Mercados

Powell diz que ainda não é hora de pensar em subir juros

Comitê do banco central americano decidiu começar a reduzir o ritmo mensal de suas compras de ativos a partir do fim deste mês

Presidente do Fed volta a dizer que irá utilizar todas as ferramentas para dar suporte à economia
03 de Novembro, 2021 | 03:42 pm
Tempo de leitura: <1 minuto

Bloomberg Línea — O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, comenta, em entrevista coletiva, a decisão do banco central americano de reduzir as compras de títulos a partir de novembro e manter a taxa de juros Fed Funds.

Questionado sobre elevar juros, Powell disse que ainda não é a hora certa.

O Comitê decidiu começar a reduzir o ritmo mensal de suas compras de ativos líquidos em US$ 10 bilhões para títulos do Tesouro e US$ 5 bilhões para títulos lastreados em hipotecas. A taxa Fed Funds foi mantida no intervalo entre 0,0% e 0,25%, e assim continuará até que o mercado de trabalho atinja níveis consistentes, de acordo com o Fomc.

Conforme a decisão, “o Comitê julga que reduções semelhantes no ritmo de compras de ativos líquidos provavelmente serão apropriadas a cada mês, mas está preparado para ajustar o ritmo de compras se for justificado por mudanças nas perspectivas econômicas”.

PUBLICIDADE

Veja os principais destaques da fala de Powell:

  • Foco desta reunião foi no tapering, não sobre elevar taxas de juros. Não achamos que seja o momento de subir os juros, ainda há espaço para avançar no mercado de trabalho
  • Tempo certo de elevar os juros depende do andamento da economia, e não vamos hesitar quando chegar a hora
  • Tempo de alívio da inflação é altamente desconhecido. Pode ser esperado para o segundo ou terceiro trimestre do próximo ano
  • Podemos atingir níveis máximos de emprego até o meio de 2022
  • Inflação que vemos agora é por conta de gargalos logísticos e alta demanda
  • Quando mencionamos que a inflação é “transitória” significa que ela não irá resultar em algo persistentemente alto quando terminar
  • Não pensamos elevar juros agora porque queremos dar mais tempo para que o mercado de trabalho se recupere
  • Nossa política irá continuar a se adaptar conforme for necessário

Leia também:

EXCLUSIVA: Meta, o ex-Facebook, quer ajudar economia da América Latina

Kariny Leal

Kariny Leal

Jornalista carioca, formada pela UFRJ, especializada em cobertura econômica e em tempo real, com passagens pela Bloomberg News e Forbes Brasil. Kariny cobre o mercado financeiro e a economia brasileira para a Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE