Viagens

Gol terá R$ 1 bi da American Airlines em acordo de voos compartilhados

Expansão de cooperação entre as companhias resultará em mais oportunidades para passageiros nas rotas entre Américas do Sul e do Norte

Acordo de compartilhamento exclusivo entre Gol e Delta Air Lines vai ampliar rotas para as duas companhias aéreas
15 de Setembro, 2021 | 09:14 am
Tempo de leitura: 3 minutos

São Paulo — A Gol e a American Airlines fecharam um acordo de codeshare (compartilhamento de voos) exclusivo pelos próximos três anos. A companhia aérea brasileira vai receber da norte-americana um investimento de US$ 200 milhões (R$ 1,05 bilhão), em ações. Para os passageiros, a expansão de cooperação comercial entre as duas empresas vai aumentar as oportunidades de viagens nas rotas que conectam as Américas do Sul e do Norte.

Veja mais: Prejuízo da Gol supera R$ 1 bi no segundo trimestre

Em comunicado divulgado na manhã desta quarta-feira (15), a Gol informou que a conclusão do acordo e o investimento em equity estão sujeitos a certas condições, incluindo assinatura e entrega da documentação definitiva e outras condições usuais de operações desse porte.

“O acordo de codeshare exclusivo entre duas das principais empresas aéreas das Américas combina malhas altamente complementares e oferece aos clientes uma experiência de viagem superior, proporcionada pelo maior número de voos e destinos nas Américas do Norte e do Sul”, disse o CEO da Gol, Paulo Kakinoff.

PUBLICIDADE

Veja mais: Empresas planejam gastar menos com viagens de negócios

“Acreditamos que isso fortalecerá mais a presença da Gol nos mercados internacionais, acelerará nosso crescimento de longo prazo e maximizará o valor para nossos acionistas. Também ratifica a confiança no crescimento da companhia conforme a economia se reabre e a demanda por viagens aumenta”, acrescentou o executivo.

A malha da Gol atende 63 destinos no Brasil e 140 internacionais por meio de acordos de codeshare. Depois do início da pandemia da Covid-19, em março do ano passado, as primeiras rotas internacionais da Gol com reabertura prevista para novembro foram confirmadas recentemente: Cancún (México) e Punta Cana (República Dominicana). Montevidéu no Uruguai também tem voos programados para novembro.

Segundo o comunicado da Gol, a American investirá US$ 200 milhões em 22,2 milhões de ações preferenciais recém-emitidas da Gol em um aumento de capital, passando a deter uma participação de 5,2% nos interesses econômicos da companhia a um preço de US$ 9 por ação preferencial, equivalente a R$ 47,03 por PN à taxa de câmbio de ontem.

PUBLICIDADE

O presidente da American, Robert Isom, destacou, no comunicado, a complementaridade das operações entre as duas companhias. “Nossa malha de longa distância casa perfeitamente com a forte malha doméstica da Gol no Brasil e, juntos, seremos capazes de oferecer aos clientes que voam para, dentro e a partir do Brasil, acesso à maior malha aérea com as tarifas mais baixas, assim como o melhor e o maior programa de fidelidade conjunto para viajantes frequentes das Américas”.

Concorrência

O acordo entre a Gol e a American Airlines ocorre num momento em que sua concorrente, o grupo chileno Latam, e a norte-americana Delta Air Lines firmaram uma aliança semelhantes. Em fevereiro deste ano, a filial brasileira da Latam recebeu aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para permitir aos clientes adquirir passagens e acessar destinos de suas respectivas malhas aéreas.

Na semana passada, o CEO do Grupo Latam, Roberto Alvo, falou sobre a joint venture com a Delta. Ele disse que essa sociedade ainda precisa de aprovações regulatórias no Chile (algo que ele estima para as próximas semanas) e nos EUA (expectativa de que ocorra em alguns meses). “Penso que vai estar disponível para os clientes na América do Sul e Estados Unidos em algum momento em 2022”, afirmou.

Os acordos de compartilhamento de voos ajudam o setor aéreo a recuperar suas malhas, capturas sinergias e melhorar sua situação financeira após mais de um ano e meio de restrições operacionais devido ao fechamento de fronteiras e redução de voos, além dos custos com reembolsos e cancelamentos de passagens, que impactaram negativamente seus resultados nos últimos trimestres.

Leia também

Simone Biles vai depor por erros do FBI em investigação de abuso

PUBLICIDADE

Biden sugeriu encontro com Xi Jinping, mas líder chinês recusou

Quantos dias teria que se trabalhar no Brasil para comprar o novo iPhone?


Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE