PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Finanças pessoais

Está solteiro? Casar pode fazer o seu salário aumentar

Pesquisa constata que, nos Estados Unidos, a independência financeira está atrelada ao estado civil e que ter um parceiro pode garantir rendimentos mais altos

Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Ser solteiro nunca foi fácil, mas novos dados mostram o quanto pode ser difícil para as finanças de uma pessoa.

Quase 40% dos norte-americanos entre 25 e 54 anos viviam sem cônjuge ou companheiro em 2019, de acordo com uma nova análise de dados do censo do Pew Research Center. Esse é um aumento acentuado em relação a 1990, quando apenas 29% dos norte-americanos não tinham parceiros.

PUBLICIDADE

Desde então, os resultados econômicos para pessoas solteiras pioraram em comparação com aqueles com parceiros.

“Na média, adultos solteiros têm rendimentos mais baixos que adultos com parceiros e são menos propensos a serem empregados ou economicamente independentes”, constatou o relatório. “Seu nível de escolaridade também é mais baixo e são mais propensos a morar com os pais”.

O salário médio de homens solteiros em 2019 era de US$ 35,6 mil por ano, em comparação com US$ 57 mil por ano para sua contraparte com parceiros. Entre as mulheres, a diferença era de US$ 32 mil contra US$ 40 mil.

PUBLICIDADE

Cerca de 73% dos homens solteiros estavam empregados em 2019, em comparação com 91% dos homens com parceiros. Para as mulheres, é o inverso: 77% das mulheres solteiras estavam empregadas em 2019, em comparação com 74% das mulheres com parceiros. Os resultados econômicos para homens solteiros pioraram desde 1990, ao passo que os resultados econômicos para mulheres com parceiros melhoraram, segundo a Pew.

O relatório também constatou uma espécie de “bônus de casamento” para pessoas que se casaram em comparação com parceiros em união estável, porém não registrada. Cerca de 89% dos homens que moram com um parceiro estão empregados, em comparação com 92% dos homens casados.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Bloomberg Línea lança lista com os 500 mais influentes da América Latina

PUBLICIDADE