PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Brasileiros ocupam 1º lugar no mundo em ranking de ligações spam

No top 5 dos países que mais recebem chamadas indesejadas no mundo, três são da América Latina

Brasil, Peru e México são os países latino-americanos mais afetados
Por Bloomberg Línea
17 de Janeiro, 2022 | 04:19 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — Receber ligações indesejadas parece ser um denominador comum em muitos países da América Latina, segundo estudo global da Truecaller que destaca que no top 20 dos países mais afetados por isso no mundo, sete são da região.

No período de 1º de janeiro a 31 de outubro de 2021, o Truecaller identificou 184,5 bilhões de chamadas globais desse tipo e 586 bilhões de mensagens. Dos 20 países pesquisados, o Brasil ocupa o primeiro lugar pelo quarto ano consecutivo com 32,9 chamadas de spam por usuário por mês, seguido por Peru, Ucrânia, Índia e México.

PUBLICIDADE

Como já mencionado, entre os 20 principais países, o Brasil ocupa o primeiro lugar. “Os 10 países seguintes da lista são comparáveis em termos de número de chamadas de spam recebidas. E os nove últimos estão em um grupo próprio, entre 4,5 e 6,7 ligações de spam por usuário por mês”, segundo o estudo.

Veja mais: Quais os salários mínimos da América Latina no início de 2022

E a América Latina?

Os latinos que aparecem no top 20 mundial são: Brasil, seguido por Peru, México, Chile, Colômbia, Equador, Honduras e Costa Rica.

PUBLICIDADE
Brasil lidera rankingdfd

Brasil

A maioria das ligações de spam no Brasil (44,1%) vem de serviços financeiros, como bancos, cooperativas de crédito, empresas de cartão de crédito, operadoras de crédito, entre outros. A outra parte significativa são todos os tipos de chamadas de vendas (39%), enquanto o volume total de fraudes é de 16,9% de todas as chamadas marcadas como spam.

Peru

37,3% de todas as chamadas marcadas como spam são provenientes de serviços financeiros e 46,5% são chamadas relacionadas a vendas ou telemarketing. Em termos de volume total de chamadas recebidas de spam, o Peru teve um aumento significativo de 7,57 milhões de chamadas em janeiro para 10,2 milhões em abril, 10,9 milhões em julho e 12 milhões em outubro.

México

O Truecaller rastreou cerca de 2,4 milhões de chamadas de spam em janeiro naquele país, chegando a 3,2 milhões de chamadas em outubro. Em média, os mexicanos recebem 15,5 chamadas de spam por usuário por mês. Ligações relacionadas a finanças e cobrança de dívidas representam, em conjunto, 74,6% de todas as ligações de spam no país.

Chile

A maioria do spam do Chile (70%) foi rotulado como chamadas de vendas ou telemarketing, enquanto 22,6% são designados como serviços financeiros, e uma parte significativa de 7,4% como fraude. O Truecaller registrou 9,4 milhões de chamadas de spam em janeiro, que chegou a 13,7 milhões de chamadas em março, antes de se estabilizar em 13,1 milhões de chamadas de spam em outubro.

Colômbia

As chamadas rotuladas como vendas (principalmente de operadoras de telecomunicações) representaram 64,5% de todas as chamadas marcadas como spam no país. As chamadas marcadas como serviços financeiros representaram 32,6% de todas as chamadas de spam. Os colombianos recebem em média 10,1 ligações indesejadas por mês.

Ecuador

A maioria (59,7%) das chamadas de spam relatadas foram marcadas como chamadas de vendas, seguidas por serviços financeiros com percentual de 35,4%. Os usuários do Truecaller no país rotulam cerca de 2,1% de todas as chamadas de spam como fraudes.

PUBLICIDADE

Honduras

Esta é a primeira vez que o país aparece na lista. A maioria das chamadas de spam relatadas em Honduras vem de serviços financeiros (55,1%). Em seguida, estão as vendas (29,7%), ao passo que chamadas incômodas e fraudulentas juntas representam 15,2% de todas as chamadas de spam.

Costa Rica

70,9% das chamadas de spam são rotuladas como serviços financeiros, e as cobrança de dívidas representam grande parte delas. As chamadas incômodas representam 9,1%, e podem estar relacionadas a fraudes ou assédio.

--Esta notícia foi traduzida por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Leia também

Comunicação do número de altas nos juros desafia BC dos EUA

Presidente da China pede que países reduzam riscos da cadeia de suprimentos

Caso de delta em Hong Kong é nova ameaça à estratégia Covid Zero

PUBLICIDADE