Startups

Venture capital deve ter correção de preços de 25% a 50%, segundo investidor

Segundo a Capria Ventures, na América Latina, a velocidade de captação de recursos diminuiu de um pouco para os estágios de pré-seed e seed

Perspectivas para venture capital na América Latina
01 de Julho, 2022 | 10:42 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — Em um momento em que os números da CB Insights apontam para uma desaceleração no financiamento de risco globalmente - queda de 23% do primeiro para o segundo trimestre (até 23 de junho) - Will Poole, sócio-gerente da Capria Ventures, que tem investimentos na América Latina, diz que as rodadas continuarão acontecendo, mas os preços das participações devem ser ajustados de 25 a 50% para baixo.

“Os gestores de fundos de risco assumiram quantias sem precedentes de compromissos de capital de LPs (Limited Partners) em 2021, e eles ainda precisam implantá-lo. Os melhores fundadores encontrarão muitos investidores, mas a dinâmica será de um ‘mercado de compradores’ e não do ‘mercado de vendedores’ dos últimos anos”, disse ele, em entrevista à Bloomberg Línea.

Para Poole, a questão-chave para eles é acertar o preço. “Espera-se que esses preços corrijam 25-50% para baixo, para beneficiar os investidores em crescimento inicial e em estágio de crescimento.”

Neste cenário, startups da América Latina seguem captando mesmo para estágios mais avançados. A Conexa Saúde, uma healthtech brasileira, levantou quase US$ 38 milhões em uma rodada da Série C nesta semana, liderada pela Goldman Sachs e seguida pela General Atlantic e pela Igah Ventures.

PUBLICIDADE

Um relatório da Movile (holding do iFood) realizado pela plataforma brasileira de inovação Distrito informa que houve 4.200 investimentos de capital de risco no Brasil, México, Colômbia e Argentina nos últimos cinco anos, e 51% deles foram feitos no ano passado.

A maioria aconteceu no Brasil (61%), seguido pelo México (21%), Colômbia (10%) e Argentina (8%). Seed, Series A e Series B reuniram a maior parte do financiamento, enquanto fintech, tecnologia de varejo e healthtechs foram os setores mais investidos na região nos últimos cinco anos.

Em comparação com a explosão de investimentos nos últimos anos, este ano pode ser um pouco menor. Os números parciais da LAVCA (Associação para o Investimento de Capital Privado na América Latina) indicam que a região ultrapassou US$ 2 bilhões em investimentos durante o segundo trimestre de 2022. No primeiro trimestre, a região teve US$ 2,8 bilhões em investimentos regionais de capital de risco.

A LAVCA diz que será mais provável que os países da região superem os números de investimento do trimestre anterior do que o montante investido no último trimestre de 2021, que foi de US$ 3,9 bilhões.

PUBLICIDADE

Poole diz que a Capria pesquisou recentemente seus parceiros globais de investimento (administradores de fundos) que administram coletivamente mais de 600 investimentos em startups, dos quais 45% estão na América Latina e apenas menos da metade estão ativamente arrecadando fundos agora.

“Nossos gerentes da região relatam que a velocidade de captação de recursos diminuiu de um pouco para os estágios de pré-seed e seed, o que contrasta fortemente com a velocidade para captação de fundos das Séries C e D, onde 100% dos gerentes esperam que o tempo de fechamento das rodadas de capital de crescimento se estenda em pelo menos 3-6 meses”, disse.

Comparando os LPs da Capria da América Latina com os do Sudeste Asiático, Índia e África, a empresa diz que não vê diferença significativa, já que a desaceleração do capital de risco ou o “inverno” de financiamento é global.

Do outro lado do oceano Atlântico, a Bloomberg reportou que as startups da África devem continuar atraindo investimentos, mesmo que em ritmo mais lento, após o financiamento recorde de capital de risco no ano passado.

As startups da África captaram US$ 2,7 bilhões desde janeiro, mais que o dobro dos US$ 1,2 bilhão dos primeiros cinco meses do ano passado, segundo dados coletados pela Futuregrowth Asset Management.

“Na América Latina, o primeiro trimestre de 2022 não teve uma desaceleração real quando comparado ao primeiro trimestre de 2021, e o setor de fintech continuou brilhando”, acrescentou Poole.

PUBLICIDADE

O investidor afirma que muitos gestores da rede Capria levantaram recursos recentemente e têm dinheiro em abundância, por isso ainda estão fazendo investimentos.

“Estão apenas demorando mais para investir, como todo mundo. Aconselhamos os fundadores no início de março a encerrar as rodadas e passar para um modo de preservação de dinheiro”.

A grande maioria dos fundadores na América Latina fez o que a Capria aconselhou, de acordo com Poole, por isso ele diz que não está preocupado com a capacidade deles de resistir à correção e levantar capital à medida que o mercado aquecer novamente.

Leia também:

Pague Menos: nova vice-líder em farmácias lança fundo para startups

Isabela  Fleischmann

Isabela Fleischmann BR

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups