PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde

Duas semanas da ômicron: para onde vamos agora?

Ainda não está claro se em 2022 será possível suprimir a disseminação do vírus o suficiente para interromper ondas de infecção e acabar com as restrições sociais

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Pouco mais de duas semanas desde a descoberta da ômicron, muito se aprendeu sobre a última variante do coronavírus. Ainda há muito a ser descoberto.

Os primeiros dados da África do Sul, o epicentro até agora, mostram que o vírus parece se espalhar muito mais rápido do que as cepas anteriores, mas também não parece estar causando doenças graves.

PUBLICIDADE

Nada é definitivo ainda, então o mundo ainda está um pouco no escuro. Com os casos de ômicron dobrando a cada poucos dias no Reino Unido, os legisladores e investidores estão se agarrando a qualquer pista; a disseminação na Grã-Bretanha pode ser um prenúncio de coisas que acontecerão na Europa e nos EUA.

Veja mais: Ômicron será variante dominante em alguns dias no Reino Unido

As autoridades de saúde estavam se aproximando do final do ano com um pouco de esperança de que a era da Covid estivesse mudando para uma fase mais nova e mais gerenciável.

PUBLICIDADE

Mas agora ainda não está claro se 2022 será bem-sucedido onde 2021 foi derrotado: suprimir a disseminação do vírus o suficiente para interromper as ondas de infecção em andamento e, finalmente, acabar com as restrições sociais.

Estudos de laboratório iniciais indicam que a ômicron é muito mais transmissível do que a delta, a cepa que se espalhou rapidamente pelo mundo, enchendo hospitais e aumentando as taxas de mortalidade. Eles também mostram que ele pode infectar os vacinados ou aqueles que já estiveram doentes com Covid-19.

O que ainda não se sabe é como ele se desenvolveu e se causará doenças mais graves em países com populações mais velhas do que a África do Sul. Também não está claro se ele pode competir melhor com a delta em lugares onde essa versão é dominante agora, como Europa e EUA. Novos casos na África do Sul, após uma grave terceira onda da delta, eram insignificantes por semanas antes do aparecimento indesejado da ômicron.

PUBLICIDADE

Michael Osterholm, diretor do Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota, disse esta semana que as informações até agora apontam para uma mutação menos severa.

“O grande desafio que teremos é confirmar isso nas próximas duas semanas”, disse ele em seu podcast. “A partir daí, podemos descobrir o que isso significa em termos da próxima etapa da pandemia para o mundo.”

O que sabemos da ômicron até agora:

Com que rapidez a ômicron está se espalhando?

  • Em Gauteng, onde o surto da África do Sul está atualmente centrado, a taxa de reprodução - a rapidez com que o vírus se espalha - é superior a 3. É a mais alta e significa que cada pessoa infectada em média infecta mais três.
  • Os casos na África do Sul estão aumentando em um ritmo quase recorde, e a taxa de aumento superou as três ondas anteriores da África do Sul.
  • A ômicron é 4,2 vezes mais transmissível do que delta, de acordo com um estudo no Japão.
  • O Reino Unido diz que a nova cepa está crescendo muito mais rápido que a delta e prevê que a ômicron se torne a variante dominante em meados de dezembro, respondendo por mais da metade dos novos casos. Na sexta-feira (10), o Reino Unido relatou quase 58.200 casos de Covid em geral.

Quão graves são as infecções?

  • Com o surto de apenas algumas semanas, é muito cedo para dizer com certeza, mas médicos relataram pacientes com fadiga e dores de cabeça. Isso é um grande contraste com os relatos de batimento cardíaco acelerado e problemas respiratórios da delta.
  • As três maiores operadoras de hospitais privados da África do Sul dizem que os casos são muito mais leves do que nas primeiras ondas. Há poucas pessoas usando oxigênio ou ventiladores e apenas um ligeiro aumento nas mortes.
  • Atualmente, existem cerca de 5 mil pessoas com Covid em hospitais da África do Sul, um quarto dos picos vistos nas duas ondas anteriores.

Afeta as crianças de forma diferente das variantes anteriores?

  • As admissões hospitalares iniciais na África do Sul registraram um número maior de crianças com menos de 5 anos do que antes.
  • Ainda assim, a maioria permanece no hospital apenas por um curto período de tempo, e o Ministro da Saúde Joe Phaahla diz que não há relatos de complicações respiratórias.

As vacinas funcionam?

sim e não

PUBLICIDADE
  • O Africa Health Resource Institute foi o primeiro a isolar o vírus e testá-lo contra a vacina da Pfizer. A ômicron é capaz de evitar em grande parte, mas não completamente, os anticorpos gerados em resposta à inoculação, mostrou a pesquisa. O próprio estudo da Pfizer confirmou isso.
  • O Reino Unido disse na sexta-feira (10) que duas injeções da AstraZeneca ou da parceria Pfizer-BioNTech forneceram muito menos proteção contra a infecção sintomática com ômicron, em comparação com a cepa delta. Mas um reforço aumentou para 70% a 75% nos primeiros dias após a injeção, de acordo com dados preliminares de um estudo inicial.
  • Dados de hospitais sul-africanos no município de Tshwane apresentados em 3 de dezembro mostraram que 68% das internações por coronavírus ocorreram em pessoas com menos de 40 anos. Isso se compara com indivíduos com mais de 50 anos, responsáveis por 66,1% das hospitalizações durante as primeiras semanas do terceira onda. Os sul-africanos com mais de 60 anos têm duas vezes mais probabilidade de terem sido vacinados do que aqueles com menos de 34 anos.

De onde veio?

Existem três teorias.

  • O primeiro é o vírus que sofreu mutação em alguém que foi imunossuprimido e abrigou o patógeno por muito tempo, permitindo que ele se transformasse e depois infectasse outras pessoas. A África do Sul tem 8,2 milhões de portadores do HIV, que causa a doença do sistema imunológico Aids.
  • A segunda é que o coronavírus cruzou de volta para um animal, sofreu mutação e, em seguida, reinfectou um humano.
  • A terceira é que ele se desenvolveu circulando em algum lugar com pouco sequenciamento genético e pouco acesso à saúde. Em seguida, foi adquirido na África do Sul, onde o sequenciamento de amostras é comparativamente comum. Alguns dos sistemas de saúde mais fracos do mundo estão na África.

Então, para onde vamos agora?

Depende de quem você ouve.

  • Richard Friedland, o CEO do maior grupo de hospitais privados da África do Sul, Netcare, está otimista.
    • “Na verdade, acho que há uma fresta de esperança aqui e isso pode sinalizar o fim da Covid-19, com ela se atenuando a tal ponto que é altamente contagiosa, mas não causa doenças graves”, disse ele. “É o começo, mas estou menos em pânico. Sinto que há diferença na atuação diária.”
  • A Organização Mundial da Saúde continua cautelosa por enquanto, devido a tantas incógnitas e à preocupação de que qualquer variante seja um risco.
    • “Se elas conseguem se espalhar sem controle, mesmo que não sejam individualmente mais virulentos ou mais letais, elas geram mais casos, pressionam o sistema de saúde e mais pessoas morrem”, disse Mike Ryan, diretor executivo de emergências da OMS. “Devemos esperar o melhor resultado, mas, neste caso específico, a esperança não é uma estratégia. Precisamos ser muito cuidadosos ao fazer quaisquer determinações finais sobre a gravidade.”

--Com a assistência de Arijit Ghosh

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE