um aumento de 50 pontos-base em março é agora seu caso base.

“Evidências mais limitadas de pressões inflacionárias em declínio na segunda metade do ano sugerem que o Fed continuará com sua resposta mais agressiva por mais tempo”, disseram economistas do banco alemão em nota.

Eles apontam movimentos adicionais de 25 pontos base em todas as reuniões deste ano, exceto em novembro, elevando o aumento total da taxa de fundos do Fed em 2022 para 175 pontos-base.

A Nomura Holdings Inc. disse que está dobrando sua aposta de um aumento de meio ponto em março, enquanto o Standard Chartered Plc disse que os dados de inflação desencadearam uma tempestade de especulações do Fed com o risco de que os formuladores de políticas avancem no ciclo de aperto.

PUBLICIDADE

O HSBC também está inclinando mais altas antecipadas e prevê um movimento de 50 pontos-base em março, além de quatro aumentos adicionais de 25 pontos-base em 2022.

Ainda assim, o ciclo de alta pode ameaçar a recuperação global, alertou o economista do Deutsche.

“Essa resposta política mais agressiva aumenta os riscos negativos para o crescimento”, escreveram eles. “Projetar um pouso suave para a economia nunca é fácil.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

Petróleo deve ter primeira queda semanal desde dezembro com conversas no Irã