PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Banqueiros com compromisso ‘net zero’ não têm consenso sobre o que isso significa

Maiores bancos e gestores de fundos do mundo se comprometeram com zerar as emissões líquidas de CO2 até 2050

Setor financeiro tem dúvidas sobre significado do "net zero"
Por Alastair Marsh
02 de Novembro, 2021 | 09:40 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A expressão “net zero” rapidamente se tornou parte do léxico em Wall Street e na City de Londres, mas não há consenso sobre o que isso significa, estabelecendo as bases para deturpação e confusão.

PUBLICIDADE

Para ajudar a orientar o setor financeiro, a iniciativa Science Based Targets, que certifica políticas climáticas corporativas e introduziu um padrão “net zero” para empresas no mês passado, publicou um relatório na quarta-feira com o objetivo de fornecer uma base para chegar a um consenso. O artigo deve ser visto como um “primeiro passo” para desenvolver um padrão “net zero” com base científica para instituições financeiras, disse o SBTi.

O trabalho é importante porque os maiores bancos e gestores de fundos do mundo se comprometeram com zerar as emissões líquidas de CO2 até 2050 como parte da Glasgow Financial Alliance for Net Zero de Mark Carney. A “falta de princípios, definições, métricas e evidências consistentes de estratégias eficazes para cumprir as metas limita a capacidade das instituições financeiras de apoiar a redução das emissões na economia real, necessária para estabilizar as temperaturas em 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais”, disse a SBTi.

PUBLICIDADE

A ausência de consistência “em torno do que significa ‘net zero’ permite que as instituições financeiras afirmem que estão fazendo mais do que estão e torna impossível a verificação de quaisquer reclamações”, disse Cynthia Cummis, diretora técnica e sócia fundadora do SBTi.

Ao fornecer apoio financeiro a empresas poluidoras, bancos, gestores de ativos e seguradoras são os grandes facilitadores do aquecimento global. Eles poderiam usar essa mesma influência para estimular as empresas para as quais emprestam e investem a descarbonizar suas operações e investir em tecnologias verdes.

Diferentemente das empresas, a maior parte da contribuição dos bancos para as mudanças climáticas não vem de suas operações, mas do financiamento que eles fornecem. Para que as empresas financeiras ajudem a alinhar a economia global com os objetivos do acordo climático de Paris, elas devem usar “sua influência e responsabilidade compartilhadas para alinhar os incentivos e eliminar as barreiras às reduções de emissões”, disse o SBTi.

O relatório do SBTi foi programado para o “dia das finanças” na COP26, a conferência das Nações Unidas sobre mudança climática em Glasgow, onde Mark Carney revelará as vastas somas de capital financeiro agora apoiando o ‘net zero’.

O SBTi disse que está explorando três abordagens amplas sobre como as empresas financeiras podem alcançar o “net zero”: reduzir o chamado financiamento de emissões, de acordo com os caminhos de descarbonização de 1,5° C para cada setor; alinhar “todas as atividades de financiamento com as tendências “net zero” relevantes, de modo que cada ativo individual atinja um estado “net zero”; e tornar possível que as instituições financeiras “contribuam para o ‘net zero’ de uma forma que garanta o financiamento da transição para as atividades de descarbonização e uma mudança explícita para financiar mais soluções climáticas”.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Governo Biden anuncia medidas contra a emissão de gás metano no mundo

DiCaprio fura cerco e participa de discussões sobre emissão de metano