PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

AO VIVO: Ucrânia está disposta a fazer concessões, diz Zelenskiy

Pessoas estão sendo evacuadas de Energodar, Sumy, Izyum e várias cidades a noroeste da capital ucraniana; preços das commodities seguem em trajetória de alta vertiginosa

ONU estima evacuação de 2 milhões de ucranianos
Por Bloomberg Línea
09 de Março, 2022 | 08:31 am
Tempo de leitura: 12 minutos

Bloomberg Línea — O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy repetiu que está disposto a considerar alguns compromissos para acabar com os combates na Ucrânia, uma postura que mantém desde o início da guerra, acrescentando que não permitiria uma “traição” ao seu país. Zelenskiy disse à Bild TV que “o outro lado também deve estar disposto a fazer concessões – é por isso que são chamadas de concessões”. “Ainda não podemos falar sobre os detalhes.”

Ele acrescentou que não houve contato direto com o presidente russo Vladimir Putin e “somente após as conversas diretas entre os dois presidentes podemos encerrar esta guerra”.

PUBLICIDADE

Mais cedo um assessor político de Zelenskiy disse à Bloomberg TV que Ucrânia está aberta a discutir a exigência de neutralidade da Rússia desde que receba garantias de segurança, embora não ceda parte de território. “Certamente, estamos prontos para uma solução diplomática”, disse Ihor Zhovkva, vice-chefe de gabinete de Zelenskiy, à Bloomberg TV.

A Rússia concordou em abrir corredores humanitários nesta quarta-feira (9) para permitir que civis escapem de várias cidades, disse a Ucrânia, mesmo com os EUA alertaram que as forças russas estão intensificando o bombardeio da capital Kiev. Segundo a Ucrânia, nem todos esses corredores ainda estão funcionando.

Moradores de Irpin, na Ucrânia, fugiram de combates intensos quando as forças russas se aproximaram em 7 de março.dfd

Confira mais atualizações no horário de Brasília:

PUBLICIDADE

Pelosi sinaliza mais ajuda à Ucrânia após US$ 13,6 bilhões (20h01)

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, que conversou com o líder ucraniano hoje, disse que Zelenskiy levantou a necessidade de assistência futura - incluindo ajuda para refugiados e reconstrução - que custará mais do que o pacote de US$ 13,6 bilhões que está tramitando no Congresso dos EUA.

“Teremos que ver o que temos que fazer trabalhando juntos, a Otan e outros países”, disse Pelosi.

EUA dizem à Polônia para esquecer a transferência de avião (18h54)

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, descartou a proposta da Polônia de transferir aviões de combate MiG para a Ucrânia em um telefonema na quarta-feira com seu colega polonês Mariusz Blaszczak, de acordo com o Pentágono.

Agências de inteligência alertaram que o plano polonês, que pedia que os EUA substituíssem os caças MiG por aviões mais modernos, pode ser visto como uma afronta pelo presidente russo, Vladimir Putin, segundo o Pentágono.

Wall Street tem maior alta desde 2020 (18h35)

As ações globais encenaram uma recuperação feroz nesta quarta, com as ações europeias registrando o maior rali desde o pior momento da pandemia em março de 2020. Wall Street teve o maior salto desde junho de 2020. O petróleo afundou mais de 10% e os títulos do Tesouro caíram após os investidores avaliarem os comentários de um importante assessor de política externa de Zelenskiy, que disse que o país está aberto a discutir a demanda de neutralidade da Rússia desde que receba garantias de segurança.

EUA estuda sancionar fornecedor de energia nuclear russo (17h30)

O governo Biden está considerando impor sanções à empresa estatal russa de energia atômica Rosatom Corp., segundo pessoas a par do assunto. Nenhuma decisão final foi tomada e a Casa Branca está consultando a indústria de energia nuclear sobre o impacto potencial.

PUBLICIDADE

A Rosatom é um alvo delicado porque a empresa e suas subsidiárias respondem por cerca de 35% do enriquecimento global de urânio e têm acordos para enviar o combustível nuclear para países da Europa. Qualquer punição também teria que isentar o trabalho que a Rosatom faz com o Irã sob os termos do acordo que limita o programa nuclear do país, que Biden está tentando retomar.

Ajuda da UE pode chegar à Ucrânia na próxima semana (17h18)

O governo ucraniano espera a primeira parcela de 300 milhões de euros de ajuda financeira da União Europeia já na próxima semana, disse o primeiro-ministro Denys Shmyhal. A segunda parcela é esperada uma semana depois. A UE aprovou um pacote de ajuda de 1,2 bilhão de euros para a Ucrânia.

O conselho do FMI deve considerar o pedido da Ucrânia de financiamento emergencial de US$ 1,4 bilhão.

PUBLICIDADE

Ucrânia e Rússia alertam sobre interrupção a fluxo de gás (16h16)

A Ucrânia e a Rússia trocaram avisos de que os fluxos de gás natural para a Europa podem ser interrompidos pelo conflito, com cada lado tentando se distanciar de qualquer responsabilidade.

O vice-ministro de Energia da Rússia, Pavel Sorokin, disse que “qualquer interrupção ou provocação” nas estações de bombeamento de gás controladas pela Ucrânia seria de responsabilidade daquele país.

Sergiy Makogon, chefe do Operador do Sistema de Transmissão de Gás da Ucrânia, disse que a ação militar está ocorrendo agora dentro das áreas de trânsito de gás, e que o país não pode garantir operações nas estações de Novopskov e Kupyansk se estiverem sob controle russo. Ele pediu que as tropas russas saíssem das instalações.

Ucrânia está disposta a fazer concessões, diz Zelenskiy (15h15)

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy disse que está disposto a considerar alguns compromissos para acabar com os combates na Ucrânia, uma postura que mantém desde o início da guerra, acrescentando que não permitiria uma “traição” ao seu país. Zelenskiy disse à Bild TV que “o outro lado também deve estar disposto a fazer concessões – é por isso que são chamadas de concessões”. “Ainda não podemos falar sobre os detalhes.”

PUBLICIDADE

Ele acrescentou que não houve contato direto com o presidente russo Vladimir Putin e “somente após as conversas diretas entre os dois presidentes podemos encerrar esta guerra”.

Ataques a instalações de saúde matam 10, diz OMS (15h05)

Ataques a instalações de saúde na Ucrânia mataram pelo menos 10 pessoas e feriram 16, disse o chefe da Organização Mundial da Saúde.

A OMS verificou 18 ataques a serviços de saúde, incluindo prédios, profissionais de saúde e ambulâncias, disse o diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em um briefing em Genebra. Esses ataques podem ser considerados crimes de guerra e a OMS está encarregada de monitorar possíveis violações. Zelenskiy também informou no Twitter que um ataque aéreo russo atingiu uma maternidade em Mariupol.

A OMS, até agora, entregou 81 toneladas de suprimentos médicos para a Ucrânia. Hipotermia, doenças respiratórias, falta de tratamento para doenças cardiovasculares e câncer, bem como problemas de saúde mental, são os principais desafios de saúde no momento, disse a OMS.

PUBLICIDADE

Ucrânia tenta retirar civis (13h28)

Os esforços para remover civis de duas cidades a noroeste de Kiev falharam porque as autoridades ucranianas não conseguiram chegar a um acordo com as forças russas para garantir sua passagem segura, de acordo com a página do Facebook do conselho da cidade de Bucha. O impasse deixou 50 ônibus presos na estrada.

As evacuações estão em andamento em uma terceira cidade perto da capital, além de Sumy, próximo da fronteira russa. Cerca de 1.000 pessoas estão deixando Sumy em ônibus e outras 20 mil estão viajando por meio de carros particulares, de acordo com o vice-chefe de gabinete de Zelenskiy, Kyrylo Tymoshenko. Um comboio de ajuda humanitária também está indo para Sumy, disse Tymoshenko.

EUA aprovam venda de tanques para a Polônia (13h06)

O Congresso dos EUA aprovou uma venda de US$ 6 bilhões de até 250 tanques M1A2 para a Polônia, segundo pessoas familiarizadas com o processo de aprovação.

Embora o Departamento de Estado estime que os tanques fabricados pela General Dynamics Corp. não serão entregues até 2025, os legisladores aprovaram a venda como um movimento para reforçar laço com um aliado da Otan no Leste Europeu em meio ao confronto da Rússia com a Ucrânia. O governo polonês ainda deve chegar a um acordo formal com os EUA para negociar um contrato com a General Dynamics.

PUBLICIDADE

Ucrânia aberta à neutralidade, mas não cederá território (11h50)

A Ucrânia está aberta para discutir a exigência de neutralidade da Rússia, desde que receba garantias de segurança, embora não entregue um “único” de território, disse Ihor Zhovkva, vice-chefe de gabinete de Zelenskiy, em entrevista à Bloomberg Television.

“Certamente, estamos prontos para uma solução diplomática”, disse Zhovkva, que trabalha em política externa. As garantias devem vir dos vizinhos da Ucrânia, acrescentou, sem especificar mais.

Há sinais de que a Rússia e a Ucrânia podem realizar outra rodada de negociações em breve e seus respectivos ministros das Relações Exteriores devem se reunir para conversas organizadas pela Turquia na quinta-feira.

Alemanha frustra plano para entrega de jatos poloneses para a Ucrânia (10h45)

O chanceler Olaf Scholz descartou uma proposta da Polônia de enviar caças MiG-29 para a Ucrânia por meio de uma base aérea americana na Alemanha. “Temos que considerar com muito cuidado o que enviamos para a Ucrânia e certamente os caças não fazem parte disso”, disse Scholz a repórteres em Berlim.

PUBLICIDADE

A Polônia fez a proposta na terça-feira, ao pressionar a Otan a conceder mais ajuda para a Ucrânia. A aliança militar até agora descartou a adição de caças ao armamento que está sendo enviado para apoiar os militares da Ucrânia. A Rússia já alertou que isso seria visto como um ato de agressão direta por membros da Otan.

AIEA não vê ‘nenhum impacto crítico na segurança’ em Chernobyl (10h17)

O órgão de vigilância nuclear das Nações Unidas disse que foi informado sobre uma perda de energia na instalação nuclear do país em Chernobyl, mas não vê “nenhum impacto crítico na segurança”. Um cabo de energia cortado que leva à usina nuclear extinta levou as autoridades a alertar sobre possíveis riscos de segurança.

A zona de exclusão de Chernobyl, de 2.600 quilômetros quadrados, local do colapso mortal de 1986, também abriga uma instalação de resíduos nucleares, onde o combustível usado dos reatores da Ucrânia é armazenado a longo prazo. O operador Energoatom disse que o corte de energia eleva os riscos de segurança porque a temperatura do combustível usado aumentará gradualmente, resultando potencialmente em uma liberação de radiação.

O local de Chernobyl tem geradores a diesel de emergência com combustível suficiente para fazer backup de sistemas críticos por 48 horas, disse o regulador nuclear nacional da Ucrânia.

PUBLICIDADE

A #Ucrânia informou a AIEA sobre a perda de energia na Usina Nuclear de #Chornobyl, @rafaelmgrossi diz que o desenvolvimento viola o principal pilar de segurança ao garantir o fornecimento ininterrupto de energia; neste caso, a AIEA não vê impacto crítico na segurança.

— AIEA - Agência Internacional de Energia Atômica (@iaeaorg) 9 de março de 2022

Mariupol Siege Armadilha 400.000, diz o principal enviado da Ucrânia (14h27)

Mesmo com as evacuações em outros lugares, Mariupol permaneceu sitiada pelas forças russas, com organizações internacionais alertaram nesta semana sobre uma crise humanitária no local. O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse em um tweet que cerca de 400.000 estão presos na cidade.

A Rússia continua mantendo mais de 400 mil pessoas reféns em Mariupol, bloqueando ajuda humanitária e evacuação. O bombardeio indiscriminado continua. Quase 3.000 recém-nascidos carecem de remédios e alimentos. Peço ao mundo para agir! Force a Rússia a parar sua guerra bárbara contra civis e bebês!

— Dmytro Kuleba (@DmytroKuleba) 9 de março de 2022

Reino Unido explora dar mísseis antiaéreos à Ucrânia (9h54)

O Reino Unido está explorando a doação de mísseis antiaéreos para a Ucrânia, seguindo um pedido do governo ucraniano.

“Acreditamos que este sistema permanecerá dentro da definição de armas defensivas”, disse o secretário de Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, no Parlamento na quarta-feira. “Os mísseis permitirão que a força ucraniana defenda melhor seus céus.”

A Rússia deve priorizar os suprimentos de trigo, diz o primeiro-ministro (9h41)

O primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, alertou que o país deve priorizar seus próprios suprimentos de trigo para garantir pão para seu povo à medida que os preços dos grãos disparam.

Os comentários ocorrem no momento em que a Rússia, que compete com a União Europeia como o maior exportador de trigo do mundo, se prepara para restringir o comércio de alguns bens e matérias-primas em resposta às sanções. Ainda não disse quais materiais podem restringir, mas Mishustin disse que a Rússia aprovará detalhes em um futuro próximo.

Ministério das Relações Exteriores da Rússia diz que não há objetivo de ‘ocupar’ a Ucrânia (7h48)

Falando em um briefing na quarta-feira, a porta-voz do ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que a “operação especial” não busca “ocupar a Ucrânia, destruir seu estado nem derrubar sua liderança”, segundo a Interfax. Zakharova estava entre as autoridades que negaram repetidamente que a Rússia planejasse invadir a Ucrânia nos dias e semanas que antecederam a guerra.

Putin exigiu a “desmilitarização” da Ucrânia entre seus termos para que o conflito cesse e deixou claro anteriormente que queria que o governo de Kiev fosse substituído.

