PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Presidente argentino oferece doar o próprio salário para contornar escândalo sobre festa no auge da pandemia

Fernandez quer doar metade de seus próximos quatro contracheques a um instituto de saúde argentino como punição por suas ações

Presidente Fernandez se desculpou após festa durante a pandemia
Por Patrick Gillespie
26 de Agosto, 2021 | 09:52 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O presidente argentino, Alberto Fernandez, apresentou-se perante um juiz federal na quinta-feira, após um crescente escândalo em torno de uma festa realizada no auge de uma quarentena durante a pandemia.

PUBLICIDADE

Menos de um mês antes de uma votação de meio de mandato nas primárias, Fernandez se ofereceu para doar metade de seus próximos quatro contracheques a um instituto de saúde argentino como punição por suas ações. Ele redigiu um documento para o juiz depois que um promotor federal abriu uma investigação preliminar sobre o assunto.

Em julho de 2020, Fernandez fez uma festa de aniversário para a primeira-dama Fabiola Yanez durante o auge de uma quarentena rígida no país. Uma foto da festa apareceu este mês, gerando protestos públicos. Fernandez inicialmente disse que lamentou o que aconteceu, mas observou que Yanez planejou a festa. Os vídeos do encontro também se tornaram públicos mais tarde.

PUBLICIDADE

“Conforme expressei publicamente, assumi total responsabilidade pelo que aconteceu na residência de Olivos”, escreveu Fernandez no documento do tribunal, aludindo ao complexo presidencial fora de Buenos Aires.

Mas Fernandez argumentou que “diante da ausência de resultado prejudicial”, o presidente propôs ao juiz que ele considerasse “a insignificância penal (não moral ou social) do comportamento condenado”.

Embora seja improvável que Fernandez seja condenado por um crime, seu apelo ao juiz descreve a extensão do controle de danos que sua coalizão assumiu antes das eleições de meio de mandato. As pesquisas mostraram que a imagem pública de Fernandez sofreu com o escândalo, mas não está claro se os eleitores vão punir os legisladores de sua coalizão por isso.

A Argentina terá uma votação intermediária nas primárias em 12 de setembro e a votação geral em 14 de novembro.

Veja mais em Bloomberg.com