PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

O forte relato de um morador de Xangai no 1º dia fora do lockdown em semanas

Lockdown severo confinou os cerca de 25 milhões de moradores da metrópole a ficarem em suas casas por semanas

Lojas e restaurantes seguem fechados em Xangai
Por Bloomberg News
18 de Maio, 2022 | 03:27 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg News — Ontem foi um grande dia para mim. Pela primeira vez em quase dois meses, saí do meu complexo residencial em Xangai.

Minha liberdade chegou com a cidade lentamente afrouxando um lockdown brutal que confinou seus cerca de 25 milhões de moradores em suas casas por semanas, em uma tentativa de interromper a transmissão de covid. Embora haja sinais de que o surto esteja diminuindo, combater o vírus teve o custo de cortar a interação humana e o acesso ao mundo.

Uma moradora tira fotos no distrito financeiro de Lujiazui, em Xangai, em 17 de maio.Fotógrafo: Charlie Zhu/Bloombergdfd

Depois de ficar 53 dias trancado dentro do meu conjunto habitacional, incluindo mais de 40 dias no meu apartamento, sentir o gosto da liberdade foi doce e memorável. Mas também foi limitado, uma flexibilização relativa que só me deu tempo suficiente ao ar livre para ver que grande parte da vida permanece surreal e subjugada à medida que a cidade começa a sair do coma induzido pela covid.

Ruas vazias

Passei a maior parte do tempo andando, tirando fotos e vídeos de ruas vazias e pessoas fazendo fila para comprar mantimentos. Nem todo mundo tem permissão para sair, o que reduz os números e também cria decisões difíceis sobre qual membro da família pode sair por apenas algumas horas. As opções sobre onde ir e o que fazer também foram reduzidas.

PUBLICIDADE

Foi o terceiro dia em que Xangai não registrava novos casos na comunidade em geral, um fator crucial para iniciar a flexibilização. As autoridades disseram no dia anterior que shoppings, drogarias, supermercados e barbearias reabririam gradualmente.

Mesmo assim, eu não poderia dizer quantos desses estabelecimentos estavam operando porque minha própria liberdade veio com amarras. Tive que ficar no meu bairro e me pediram para restringir minhas atividades a tarefas essenciais, como comprar mantimentos ou remédios.

Cada família em meu complexo pode enviar um membro para fora, com dois intervalos de tempo designados durante um período de cinco dias até sábado. Cada saída não durar mais de quatro horas. A pessoa só pode caminhar ou andar de bicicleta para se locomover. Carros particulares estão proibidos de circular e metrôs e ônibus pararam de funcionar.

No meu horário de saída, uma longa fila se formou na entrada principal do meu complexo. Alguns vizinhos usavam capacetes de ciclismo, ansiosos para andar em suas bicicletas ociosas há muito tempo. Todos receberam um par de luvas de plástico azul pela equipe do complexo para se proteger contra o vírus.

PUBLICIDADE

Depois de mostrar meu passe de saída e meu passaporte, e dar meu endereço e número de celular, parti a pé pela primeira vez em mais de sete semanas em um dia claro de primavera.

Voltei ao meu complexo com 10 minutos de sobra. Não tenho certeza quando poderei sair novamente. Minha esposa usará o próximo horário, agendado para quinta-feira, e não sabemos quando teremos a oportunidade de sair depois disso.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Chefe do BID vê janela para mais investimentos na América Latina