Negócios

Califórnia acusa Tesla de racismo generalizado em fábrica

Empresa enfrentou denúncias e ações de ex-trabalhadores sobre discriminação racial e assédio sexual nos últimos anos

Califórnia acusa empresa de racismo generalizado em fábrica de Fremont
Por Dana Hull
10 de Fevereiro, 2022 | 08:20 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O regulador de direitos civis da Califórnia disse que está processando a Tesla, fabricante de carros elétricos, por discriminação racial depois de constatar assédio generalizado a trabalhadores negros na fábrica perto de São Francisco.

O Departamento de Emprego Justo e Habitação do estado recebeu reclamações de centenas de trabalhadores e “encontrou evidências de que a fábrica da Tesla em Fremont é um local de trabalho racialmente segregado, onde trabalhadores negros são submetidos a insultos raciais e discriminados em atribuições de trabalho, disciplina, pagamento e promoção, criando um ambiente de trabalho hostil”, disse Kevin Kish, diretor do departamento, em comunicado na quarta-feira.

A queixa para o Tribunal Superior do Condado de Alameda não estava disponível no site do tribunal.

A Tesla disse em seu blog em 8 de fevereiro - antes de o processo ser aberto - que a empresa pedirá ao tribunal para pausar o caso e tomar outras medidas para garantir que fatos e provas sejam apresentados.

PUBLICIDADE

Segundo o Departamento de Emprego Justo e Habitação, um trabalhador negro disse ter ouvido insultos raciais de 50 a 100 vezes por dia. Alguns que reclamaram da linguagem ofensiva disseram que supervisores e gerentes foram participantes ativos no abuso ou testemunhas dele.

Diariamente, trabalhadores negros viam pichações racistas nas paredes dos banheiros, armários, bancos, estações de trabalho, mesas de almoço e na sala de descanso, de acordo com o comunicado do departamento, que forneceu um resumo detalhado do que foi descoberto.

Várias reclamações

A Tesla tem mais de 99 mil funcionários em todo o mundo, e a fábrica em Fremont emprega mais de 10 mil pessoas. A montadora liderada pelo bilionário Elon Musk mudou sua sede corporativa de Palo Alto, Califórnia, para Austin, Texas, no ano passado.

PUBLICIDADE

A Tesla enfrentou numerosas denúncias e ações judiciais de ex-trabalhadores de sua fábrica de Fremont sobre discriminação racial e assédio sexual nos últimos anos. Muitas queixas nunca chegam ao tribunal porque funcionários em tempo integral da Tesla assinam acordos exigindo que desentendimentos no local de trabalho sejam tratados em arbitragem a portas fechadas.

Em outubro, um homem negro que trabalhou anteriormente como empreiteiro para a Tesla e reclamou de racismo generalizado na fábrica recebeu US$ 137 milhões após um julgamento por tribunal federal em São Francisco -– o que é visto como o maior veredicto desse tipo. O juiz do caso sinalizou em uma audiência em janeiro que ele provavelmente reduzirá esse valor, mas não concederá o pedido da Tesla para um novo julgamento.

O Departamento de Emprego Justo e Habitação da Califórnia disse que os trabalhadores negros foram mais incriminados ou demitidos por infrações menores e os que mais tiveram promoções negadas.

Para muitos trabalhadores negros e ou afro-americanos, o estresse do assédio racial severo e generalizado, o risco de uma briga física e escalada com assediadores, a discriminação flagrante e a disciplina desproporcionalmente severa, entre outros problemas, tornaram as condições de trabalho tão intoleráveis que eles se demitiram, segundo o comunicado.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE