Fôlego do óleo e gás em LatAm

Também no Breakfast: Estiagem na Amazônia amplia perdas para lavouras e economia local | Com Sam Altman de volta, Microsoft entra no conselho da OpenAI, mas sem voto | Mercado de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, atrai Morgan Stanley e Rothschild

Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — Este é o Breakfast - o seu primeiro gole de notícias. Uma seleção da Bloomberg Línea com os temas de destaque no mundo dos negócios e das finanças. Bom dia e ótima leitura!

O setor de óleo e gás ganhou sobrevida com os preços do barril em níveis elevados em meio à guerra na Ucrânia e à política de restrição de oferta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). O ambiente tem favorecido a elaboração de novos projetos de exploração, apesar do empenho dos países mundo afora para reduzir o uso de combustíveis fósseis.Na América Latina, os investimentos devem somar US$ 500 bilhões até 2030, segundo levantamento da consultoria global Rystad Energy, feito a pedido da Bloomberg Línea. Brasil, Argentina e Guiana são os países da região que lideram essa corrida.

A Opep vem trabalhando para dar fôlego extra à indústria de óleo e gás. Na quinta-feira (30), o cartel decidiu promover um corte adicional de quase um milhão de barris por dia (bpd). Paralelamente, a Arábia Saudita deve estender um corte voluntário vigente, da mesma magnitude, até o ano que vem. Segundo analistas, o movimento tende a contribuir para manter as cotações em nível elevado.

Leia mais: Setor de óleo e gás ganha fôlego em LatAm, com investimentos previstos de US$ 500 bilhões

PUBLICIDADE
adfd

No Radar

O poder de influência de Jerome Powell, do Federal Reserve (Fed), e de sua homóloga na Europa, Christine Lagarde, rege os mercados financeiros. Os operadores já contam com a possibilidade de que Powell tente esfriar as expectativas de cortes nas taxas, que respaldaram boa parte do rali de novembro - o melhor mês em quase um ano e meio e o segundo novembro mais lucrativo para o S&P 500 desde 1980.

🤨 Exagero? Novembro surpreendeu até mesmo os mais céticos com seus ganhos proeminentes em todas as classes de ativos. A pergunta que percorre as mesas de negociações é se esta performance pode ir além. Alguns sugerem que as apostas otimistas do mercado sobre o cronograma de cortes nas taxas de juros no próximo ano, baseadas sobretudo em comentários recentes dos porta-vozes do Fed, foram interpretadas de forma exagerada.

🛢️ O rumo do petróleo. O mercado acompanha com curiosidade a possibilidade de novos cortes na produção da matéria-prima pela OPEP+. A ausência de detalhes sobre como ficará a oferta deixou os investidores reticentes. A aliança prometeu cerca de 900.000 barris por dia de cortes adicionais na produção de petróleo a partir de janeiro, mas se absteve de dar mais explicações. As restrições são em grande parte voluntárias e Angola já as rejeitou.

🤫 Sem alarde. A HPS Investment Partners, empresa de crédito privado que se desvinculou do JPMorgan Chase em 2016, arquivou confidencialmente um pedido de oferta pública inicial (IPO) há cerca de um ano, segundo fontes ouvidas pela Bloomberg. Desta forma, os investidores agora contam com mais uma possibilidade de abertura de capital quando o mercado de capitais se mostrar favorável. Em 2016, HPS comprou a si mesma do JPMorgan em um negócio que a avaliou em cerca de US$ 1 bilhão. Hoje em dia, enquanto se debate com a ideia de uma listagem pública, ela pode valer cerca de oito vezes esse valor.

Estes são os eventos que movem os mercados hoje

Os mercados esta manhãdfd
🔘 As bolsas ontem (30/11): Dow Jones Industrials (+1,47%), S&P 500 (+0,38%), Nasdaq Composite (-0,23%), Stoxx 600 (+0,55%), Ibovespa (+0,92%)

O S&P 500 avançou 8,9% neste mês - esse é o segundo melhor novembro desde 1980, atrás apenas da recuperação impulsionada pela pandemia em 2020, segundo dados compilados pela Bloomberg. O salto foi parte de uma recuperação desencadeada por uma queda nos rendimentos dos títulos, que se acelerou à medida que aumentavam os sinais de que os formuladores de políticas estão conseguindo domar a inflação sem prejudicar a economia.

LEIA + sobre o fechamento dos mercados →

🗓️ AGENDA: Os eventos e indicadores de destaque hoje e na semana →

Destaques da Bloomberg Línea:

Estiagem na Amazônia amplia perdas para lavouras e economia local

Com Sam Altman de volta, Microsoft entra no conselho da OpenAI, mas sem voto

Mercado de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, atrai Morgan Stanley e Rothschild

E mais na versão e-mail do Breakfast:

• Também é importante: Opep+ concorda em cortar produção, e analistas veem excesso de oferta em 2024 | Nascar amplia exibição de corridas para Amazon e Warner, em acordo de US$ 7,8 bilhões

• Opinião Bloomberg: Por que a COP28 pode frustrar as expectativas

• Para não ficar de fora: Cybertruck, carro blindado da Tesla, vai custar US$ 61.000 nos Estados Unidos

⇒ Essa foi uma amostra do Breakfast, a newsletter matinal da Bloomberg Línea com as notícias de destaque no Brasil e no mundo.

Para receber a íntegra da newsletter na sua caixa de email, registre-se gratuitamente no nosso site.

Por hoje é só. Bom dia!

Obrigado por ler nossa newsletter matinal.

Equipe Breakfast: Michelly Teixeira (Editor/Newsletter Coordinator), Bianca Ribeiro (Content Producer), Filipe Serrano (Editor, Brazil), Mariana d’Ávila (Assistant Editor, Brazil), Victor Sena (Assistant Editor, Brazil)