Taipei
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Opinion — Era uma noite quente de primavera em Taipei e mais de uma centena de celebridades, fundadores, capitalistas de risco e executivos do setor de tecnologia se reuniram para coquetéis e aperitivos. O evento principal, um bate-papo casual, foi apenas uma desculpa para as pessoas mais bem conectadas de Taiwan socializarem, aproveitando os tipos de liberdade que o resto do mundo não tinha em meio a outra onda de lockdowns pela Covid.

Notavelmente, muitos não eram residentes de longa data de Taiwan. Embora alguns tenham nascido lá ou tivessem conexões familiares, a maioria passou pouco tempo em sua terra natal enquanto construíam suas vidas no Vale do Silício ou em Wall Street. Mas, à medida que a Covid se espalhava pelo mundo, essas mesmas pessoas pegavam seus passaportes de Taiwan ou tiravam um visto exclusivo e se dirigiam para aquele santuário onde a vida continuava normal.

Algo semelhante acontecia para os privilegiados e bem conectados em todo o mundo. Com dinheiro, passaportes e empregos flexíveis, eles conseguiram realizar o maior comércio de todos: a arbitragem da Covid. Escolher onde morar, como trabalhar e quais escolas frequentar ofereceu um conforto relativo para os ricos, enquanto bilhões de outras pessoas lutaram por vacinas e para equilibrar as demandas de seus empregos e do ensino remoto.

Veja mais: Mercado de seguro viagem dispara com retomada de voos internacionais

Para os indianos abastados, escapar da devastação da pandemia envolvia fretar jatos particulares enquanto seu país natal era assolado por ondas de pacientes infectados com Covid ficando sem oxigênio. Estrelas de Bollywood foram para as Maldivas e famílias inteiras se mudaram para Dubai, onde os voos só de ida de Nova Delhi custam US$ 20 mil por pessoa. A cidade dos Emirados ficou tão popular entre os indianos que é sarcasticamente denominada a “cidade mais segura da Índia”.

PUBLICIDADE

Os super ricos de outras partes do mundo, dos Estados Unidos ao Reino Unido, também encontraram maneiras de se esconder. Partindo para a longínqua Nova Zelândia, buscando abrigos abastecidos ou simplesmente viajando para casas de temporada longe das multidões.

Em Taiwan, que fechou a fronteira para estrangeiros em março de 2020, os portadores de passaportes e residentes autorizados poderiam voltar a entrar depois de completar um isolamento obrigatório de duas semanas. Tendo tomado medidas precoces para combater um vírus que se originou na vizinha China, o governo de Taiwan conseguiu orientar seu povo por meio de uma combinação de restrições, como obrigatoriedade da máscara, enquanto mantinha um grau de flexibilidade que garantiu que a maioria das instituições e locais de entretenimento permanecessem abertos.

E assim, os pais que buscavam garantir que seus filhos não perdessem nenhuma aula e jovens profissionais abastados que queriam aproveitar a vida noturna de Taipei começaram a chegar. Seis meses depois de os EUA passar pela primeira onda de lockdowns no início de 2020, as escolas internacionais de elite de Taipei atingiram a capacidade máxima.

O outro lado da história ocorreu quando Taiwan, tendo conseguido manter a Covid sob controle por mais de um ano, sofreu um aumento nos números em maio, depois que alguns casos evadiram suas defesas de quarentena. De repente, o aumento de mais de 2 mil novas infecções em uma semana foi considerado um desastre nacional (a Índia relatou 311.170 em um único dia durante o mesmo período), e lojas, escolas e negócios foram fechados. Depois de curtir de um ótimo verão em 2020, os residentes de Taiwan enfrentaram um verão de distanciamento em 2021, com clubes e bares fechados e restaurantes severamente restritos.

PUBLICIDADE

Veja mais: CDC reduz tempo de isolamento de Covid com aumento de casos da ômicron

Juntamente com a escassez de vacinas, causada em parte pela pressão política da China, essas mesmas pessoas abastadas voltaram para os EUA, onde as vacinas estavam amplamente disponíveis e as escolas prontas para reabrir. Com as partidas de maio a julho sendo o dobro das chegadas, os dados mostraram que Taiwan cumpriu seu propósito.

Agora, os governos da região estão sofrendo a pressão para abrir suas fronteiras para os cidadãos que estivessem voltando e viajantes a trabalho ou lazer. As taxas de vacinação acima de 90% incentivaram o governo federal da Austrália e os líderes estaduais com controle sobre seus próprios territórios a permitir que os cidadãos e titulares de vistos qualificados voltassem. A Tailândia começou a experimentar uma estratégia de teste que permite que turistas entrem na ilha de Phuket, mantendo o resto do país em isolamento.

Enquanto isso, Taiwan permanece cauteloso. Os líderes empresariais e as câmaras de comércio querem que o governo relaxe as medidas, citando o impacto sobre o comércio exterior e sua robusta indústria de exposições e convenções. Com os níveis de vacinação aumentando e os casos locais de Covid ficando próximos de zero por mais de um mês, Taipei pode muito bem relaxar as medidas.

Mesmo assim, muitos taiwaneses não querem que as fronteiras sejam reabertas. Em vez disso, eles querem manter o mais precioso de pandemia: liberdade e segurança. Em um mundo de arbitragem de Covid, muitos percebem o valor de sua vantagem.

PUBLICIDADE

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Tim Culpan é colunista da Bloomberg Opinion e cobre a área de tecnologia. Anteriormente cobriu tecnologia para a Bloomberg News.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também: Testes rápidos podem salvar o Natal, se você conseguir encontrá-los