Internacional

Inflação dos EUA acelera para 8,5%, aumentando a pressão sobre o Fed

Preços tiveram maior alta desde o final de 1981, absorvendo os impactos da invasão da Ucrânia pela Rússia

A worker wearing protective gloves counts U.S. dollar banknotes at a currency exchange kiosk on Hamra street in Beirut, Lebanon, on Wednesday, April 14, 2021. Lebanon's annual inflation rate reached a record high and food prices soared by around 400% in December, highlighting the dramatic impact on consumers and businesses of the country's worst financial crisis in decades. Photographer: Francesca Volpi/Bloomberg
Por Olivia Rockman
12 de Abril, 2022 | 10:41 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os preços ao consumidor dos Estados Unidos subiram em março para a maior taxa desde o final de 1981, evidência de um custo de vida acelerado e que reforça a pressão sobre o Federal Reserve para aumentar as taxas de juros ainda mais agressivamente.

O índice de preços ao consumidor subiu 8,5% em relação ao ano anterior, após um ganho anual de 7,9% em fevereiro, mostraram dados do Departamento do Trabalho desta terça-feira (12). O indicador de inflação amplamente seguido subiu 1,2% em relação ao mês anterior, o maior ganho desde 2005. Os custos da gasolina impulsionaram metade do aumento mensal, e os alimentos também foram um grande contribuinte.

Economistas em uma pesquisa da Bloomberg apontavam que o o IPC poderia aumentar 8,4% em relação ao ano anterior e 1,2% em fevereiro.

A leitura do IPC de março representa o que muitos economistas esperam ser o pico do atual período inflacionário, capturando o impacto do aumento dos preços de alimentos e energia após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

PUBLICIDADE

Embora o Fed tenha aberto a porta para um aumento de meio ponto percentual nas taxas de juros, a inflação não deve recuar para a meta de 2% do banco central tão cedo – especialmente devido à guerra, aos lockdowns da covid-19 na China e à maior demanda para serviços como viagens.

O presidente Joe Biden foi criticado por não controlar os preços enquanto os americanos pagam mais por combustível e mantimentos. A inflação complicará os esforços dos democratas para manter as margens apertadas no Congresso nas eleições de meio de mandato no final deste ano.

Ao mesmo tempo, aumentam os riscos de que a inflação leve a economia à recessão. Um crescente coro de economistas prevê que a atividade se contrairá porque os gastos do consumidor diminuem em resposta a preços mais altos. No entanto, a maioria ainda espera que a economia cresça.

Alta dos preços

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, os chamados núcleos de preços aumentaram 0,3% em relação ao mês anterior e 6,5% em relação ao ano anterior, ambos abaixo do projetado e devido em grande parte à maior queda nos preços de veículos usados desde 1969.

PUBLICIDADE

Os números são “uma pausa bem-vinda dos aumentos centrais aquecidos sustentados nos últimos tempos, e os custos dos combustíveis parecem diminuir em resposta à recente retração nos preços do petróleo”, disse Sal Guatieri, economista sênior da BMO Capital Markets, em nota.

“No entanto, alimentos, aluguel e alguns outros itens parecem continuar problemáticos e atuam para desacelerar o recuo esperado da inflação no próximo ano.”

O relatório mostrou que a inflação de bens permaneceu elevada, enquanto os serviços continuaram avançando. Na comparação anual, a inflação de bens excluindo alimentos, energia e veículos usados aumentou 8,1% em março, o maior desde 1981. Os preços dos alimentos aumentaram 1% em relação a fevereiro.

  • Os preços dos carros usados, que há meses impulsionavam a inflação de bens mais alta, caíram 3,8% em março, a segunda queda mensal consecutiva. Os preços dos carros novos, entretanto, subiram ligeiramente.
  • Os preços de móveis e suprimentos domésticos subiram 1% em relação a fevereiro, após grandes ganhos nos últimos meses. O índice de móveis e operações saltou 10,1% em relação ao ano anterior, o maior desde 1975.
  • Os custos dos serviços aumentaram 5,1% em relação ao ano anterior, o maior avanço desde 1991. As tarifas aéreas subiram um recorde de 10,7% em março em relação ao mês anterior. Os custos com abrigos, que incluem aluguéis e estadias em hotéis, subiram 0,5% pelo segundo mês.

--Com a colaboração de Julia Fanzeres, Chris Middleton e Sydney Maki

Leia também

Corrida ilegal do ouro avança sobre terras Yanomami na Amazônia

Lulanomics: 7 coisas que sabemos sobre os planos do PT para economia