Saúde

FDA recomenda dose de reforço da vacina da Johnson

Grupo consultivo do órgão regulador americano votou unanimemente a favor da recomendação do reforço para maiores de 18 anos

Recentemente, o Comitê Consultivo de Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados da FDA votou a favor do reforço da vacina da Moderna e da Pfizer
Por John Lauerman
15 de Outubro, 2021 | 03:56 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Um grupo consultivo da Food and Drug Administration, órgão regulador dos Estados Unidos, votou unanimemente nesta sexta-feira (15) a favor da recomendação de uma dose de reforço da vacina da Johnson & Johnson para pessoas com 18 anos ou mais que receberam sua primeira dose há pelo menos dois meses.

O Comitê Consultivo de Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados da FDA votou a favor do reforço da vacina da Moderna na quinta-feira (14), e a dose adicional da Pfizer foi autorizada após a recomendação do painel. Embora o presidente americano Joe Biden tenha previsto a oferta das doses extra a todos os americanos que tenham recebido a primeira dose há pelo menos oito meses, até agora, o painel recomendou a injeção apenas para pessoas com pelo menos 65 anos de idade e adultos jovens que correm o risco de doença grave ou exposição viral no trabalho.

Veja mais: Bill Gates diz que países precisam aumentar capacidade de produção de vacinas

A J&J apresentou dados ao comitê de 19 membros indicando que sua vacina perde eficácia com o tempo e que uma injeção de reforço é segura e pode ajudar a restaurar a eficácia e os níveis de anticorpos protetores. O painel foi inicialmente solicitado a considerar se um intervalo de seis meses seria mais eficaz, mas decidiu não considerar essa questão.

PUBLICIDADE

Vista como uma alternativa conveniente e eficaz às vacinas de RNA mensageiro de duas doses, a imunização de uma única dose da J&J tem sido pouco usada nos EUA. A vacina demonstrou menos eficácia do que os produtos Moderna e Pfizer, e foi associada a episódios raros de uma doença rara distúrbio de coagulação.

A consideração do painel sobre a vacina da J&J representa “um imperativo de saúde pública”, disse Arnold Monto, professor de saúde pública e epidemiologia da Universidade de Michigan, que atua como presidente interino. “O que estamos vendo é que este é um grupo com eficácia geral menor do que vimos com as vacinas de mRNA. Portanto, há alguma urgência aqui para fazer algo”, completou.

Agora cabe à Food and Drug Administration decidir se autoriza. A agência não é obrigada a seguir as recomendações do painel, mas geralmente o faz.

Veja mais: Brasil ultrapassa os 100 milhões de pessoas com vacinação completa

PUBLICIDADE

Em seguida, o bastão será passado para os consultores de vacinas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, que devem se reunir nos dias 20 e 21 de outubro. O Comitê Consultivo em Práticas de Imunização poderia então fazer uma recomendação sobre reforços da Moderna e da J&J. A diretora do CDC, Rochelle Walensky, tomaria uma decisão final sobre a recomendação da agência.

Tanto o FDA quanto o CDC estão em desacordo com seus consultores de vacinas sobre doses de reforço. O FDA revisou e estreitou uma recomendação sugerida para o reforço da Pfizer depois que seus conselheiros votaram contra. Walensky rejeitou seus conselheiros, que também sugeriram uma recomendação mais restrita para o uso da dose extra, levantando questões sobre se ela havia sido influenciada por pressões políticas.

- Com ajuda de Robert Langreth, Riley Griffin, Fiona Rutherford e Jeannie Baumann

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE