promo
Tech

Facebook afirma que gastou US$ 13 bilhões com segurança de dados

Empresa contratou 40 mil funcionários, incluindo terceirizados, para reforçar proteção e segurança

Sede de Facebook
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Facebook Inc. disse que gastou mais de US$ 13 bilhões em esforços de proteção e segurança de dados desde a eleição de 2016 nos EUA, e agora tem 40 mil funcionários trabalhando nessas questões.

Os 40 mil trabalhadores de segurança e proteção incluem terceirizados externos que se concentram em atividades como moderação de conteúdo, disse um porta-voz. O Facebook disse que tinha mais de 35 mil funcionários de segurança e proteção em outubro de 2019.

As novas estatísticas - destinadas a demonstrar que empresa leva a sério as questões de segurança e proteção - foram publicadas na terça-feira em um blog depois que uma série de histórias na semana passada no Wall Street Journal usou documentos vazados para mostrar que, apesar dos grandes investimentos, o Facebook enfrenta dificuldades para combater uma miríade de problemas sérios, incluindo desinformação da Covid-19 e tráfico ilegal de pessoas.

Os documentos mostraram que os pesquisadores internos do Facebook muitas vezes identificaram sérios problemas com conteúdo impróprio ou comportamento do usuário nos serviços da empresa, mas o Facebook rotineiramente falhou em corrigi-los. As histórias estimularam a convocação de legisladores dos EUA para uma investigação e, possivelmente, audiências sobre as questões.

A postagem do blog abordou algumas dessas críticas sem citar as histórias do jornal especificamente. A empresa disse que, embora historicamente tenha respondido aos problemas da plataforma, está tentando ser mais proativa ao ter funcionários de proteção e segurança integrados às equipes de produto durante o processo de desenvolvimento.

“No passado, não abordávamos os desafios de segurança e proteção com antecedência no processo de desenvolvimento de produto”, disse o Facebook em seu blog. “Mas mudamos fundamentalmente essa abordagem.”

O Facebook também compartilhou novas estatísticas em torno de sua coleção de anúncios políticos globais, um arquivo onde as pessoas podem pesquisar anúncios políticos veiculados no Facebook ou no aplicativo de compartilhamento de fotos do Instagram. O Facebook disse que 3 milhões de pessoas usam a biblioteca de anúncios todos os meses, e a empresa rejeitou 3,5 milhões de envios de anúncios políticos ou sociais nos primeiros seis meses de 2021 por não fornecerem informações adequadas.

Na semana passada, o Instagram foi foco de uma história que revelou que uma pesquisa interna mostrou que a empresa sabe que seu produto pode ser emocionalmente prejudicial para mulheres jovens. A empresa disse esta semana que está considerando essas “cutucadas”, que farão os usuários olharem para um conteúdo mais saudável ou faça uma pausa na rolagem.

- Com a ajuda de Naomi Nix.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Copom deve elevar Selic para 6,25% e reconhecer piora da inflação

Investidor estrangeiro acelera saída da B3 para R$ 1,7 bi no mês