PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Opep sinaliza aumento da produção de petróleo

Confiança que a demanda continuará crescendo em 2022, apesar de “leve” golpe provocado pela Omicron, deve motivar ajuste em reunião na próxima semana

Países exportadores se reúnem na semana que vem para discutir aumento da produção, mas há riscos
Por Grant Smith, Salma El Wardany e Ben Bartenstein
01 de Janeiro, 2022 | 11:32 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados devem elevar sua estimativa para o fornecimento de petróleo quando se reunirem na próxima semana, ressaltando o otimismo do grupo com as perspectivas para a demanda global. A aliança de 23 países liderada pela Arábia Saudita e a Rússia deve prosseguir com outro modesto aumento mensal de 400 mil barris por dia, uma vez que restaura a produção interrompida durante a pandemia, de acordo com uma pesquisa da Bloomberg. Vários delegados nacionais também disseram que esperam que o impulso - que deve entrar em vigor em fevereiro - vá em frente.

A Opep e seus parceiros veem a demanda global se recuperando este ano, levando apenas um golpe “leve” da variante Omicron. A confiança está sendo validada, pois o tráfego intenso nos principais países consumidores asiáticos e os estoques de petróleo em declínio nos Estados Unidos aumentam os preços internacionais para perto de US$ 80 o barril.

PUBLICIDADE

“O mercado pode aceitar o petróleo extra, desde que o Omicron ou uma crise macroeconômica não esmaguem a demanda novamente”, disse Bob McNally, presidente da Rapidan Energy Group e ex-funcionário da Casa Branca. 13 dos 16 analistas e traders entrevistados pela Bloomberg previram que o aumento da produção será aprovado quando a coalizão se reunir remotamente na próxima terça-feira. Os indicadores sobre o consumo de combustível sugerem que os barris podem ser absorvidos, com todos os principais países asiáticos, exceto um, registrando um aumento na mobilidade mês a mês, de acordo com dados compilados pela Bloomberg usando estatísticas da Apple Inc. até 27 de dezembro.

Veja mais: 2022: Preço de energia deve subir ainda mais após recorde na Europa

Adicionar suprimentos também mostraria que Riade continua atento aos riscos inflacionários que afligem seus maiores clientes, tendo concordado no mês passado com os apelos do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, por produção extra para esfriar os preços da gasolina. Embora esse movimento surpresa tenha sido inicialmente lido como de baixa pelos comerciantes, o ministro da Energia da Arábia Saudita, Príncipe Abdulaziz bin Salman, ajudou a fortalecer o sentimento do mercado ao resolver que a reunião da OPEP permaneceria tecnicamente “em sessão” - permitindo reverter o aumento da produção em curto prazo se precisava.

PUBLICIDADE

Preocupação com a demanda

Prosseguir com o próximo aumento mensal não é isento de riscos. A China, maior usuária de petróleo da Ásia, tem mostrado sinais de enfraquecimento da demanda de combustível em meio a sua abordagem implacável de zero Covid e linha dura em relação à poluição, de acordo com dados de congestionamento de estradas de fornecedores locais como Baidu Inc. Nos EUA, os cancelamentos de companhias aéreas já estão se acumulando , com 1.125 voos eliminados, pois os casos crescentes de coronavírus prejudicam o pessoal.

A OPEP estima que o mercado mundial de petróleo está voltando ao superávit, o que só aumentará nos próximos meses, à medida que a oferta cresça entre os rivais do grupo - incluindo a implantação de reservas de emergência pelos EUA e outros consumidores. Com o excedente projetado para chegar a robustos 2,6 milhões de barris por dia em março, o grupo pode precisar reconsiderar novos aumentos.

“É altamente improvável que a Opep+ baixe a bola agora e permita que os estoques aumentem significativamente”, disse Bjarne Schieldrop, analista-chefe de commodities da SEB AB. Mas, por enquanto, o grupo não está especialmente preocupado com a perspectiva de uma recuperação nos estoques, disse um delegado sênior.

Veja mais: Petróleo recua com corte de cotas de importação pela China

Os estoques estão atualmente em níveis baixos e normalmente são reabastecidos durante a calmaria sazonal da demanda do primeiro trimestre, disse o delegado. Os estoques nas nações desenvolvidas estão 170 milhões de barris abaixo da média para os anos 2015-2019, de acordo com dados da Opep. O aumento da produção da OPEP + será, em qualquer caso, moderado, visto que muitos países - mais notavelmente Angola e Nigéria - lutam para fazer os aumentos de produção que são permitidos devido aos investimentos restritos e interrupções operacionais. Como resultado, o aumento real em fevereiro provavelmente ficará aquém dos 400 mil barris por dia oficiais, disse McNally da Rapidan.

Leia também

Qual foi o melhor investimento de 2021?

PUBLICIDADE