PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

General que comandou operação na Síria vai liderar tropas russas na Ucrânia

General Alexander Dvornikov, comandante do Distrito Militar do Sul, agora liderará as tropas russas no país

Prédio residencial é destruído em Hostomel, na Ucrânia
Por Rosalind Mathieson e Alex Nicholson
10 de Abril, 2022 | 02:33 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Rússia nomeou um novo comandante para suas operações na Ucrânia, enquanto reorienta seu esforço de guerra no leste, tendo falhado em ocupar o território ao redor da capital, Kiev.

O general Alexander Dvornikov, comandante do Distrito Militar do Sul, agora liderará as tropas russas no terreno, de acordo com oficiais de segurança ocidentais e diplomatas com conhecimento da mudança. O Kremlin não anunciou a nomeação.

PUBLICIDADE

Dvornikov, 60, ocupou vários cargos de alto escalão nas forças armadas russas, incluindo o de comandante do Exército do Distrito Militar do Extremo Oriente. Ele supervisionou as forças de Moscou na Síria em 2015 e 2016, onde lutaram ao lado de tropas do governo sírio em um conflito em que o presidente Bashar al-Assad foi acusado de usar armas químicas contra seu próprio povo.

Com a guerra em sua sétima semana, a Rússia retirou em grande parte suas forças do norte depois que suas tropas enfrentaram forte resistência e ficaram estagnadas fora de Kiev. Moscou também perdeu vários tanques e aeronaves devido a ataques de mísseis da Ucrânia.

Agora, Moscou está focada nas regiões orientais de Donbass e tomando cidades na área do Mar Negro, incluindo Mariupol, que já está sitiada há semanas. Isso permitiria criar uma ponte terrestre entre a Crimeia, anexada em 2014, e a Rússia.

PUBLICIDADE

Dvornikov tinha sido responsável até agora por operações no sul e leste da Ucrânia, de acordo com o Instituto para o Estudo da Guerra. A falta de um único comandante geral “impediu claramente a cooperação das forças russas”, disse em um relatório datado de 9 de abril.

Apesar de uma estrutura mais simplificada, a Rússia provavelmente continuará lutando com seus arranjos de comando e controle, acrescentou o instituto. A maioria dos reforços dirigidos a Donbass são provenientes de outros distritos militares que não os liderados por Dvornikov, disse.

“Nenhuma nomeação de qualquer general pode apagar o fato de que a Rússia já enfrentou um fracasso estratégico na Ucrânia”, disse EUA. O conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan disse no domingo no “Estado da União” da CNN.

“Não importa qual general o presidente Putin tente nomear”, disse ele. “Mas, como você observou, esse general em particular tem um currículo que inclui brutalidade contra civis em outros lugares, na Síria. E podemos esperar mais do mesmo neste teatro.”

PUBLICIDADE

EUA e outras nações acusaram as tropas russas de cometer crimes de guerra em cidades que ocuparam no norte, incluindo Bucha, onde foram descobertas valas comuns de civis quando as forças russas se retiraram.

O general David Petraeus, ex-comandante das forças da OTAN no Afeganistão que chefiou a Agência Central de Inteligência sob o presidente Barack Obama, disse à CNN no domingo que a estrutura de comando mais simplificada reflete o desejo da Rússia de ter algo a reivindicar como uma vitória até 9 de maio, dia em que comemora a vitória na Segunda Guerra Mundial.

PUBLICIDADE

Petraeus também disse que mais civis provavelmente serão alvejados. “Os russos eram conhecidos na Síria basicamente por - aspas - ‘despovoar’ regiões. Foi o que fizeram com Aleppo. Isso é o que eles fizeram para outras áreas. E acho que podemos esperar isso”, disse ele.

--Com assistência de Tony Czuczka, Alberto Nardelli, Emily Ashton e Samy Adghirni.

Veja mais em bloomberg.com