PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Chile: Boric escolhe ministro de Finanças com prestígio no mercado

Marcel, 62, é presidente do banco central desde 2016 e membro do conselho da autoridade monetária desde 2015

Mario Marcel, presidente do Banco Central, comandará equipe econômica
Por Matthew Malinowski
21 de Janeiro, 2022 | 10:23 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O presidente eleito do Chile, Gabriel Boric, escolheu o atual presidente do banco central, Mario Marcel, como ministro das Finanças, redobrando os esforços para garantir aos investidores que seu governo de esquerda seguirá um caminho fiscalmente responsável.

Boric anunciou a nomeação de Marcel, juntamente com o restante de seu gabinete, em um evento em Santiago nesta sexta-feira, antes do início do novo governo em 11 de março. Marcel, 62, é presidente do banco central desde 2016 e membro do conselho desde 2015.

PUBLICIDADE

O peso chileno subiu 0,5%, avançando pelo quarto dia e elevando seu ganho este ano para 6,8%, a principal moeda de melhor desempenho do mundo nesse período.

A escolha de Boric para comandar a área financeira deve acalmar os investidores, já que sua coalizão de esquerda busca promover promessas ambiciosas de campanha para melhorar os serviços públicos e reduzir a desigualdade, ao mesmo tempo em que prolonga três décadas de estabilidade econômica.

O novo presidente descreveu o boom de consumo do Chile como insustentável, dizendo que priorizará investimentos e respeitará o meio ambiente. Ele está tomando as rédeas de uma nação que enfrenta uma forte desaceleração na atividade este ano e inflação em alta.

PUBLICIDADE

Marcel é um crítico dos saques antecipados de aposentadoria que são combatidos pelos mercados e defendeu a autonomia do banco central enquanto o Chile elabora uma nova constituição. Ele tem mestrado em economia pela Universidade de Cambridge.

Marcel goza de credibilidade política e foi reconhecido por sua gestão econômica durante a pandemia, escreveu Samuel Carrasco, economista sênior da Credicorp Capital, em uma nota de pesquisa de 19 de janeiro.

“Marcel tem fortes habilidades políticas e técnicas para liderar adequadamente tanto o programa econômico quanto a reforma tributária”, escreveu Carrasco. “Ele é reconhecido no mercado por sua abordagem técnica, forte compromisso com a disciplina fiscal, expertise em reformas previdenciárias e sólida experiência no mercado de trabalho.”

Diversidade

Ex-líder de protesto estudantil de 35 anos e atual deputado da Câmara, Boric venceu o adversário de direita José Antonio Kast no segundo turno do mês passado. Desde então, ele colocou ênfase no diálogo e disse que buscaria um grupo diversificado de membros do gabinete para enfrentar os desafios do país.

O Produto Interno Bruto cresceu cerca de 12% em 2021, um recorde para o país sul-americano, impulsionado por estímulos fiscais temporários e cerca de US$ 50 bilhões em saques de pensões. Ainda assim, o banco central previu que a expansão diminuirá para perto de 2% este ano.

Os formuladores de políticas devem aumentar as taxas de juros novamente na próxima semana, estendendo os aumentos até agora, totalizando 350 pontos base desde julho. A inflação encerrou o ano passado em 7,2%, bem acima da meta de 3% e da maior taxa desde 2008.

PUBLICIDADE

Marcel comandou a resposta do banco central aos choques de um período de agitação social a partir de 2019 e à pandemia de coronavírus meses depois. Durante esse período, os formuladores de política monetária reduziram a taxa de juros para um mínimo recorde, estabeleceram linhas de crédito e intervieram no mercado de câmbio para sustentar o peso.

Em outubro, o ex-presidente Sebastian Piñera nomeou Marcel para mais um mandato como chefe do banco, em uma medida que foi elogiada pelos investidores. Antes de ingressar na autoridade monetária, Marcel ocupou cargos governamentais, incluindo diretor de orçamento, e também foi chefe da Prática Global de Governança do Banco Mundial.

Outras indicações do gabinete:

PUBLICIDADE
  • Jeannette Jara, ministra do Trabalho, que supervisiona as políticas trabalhista e previdenciária;
  • Nicolas Grau, ministro da Economia, que ajuda a atrair investimento estrangeiro direto;
  • Izkia Siches, ministro do Interior, responsável pelas políticas de segurança nacional;
  • Marcela Hernando, ministra de Mineração, supervisiona o setor de mineração;
  • Claudio Huepe, ministro da Energia, supervisiona as políticas energéticas;
  • Giorgio Jackson, ministério da secretaria-geral da Presidência e chefe do contato com o Congresso.

Além do novo governo, o Chile também está reescrevendo sua Constituição. A Assembleia Constituinte do país deve terminar esse trabalho até julho, e a nova carta será submetida a um referendo no final do ano.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE