Guedes quis o Caribe e agora terá que ir a plenário para se explicar: Breakfast

Principal do dia: Bolsas internacionais abrem no positivo, com uma ajudinha do presidente russo, enquanto espaço para o Auxílio Brasil é o foco no Brasil

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Tanto as bolsas europeias como os futuros de índice em Nova York abriram em alta nesta quinta-feira (7), seguindo inesperados movimentos das altas esferas políticas da Rússia e dos Estados Unidos sobre os preços de gás na Europa.

Ontem, quando os preços do gás chegaram a disparar 40% em poucos minutos, o presidente russo Vladimir Putin disse que o país poderia exportar volumes recordes do combustível para a Europa neste ano. A declaração ajudou a baixar as cotações e a atenuar o temor de que os preços da energia castiguem ainda mais o continente, sobretudo agora que o inverno se aproxima.

PUBLICIDADE

Veja mais: Mercado embolsa ganhos e se resguarda ante incertezas econômicas

Por aqui, os investidores seguem de olho nas negociações de bastidores para a aprovação do Auxílio Brasil, além da movimentação de outras pautas relevantes para o teto de gastos, como a dos precatórios. A solução costurada pelo Congresso deve abrir um espaço relevante para abraçar o novo programa social. O texto da chamada Proposta de Emenda Constitucional (PEC) será apresentado nesta sexta-feira (8) pela comissão da Câmara que cuida do assunto.

  • Futuros americanos operam em alta, com Dow Jones (+0,57%), S&P 500 (+0,67%) e Nasdaq (+0,88%)
  • As bolsas asiáticas fecharam em alta, com Tóquio/Nikkei 225 (+0,54%) e Hong Kong/Hang Seng (+0,9%). Xangai permanece fechada por conta de um feriado na China.
  • Por aqui, na segunda, o Ibovespa fechou em alta de 0,09%, aos 110.559,57 pontos. O dólar fechou em alta de 0,02%, a R$ 5,49.

Enquanto você dormia

Ministro foi convocado para explicar no plenário da Câmara a offshore nas Ilhas Virgens Britânicas, com votos de deputados que integram a base do governo (Andressa Anholete/Bloomberg)
dfd

Deputados de partidos da base do governo – como PP, PSD e Republicanos – uniram-se à oposição para aprovar o requerimento de convocação do ministro da Economia, Paulo Guedes, para esclarecer o fato de ele ser dono de uma empresa offshore nas Ilhas Virgens Britânicas, um paraíso fiscal no Caribe, com US$ 9,55 milhões de dólares.

A sessão para ouvir Guedes ainda não tem data marcada, mas poderá ser realizada semana que vem. O requerimento foi aprovado por 310 deputados e 142 votaram contra. O líder do governo Ricardo Barros (PP-PR) orientou o voto contrário ao requerimento, mas os partidos da base encaminharam o voto favorável.

“Isso aí não foi a bagunça tradicional da articulação, falta de organização aconteceu nas comissões. Isso aí no plenário foi intencional. O Kaká Leão (líder do PP na Câmara) orientou o voto favorável, assim como ele o PSD e o Republicanos”, disse o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS).

  • POR QUE ISSO É IMPORTANTE: Embora sejam da base do governo, expoentes do Centrão têm feito escalar as críticas à condução da política econômica nos bastidores – a alta da inflação e, particularmente, a política de paridade com os preços internacionais praticada pelo Petrobras são foco de críticas.

A convocação no plenário é uma oportunidade que a oposição tem para desgastar o ministro publicamente.

Entre os partidos que carrearam votos para a convocação estão o O PP – partido do presidente da Câmara, Arthur Lira, e do ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira – o Republicanos, que tem o ministro da Cidadania, João Roma (BA) – e o PSD, legenda do ministro das Comunicações, Fábio Faria (RN).

Em nota, a assessoria do ministro se manifestou: “O ministro Paulo Guedes já havia se colocado à disposição para prestar as informações que o Congresso entendesse necessárias, o que agora fará no Plenário da Câmara.”

  • CONTEXTO:O argumento [de partidos da base] foi que não chegaram a um acordo com a oposição e aí encaminharam a favor da convocação. O normal seria, como não chegaram a um acordo com a oposição, votarem contra”, afirmou o deputado Van Hattem.
  • Van Hattem disse que o Novo não integra a base do governo, mas que o partido votou contra porque a convocação no plenário vai tumultuar a votação de matérias como a reforma administrativa: “O ministro já tinha sido convocado em duas comissões da Casa, ele pode dar as explicações dele lá”, disse o deputado.
  • Van Hattem também também criticou o que ele chama de criminalização de manter recursos no exterior legalmente: “Ter uma conta no exterior por si só não é ilegal, se for declarada. Eu mesmo já tive uma quando estudei fora, com poucos recursos, é verdade, mas o ministro abriu essa offshore antes de ser ministro”.

