PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Petróleo desaba, dólar a R$ 5 e bolsas em retomada: os destaques desta 4ª

Mercados repercutiram nesta quarta-feira o aceno do presidente ucraniano de que o país está aberto a discutir a demanda de neutralidade da Rússia

A monitor displays stock information on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) in New York, U.S., on Friday, Dec. 31, 2021. U.S. stocks swung between gains and losses, with moves exacerbated by thin trading on the last session of the year. Photographer: Michael Nagle/Bloomberg
09 de Março, 2022 | 06:25 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — As expectativas de um fim da guerra na Ucrânia repercutiu positivamente nos mercados, levando os principais índices acionários a encerrarem o pregão desta quarta-feira (9) em alta. No Brasil, o Ibovespa (IBOV) subiu mais de 2% e o dólar chegou a ficar abaixo de R$ 5.

Já no mercado de commodities, o dia foi de forte queda para o petróleo: o tipo WTI para abril afundou 12,12%, aos US$ 108,70 o barril, enquanto o Brent caiu 13,16%, a US$ 111,14.

PUBLICIDADE

O movimento aconteceu após afirmação dos Emirados Árabes Unidos de que pedirão a seus colegas membros da Opep + que aumentem a produção de petróleo mais rapidamente. O presidente ucraniano anunciou que está preparado para fazer certas concessões com a Rússia, de forma a acabar com a guerra.

Com isso, ações de petroleiras na Bolsa brasileira tiveram uma sessão de perdas. Os papéis de Petrorio (PRIO3) e 3R Petroleum (RRRP3) tiveram quedas de 6,44% e 4,35%, respectivamente. Também caíram as ações ordinárias da Petrobras (PETR3), com baixa de 0,03%, enquanto as preferenciais (PETR4) tiveram ganhos de 0,31% ao fim do pregão.

Em meio à disparada das cotações internacionais do petróleo, os brasileiros continuaram a monitorar os preços dos combustíveis vendidos nos postos nacionais, que podem ter a tributação federal e estadual alterada por dois projetos de lei.

PUBLICIDADE

Ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse a jornalistas em Brasília que os preços não serão congelados, após encontro com os ministros Bento Albuquerque, de Minas e Energia, e Ciro Nogueira, da Casa Civil, em que a questão foi debatida por conta do salto nos preços internacionais do petróleo com a guerra na Ucrânia.

“A fala foi muito bem recebida pelo mercado, pois, em caso de congelamento, o custo da alta do petróleo seria bancado pela Petrobras, impactando nos lucros da empresa e, consequentemente, na participação dos investidores”, avalia Rob Correa, analista de investimentos CNPI.

Veja mais: 5 metais que ficam mais caros no mundo por conta da guerra na Ucrânia

entre as maiores altas da B3 nesta quarta estiveram os papéis de varejistas e companhias aéreas, estas monitorando as expectativas de fim da guerra na Ucrânia. As ações da Azul (AZUL4) subiram 8,82%, a R$ 20,86, enquanto as da Gol (GOLL4) avançaram 12,09%, a R$ 14,74.

Os destaques positivos do pregão, contudo, ficaram com os papéis de CVC Brasil (CVCB3), que tiveram alta de 16,97%, a R$ 11,58, de Natura (NTCO3), com ganhos de 16,25%, a R$ 23,97, e as units do Banco Inter (BIDI11), com valorização de 15,18% na B3, a R$ 18,97.

  • O Ibovespa (IBOV) subiu 2,43%, aos 113.900 pontos;
  • O dólar à vista caiu 1,03%, negociado a R$ 5,01. O real tem se valorizado com o forte fluxo de dinheiro estrangeiro ao Brasil e com a expectativa de mais uma elevação da taxa Selic;
  • No mercado de juros futuros, a sessão foi de queda: o DI com vencimento em 2023 caiu 14 pontos-base, a 12,91%, enquanto o DI para 2027 recuou quatro pontos-base, a 12,11%;
  • Por volta das 18h15 (horário de Brasília), o Bitcoin (BTC) subia 8,38%, a US$ 41.733, impulsionado por uma possível mudança regulatória “histórica” nos EUA;

Ainda no âmbito doméstico, os investidores digeriram o resultado da produção industrial de janeiro, que mostrou recuo de 2,4% na comparação mensal, eliminando parte do avanço de 2,9% registrado em dezembro de 2021.

PUBLICIDADE

Com isso, a indústria se encontra 3,5% abaixo do patamar de antes do início da pandemia, em fevereiro de 2020, e 19,8% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a indústria vem sendo afetada pela desarticulação das cadeias produtivas por conta da pandemia, com encarecimento dos custos de produção e dificuldade para obtenção de insumos e matéria-prima.

Expectativa sobre fim da guerra anima mercados

No exterior, o dia foi de ganhos para os principais índices acionários da Europa e dos Estados Unidos, com as ações europeias registrando a maior alta desde março de 2020 e as ações dos EUA saltando para o maior patamar desde junho (S&P) e novembro (Nasdaq) do mesmo ano.

PUBLICIDADE

O otimismo foi reforçado depois que um importante assessor de política externa do presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, disse que o país está aberto a discutir a demanda de neutralidade da Rússia, desde que receba garantias de segurança.

“Isso não significa que a volatilidade acabou. As consequências econômicas, macro e micro, ainda estão em fluxo. O Ocidente ainda está trabalhando em sanções para a energia russa, e a duração e o resultado da guerra ainda são uma grande incógnita”, disse Chris Low, economista-chefe da FHN, à Bloomberg.

  • Nos EUA, o Dow Jones subiu 2%, o S&P 500 avançou 2,57%, enquanto o índice da Nasdaq teve alta de 3,59%;
  • Na Europa, destaque para o índice Dax, da Alemanha, com ganhos de 7,92%, e para o CAC-40, de Paris, que subiu 7,13%;

Leia também:

Produção mundial de soja encolhe mais 10 milhões de toneladas

Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.

PUBLICIDADE