PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
ESG

Diversidade não acontece naturalmente; e as empresas já perceberam isso

Quase dois terços de executivos entrevistados pela PwC apoiam regras de listagem na bolsa de valores que exigem a divulgação da diversidade no conselho, como as que a Nasdaq Inc. implementou

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A parcela de diretores corporativos que afirmam que políticas específicas são necessárias para trazer mais diversidade para os conselhos aumentou significativamente no ano passado, à medida que mais regras destinadas a promover ações como essas surgiram nos EUA.

Um terço dos diretores entrevistados pela empresa de serviços profissionais PwC disse que “nenhuma ação” era necessária para alcançar a diversidade nos conselhos de empresas de capital aberto, ante 71% que disseram o mesmo na pesquisa do ano anterior. Quase dois terços apoiam as regras de listagem na bolsa de valores que exigem a divulgação da diversidade do conselho, como as que a Nasdaq Inc. implementou recentemente. E um em cada cinco apoia leis que obrigam ter minorias na diretoria executiva, como o projeto de lei aprovado pela Califórnia no ano passado.

PUBLICIDADE

A mudança no pensamento dos diretores ocorre enquanto eles são cada vez mais pressionados a melhorar a diversidade racial e de gênero nas empresas. Investidores como BlackRock Inc. e Vanguard Group Inc. estão votando contra empresas com conselhos sem diversidade, e a nova lei da Califórnia multa as empresas que não cumprem.

A porcentagem de novos diretores negros nos conselhos da Fortune 500 quase triplicou em 2020 em comparação com os anos anteriores, apontou a empresa de recrutamento Heidrick & Struggles, mas os conselhos das maiores empresas do país ainda são predominantemente compostos por homens e mulheres brancos.

O ceticismo sobre os esforços por mais diversidade, especificamente entre os diretores do sexo masculino, é parte do problema, identificou a pesquisa da PwC com 851 diretores. Um em cada três homens nos conselhos disse que a pressão por diretores representantes de minorias resulta na nomeação de candidatos “não qualificados” e “desnecessários”. Menos de 20% das diretoras disseram o mesmo.

PUBLICIDADE

“Estou muito preocupado com essa estatística”, disse Tim Ryan, presidente da PwC nos Estados Unidos, em uma entrevista. “Quando vejo isso me diz que temos trabalho a fazer.” Há poucas evidências de que o aumento no número de diretoras resultou em conselhos menos competentes.

Além disso, quase seis em cada dez diretores disseram que a diversidade é impulsionada pelo “politicamente correto”, um aumento em relação às pesquisas dos últimos dois anos. E metade dos entrevistados disse que os acionistas estão “muito preocupados” com a diversidade, um ligeiro aumento em relação ao ano passado.

A nova regra da Nasdaq não exige nenhuma mudança, mas obriga que as empresas que não tenham mulheres ou membros de minorias expliquem o porquê. Para aumentar a pressão, o presidente da SEC (Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos), Gary Gensler, disse que a SEC está analisando recomendações específicas para a divulgação de dados de diversidade pelas empresas.

PUBLICIDADE

A Califórnia exige que os conselhos sediados no estado atendam aos requisitos de gênero, entre outros de diversidade. Sua lei de cotas de gênero será julgada neste mês.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Fabricantes não conseguem atender demanda por jatos privados

Título verde do agronegócio vira case do Brasil na COP-26

PUBLICIDADE