promo
Tech

Samsung planeja fábrica de chips de US$ 17 bi e 2 mil empregos no Texas

Nova planta será em Taylor, a 30 milhas de Austin, onde já investiu bilhões em um complexo com mais de 3.000 funcionários

Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — A Samsung Electronics Co. apresentou planos para abrir uma fábrica de semicondutores de US$ 17 bilhões nos EUA que criará mais de 2.000 empregos, ampliará a base da gigante sul-coreana no Texas e reforçará seu papel como uma fornecedora vital na cadeia de fornecimento de global.

“O aumento da produção doméstica de chips semicondutores é fundamental para nossa segurança nacional e econômica”, disse a secretária de Comércio dos Estados Unidos, Gina Raimondo, em um comunicado na terça-feira elogiando o acordo. Autoridades da Casa Branca também receberam bem a notícia do investimento, afirmando em um comunicado que a iniciativa ajudará “proteger nossas cadeias de abastecimento” e impulsionar a indústria nacional.

O projeto criará mais de 2.000 empregos, disse o governador do Texas, Greg Abbott, em uma entrevista coletiva anunciando os planos. A Samsung também disse que a fábrica criaria indiretamente milhares de empregos adicionais assim que estivesse operacional. “As implicações desta instalação se estendem muito além dos limites do Texas”, disse Abbott. “Vai impactar o mundo inteiro.”

A maior empresa da Coreia construirá as instalações em Taylor, Texas, a cerca de 30 milhas de Austin, onde a Samsung investiu bilhões em um amplo complexo que já abriga mais de 3.000 funcionários e fabrica alguns dos chips mais sofisticados do país. A construção da nova planta está programada para começar no primeiro semestre de 2022, e a produção começará no segundo semestre de 2024.

Na terça-feira, Abbott elogiou os baixos impostos e o pool de talentos do Texas como grandes atrativos para as empresas de tecnologia, e chamou a decisão da Samsung de investir no estado de “uma prova do ambiente econômico que construímos.” A Samsung também pode receber US$ 3 bilhões em incentivos da conta de US$ 52 bilhões conhecida como CHIPS Act se for aprovada, disse o senador do Texas, John Cornyn, na terça-feira.

O executivo da Samsung, Kinam Kim, afirmou que a decisão da empresa de construir a fábrica no Texas foi baseada em vários fatores, incluindo programas de incentivo, talento local e “prontidão e estabilidade da infraestrutura”. A infraestrutura é particularmente importante para operações de chip, que precisam de um fornecimento estável de energia. No início deste ano, uma onda de frio no Texas forçou a Samsung e outras empresas a interromper as operações. Mas a Abbott procurou tranquilizar as empresas de que as interrupções de energia não acontecerão novamente e que o estado agora está produzindo mais energia do que no início deste ano.

A Samsung se junta à Taiwan Semiconductor Manufacturing Co. para fazer investimentos substanciais nos EUA. As novas instalações reforçam a meta do governo Biden de proteger a produção de chips de ponta, considerados vitais para defesa, bem como tecnologias como carros autônomos.

A iniciativa é parte do esforço mais amplo de Washington para conter o poder econômico crescente da China, bem como atrair para casa parte da manufatura avançada que nas últimas décadas gravitou em torno da Ásia.

A escassez global de chips neste ano expôs desequilíbrios na indústria e levou governos de Bruxelas a Tóquio a cortejarem a TSMC e a Samsung - as duas empresas que fabricam a maioria dos chips mais avançados do mundo para clientes como Apple Inc. e Nvidia Corp.

“A nova fábrica da Samsung ajudará a reduzir a lacuna com a capacidade de produção da TSMC, fabricando chips na casa dos clientes”, disse Kim Sunwoo, analista da Meritz Securities. “Como os EUA priorizam a fabricação nacional de chips, a empresa poderá receber diversos benefícios com sua base de produção no país.”

Nem o novo projeto do Texas nem a expansão de US$ 12 bilhões da TSMC no Arizona provavelmente aliviarão a escassez de chips imediatamente. Mas sua construção pode estabelecer a base para um futuro ecossistema de chips centrado nos Estados Unidos, atraindo e treinando os fornecedores de componentes que normalmente surgem em torno dessas operações.

Em junho, o presidente Joe Biden fez um amplo esforço para proteger as cadeias de suprimentos. Seu governo repetidamente expressou a necessidade de aumentar a produção de semicondutores nos EUA, dizendo que essa era a melhor maneira de competir com a China e mitigar interrupções como as decorrentes da Covid-19.

A Samsung passou meses analisando diferentes sites e pacotes de incentivos antes de chegar a Taylor. O líder de fato da Samsung, Jay Y. Lee, que saiu em liberdade há poucos meses após cumprir pena por corrupção, deu luz verde ao projeto após uma recente viagem aos Estados Unidos, onde se encontrou com possíveis clientes e parceiros de Sundar Pichai da Alphabet Inc. para Amazon.com Inc. e Microsoft Corp.

Em junho, o presidente Joe Biden fez um amplo esforço para proteger as cadeias de suprimentos essenciais. Seu governo repetidamente expressou a necessidade de aumentar a produção de semicondutores nos EUA, dizendo que essa era a melhor maneira de competir com a China e mitigar interrupções como as decorrentes da Covid-19.

O governo local retirou as barreiras, incluindo a renúncia de 90% dos impostos sobre a propriedade por uma década e 85% para os 10 anos seguintes. O projeto pode potencialmente receber incentivos fiscais adicionais porque está em uma zona de oportunidade federal, um programa projetado para estimular o investimento em áreas pobres.

“A Samsung tem como alvo os clientes americanos agressivamente”, disse Jeff Pu, analista do Haitong International Securities Group.