promo

Cosméticos: Mercado ‘beleza limpa’ de US$ 1,6 bi tem problema de identidade

Formulações veganas, que não envolvem testes em animais e que usem embalagens ecológicas também são candidatas à inclusão no segmento

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O conceito da chamada beleza limpa - produtos de maquiagem e cuidados com a pele comercializados como livres de ingredientes artificiais prejudiciais - é a frase de efeito mais recente de um mundo que vende itens como sustentáveis, ambientalmente conscientes ou simplesmente mais seguros.

“Os consumidores estão mais informados do que nunca sobre o que estão colocando em seus corpos e na pele, e há um desejo de tomar decisões saudáveis e ecologicamente corretas”, disse o dermatologista de Nova York Joshua Zeichner.

Mas embora a FDA regule os cosméticos para garantir que eles não sejam adulterados, a agência não tem a tarefa de aprovar a maioria desses produtos antes de chegarem às prateleiras. E embora o termo seja frequentemente associado a ingredientes de origem natural, não existe uma definição padrão para beleza “limpa”. Em muitos casos, os fornecedores se concentram no que não está incluído, bem como em formulações e embalagens ecológicas, de acordo com a NielsenIQ .

A definição difusa de “beleza limpa” não impediu que gigantes de cuidados com a pele subissem a bordo. No primeiro semestre do ano, as vendas em lojas de departamentos e lojas especializadas em beleza de produtos considerados “limpos” aumentaram cerca de 33%, para US$ 1,6 bilhão, em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com a NPD. Somente os cuidados com a pele e a maquiagem tiveram um aumento de volume de mais de 20% cada.

Grandes varejistas, como Sephora e Ulta Beauty, designam como “limpos” tudo, desde limpadores de rosto para sombra se eles omitirem ingredientes conhecidos ou suspeitos de causar danos aos seres humanos ou ao meio ambiente, disseram as empresas. Formulações que são veganas ou que não envolvem testes em animais também são candidatas à inclusão, e embalagens ecológicas também entram em jogo, de acordo com a diretora de merchandising da Ulta, Monica Arnaudo.

Os consumidores também devem saber que o que é natural não automaticamente significa melhor ou mais seguro, disse Zeichner, o dermatologista. Ingredientes como óleos essenciais podem desencadear reações alérgicas, especialmente para pessoas com pele sensível.

Além disso, a maioria dos produtos de beleza requer conservantes para evitar a contaminação microbiana, dificultando a obtenção de formulações sem ingredientes artificiais.

Muitos produtos “beleza limpa” preconizam a falta de ftalatos, que podem ser encontrados em esmaltes, spray de cabelo e embalagens plásticas, e parabenos, que são usados como conservantes. A União Europeia assumiu uma postura mais agressiva em relação a alguns desses produtos químicos, enquanto a FDA ainda avalia se são realmente prejudiciais aos seres humanos.

Veja mais em bloomberg.com