Importante saber

  • A imunidade fornecida pela vacina contra a Covid-19 produzida pela Pfizer com a BioNTech reduz significativamente em alguns meses, com os homens tendo menos proteção do que mulheres, de acordo com estudos que, também, apoiam a aplicação de doses de reforço.
  • A Maersk, gigante dinamarquesa de transporte de contêineres, espera que, no começo de 2022, os problemas de escassez de navios usados na cadeia logística global, hoje um dos principais gargalos dos setores agrícola e industrial devido à demora nas entregas e ao reajuste do frete marítimo, estejam mais próximos de uma solução.
  • O espírito animal está de volta e impulsiona o Bitcoin, que subiu mais de 30% nos últimos sete dias para o nível mais alto desde maio. Na quarta-feira, o Bitcoin chegou a subir mais de 8% para US$ 55.274, pouco mais de US$ 9.000 abaixo da máxima atingida em meados de abril. Pouco antes das 18h (19h em Brasília), a moeda estava sendo negociada a US$ 54,903 mil.
  • A agressiva escalada nos juros brasileiros está desafiando a indústria de fundos multimercado, com investidores sacando recursos em prol da renda fixa. Os multimercados registraram saída líquida de cerca de R$ 13,4 bilhões em setembro, o maior resgate mensal desde dezembro de 2017, de acordo com a Anbima.

Destaques da Bloomberg Línea

Opinião Bloomberg

A prosperidade comum - nova ordem política do dia do presidente Xi Jinping - não banirá os produtos de luxo dos shoppings chineses. Contudo, inicia-se uma nova era em que os relógios são incrustados com menos diamantes e as logomarcas não enfeitam mais jaquetas e joias.

As manchetes dos jornais

  • Valor: União Europeia quer barrar a importação de produto do desmatamento
  • Folha: Emprego informal dobra e ‘ioiô’ na renda empobrece brasileiro
  • Estadão: Ministro da CGU diz que venda de emendas está sob investigação e vê corrupção no ‘tratoraço’
  • O Globo: Perto dos 600 mil mortos, país vê internações por Covid desabarem mais de 70% em oito estados
  • NYT: Report Cites New Details of Trump Pressure on Justice Dept. Over Election
  • WSJ: Stock Futures Rise After Debt-Limit Extension Proposal
  • Washington Post: Senate Democrats appear open to short-term debt ceiling reprieve

Agenda do dia

Indicadores Brasil: 17ª rodada de licitação de blocos de petróleo e gás natural pela ANP

Indicadores EUA: Pedidos de Seguro-Desemprego (9h30); Discurso de Williams, membro do FOMC (9h30)

  • Jair Bolsonaro: Rogério Marinho, Ministro de Estado do Desenvolvimento Regional (7h); Cerimônia de Apresentação de Cartas Credenciais dos Novos Embaixadores (10h); Paulo Guedes, Ministro de Estado da Economia (14h30); Pedro Cesar Sousa, Subchefe para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência (15h); Onyx Lorenzoni, Ministro de Estado do Trabalho e Previdência (16h); Cerimônia de Modernização de Normas de Segurança e Saúde no Trabalho (16h30)
  • Paulo Guedes (Economia): Reunião com o secretário especial de Desestatização, Desinvestimentos e Mercado, Diogo Mac Cord (10h); Reunião com o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal (11h30); Reunião com o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (14h30); Reunião com o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Roberto Fendt (15h); Reunião com o deputado federal Marcelo Aro (PP/MG) (16h30)
  • Roberto Campos Neto (Banco Central): Profere palestra na BIS Conference (8h20); videoconferência, com Robert M. Townsend, Professor de Economia, representante da Massachusetts Institute of Technology (MIT) (10h30)

Pra não ficar de fora

O novelista da Tanzânia Abdulrazak Gurnah foi o ganhador do Nobel de Literatura de 2021, por conta da “análise descompromissada e apaixonada dos efeitos do colonialismo e do destino de refugiados no golfo entre culturas e continentes”.

Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Periodista con más de 20 años como editora y reportera. En sus 12 años de España, trabajó en Radio Nacional de España/RNE y colaboró con una agencia de noticias internacional. En Brasil, pasó por las redacciones de Valor, Agencia Estado y Gazeta Mercantil. Tiene MBA en Finanzas, postgrado en Marketing y cursa un Master en Digital Business en Esade.

Igor Sodré

Igor Sodré

Jornalista com formação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com experiência na cobertura de cultura e economia, tendo como foco mercado financeiro e companhias. Passou pela Bloomberg News e TradersClub.

Ana Siedschlag

Ana Carolina Siedschlag

Editora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero e especializada em finanças e investimentos. Passou pelas redações da Forbes Brasil, Bloomberg Brasil e Investing.com.

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.