A adesão da Ucrânia à UE não acontecerá rapidamente, diz Rutte (7h21)

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, juntou-se aos líderes da UE, interrompendo as ambições ucranianas de adesão rápida ao bloco. Rutte, que resistiu aos apelos de outros membros para pelo menos conceder à Ucrânia o status de candidatura, disse que conversou com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, por telefone na terça-feira.

“Eu disse a ele: ‘Conheço sua ambição no curto prazo, mas isso não acontecerá no curto prazo’”, disse Rutte em Paris. “Então, vamos ver o que podemos fazer agora para garantir o uso máximo dos formatos existentes que temos, como o acordo de associação.”

Corredores humanitários começam a funcionar (7h02)

O gabinete presidencial da Ucrânia disse que dos seis corredores humanitários acordados, quatro estão funcionando até agora, na quarta-feira. As pessoas estão sendo evacuadas de Energodar, Sumy, Izyum e várias cidades a noroeste de Kiev. Os arranjos de passagem segura para Mariupol no sudeste estão diminuindo, disse.

Varsóvia joga a bola para o tribunal da Otan (6h55)

A Polônia está se oferecendo para enviar seus caças MiG-29 a uma base americana na Alemanha para que a Otan decida o que fazer com eles, enquanto enfrenta a pressão da Ucrânia para enviar aviões para ajudar a combater a superioridade aérea da Rússia.

O governo de Kiev pediu repetidamente mais caças para seus pilotos, colocando a Polônia em uma situação complicada, pois tenta evitar ser puxada para um conflito potencialmente mais amplo com a Rússia.

“Trata-se de fornecer alguma transparência”, disse o vice-chanceler polonês Pawel Jablonski na quarta-feira na rádio local sobre a oferta de enviar os aviões para a Alemanha. “Não é que a Polônia queira tomar decisões por conta própria que possam afetar a segurança da Otan. Da mesma forma, outros membros da Otan não devem tomar decisões de forma independente que possam afetar desproporcionalmente a segurança da Polônia”.

Ações sobem à medida que o impacto econômico das sanções é contabilizado (6h48)

Alguns investidores estão apostando que o impacto econômico global do aperto na Rússia já se reflete nos preços de mercado. Os contratos nos indicadores S&P 500 e Nasdaq 100 aumentaram pelo menos 1,2% cada, enquanto bancos e montadoras impulsionaram o Stoxx 600 da Europa para um ganho no segundo dia.

O petróleo bruto WTI ficou acima de US$ 120 o barril, um dia depois que o presidente americano Joe Biden proibiu as importações de combustíveis fósseis da Rússia. Os títulos do Tesouro caíram e o dólar enfraqueceu pela primeira vez em cinco dias, com a queda da demanda por porto seguro. O rublo da Rússia caiu mais de 10% em relação ao dólar.

Líderes da UE pedem mais gastos com defesa (5h35)

Os líderes da UE vão se comprometer a gastar “substancialmente” mais dinheiro em defesa e segurança, além de condenar fortemente a invasão da Ucrânia pela Rússia, quando se reunirem em Versalhes, na França, a partir de quinta-feira (10). Isso ocorre depois que o bloco aprovou o financiamento de 500 milhões de euros (US$ 548 milhões) em suprimentos letais e não letais para Kiev.

“Uma UE mais forte e mais capaz no domínio da segurança e defesa contribuirá positivamente para a segurança global e transatlântica e é complementar à Otan, que continua a ser a base da defesa coletiva dos seus membros”, de acordo com o projeto, que ainda está sujeito mudar.

Grécia pede à UE que considere mecanismo de limite de preço de energia (5h15)

A Grécia propôs um plano de seis pontos para lidar com o aumento dos preços da energia, incluindo um mecanismo de teto de preço no mercado atacadista de eletricidade, pedindo à UE que aja rápida e decisiva para ajudar os consumidores.

“Acredito firmemente que tempos incomuns exigem medidas incomuns”, disse o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis em uma carta à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Congresso dos EUA chega a acordo sobre projeto de lei com ajuda à Ucrânia (4h15)

Democratas e republicanos no Congresso dos EUA fecharam um acordo sobre um projeto de lei de gastos de US$ 1,5 trilhão que forneceria US$ 13,6 bilhões para responder à invasão da Ucrânia pela Rússia, sendo US$ 6,5 bilhões para o Pentágono, incluindo US$ 3 bilhões para reforçar as tropas dos EUA na Europa e US$ 3,5 bilhões.

Leia também

Biden proíbe importação de combustíveis fósseis da Rússia

Quase 2,4 bi mulheres não possuem mesmos direitos econômicos dos homens

PUBLICIDADE