PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

São Paulo não quer repetir ‘Lollapalooza de Chicago’ com idas e vindas de máscara, diz Ellen

Eventos terão que seguir protocolos sanitários e distanciamento mínimo, diz secretária de Desenvolvimento do Estado

Estado de São Paulo aposta em vacinação para volta de eventos públicos
09 de Agosto, 2021 | 07:46 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

O Estado de São Paulo não quer repetir o que ocorreu em países como EUA, Reino Unido e Israel, que descuidaram da obrigatoriedade do uso de máscaras nos eventos públicos e depois tiveram que recuar na reabertua, disse à Bloomberg Línea a secretária do Desenvolvimento de São Paulo, Patricia Ellen da Silva. O Estado liberou a realização de eventos públicos como feiras, exposições e casamentos a partir do próximo dia 17 de agosto, desde que os participantes utilizem máscaras, respeitem o distanciamento social e os protocolos sanitários.

“Nós vimos muito países que, que quando alcançaram um percentual de vacinação, liberaram completamente os eventos e inclusive abriram mão da obrigatoriedade do uso de mascara. Nós não estamos fazendo assim”, disse a secretária, que anunciou nesta segunda (9) nova flexibilização das regras de funcionamento de atividades no Estado.

PUBLICIDADE

Cancelado no ano passado, o Lollapalooza de Chicago funcionou dois dias no final de julho sem a obrigatoriedade do uso de máscaras, apesar de exigir comprovante de vacinação ou teste negativo de covid. Diante do aumento de casos na cidade, a maioria da variante delta de alto contágio, o festival passou a exigir no terceiro e quarto dias o uso de máscara nos ambientes internos. O evento recebeu mais de 110 mil pessoas.

“Eles viram que foram longe demais e implementaram no meio do festival a obrigatoriedade de máscara. Não queremos isso aqui em São Paulo”, disse a secretária.

Segundo Ellen, eventos que suscitem aglomerações, como casas de espetáculos e baladas com pista de dança, ainda não poderão funcionar. “Se tirou a máscara para comer, por exemplo, precisa estar sentado e respeitando o distanciamento mínimo”, disse Ellen à Bloomberg Línea.

A secretária lembra que a partir de novembro, quando 90% da população terá tomado as duas doses da vacina, eventos de maior porte poderão ocorrer no Estado. Mesmo assim, o uso de máscara continuará sendo obrigatório, disse.

Toni Sciarretta

Toni Sciarretta

News director da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista com mais de 20 anos de experiência na cobertura diária de finanças, mercados e empresas abertas. Trabalhou no Valor Econômico e na Folha de S.Paulo. Foi bolsista do programa de jornalismo da Universidade de Michigan.

PUBLICIDADE