PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

AO VIVO: Rublo desaba 29% com temor de escalada em conflito na Ucrânia

Rússia ataca 2ª maior cidade ucraniana e coloca forças nucleares em alerta máximo; autoridades ucranianas aceitam negociar com russos na fronteira com Belarus

Rússia amplia ataques nos arredores da capital Kiev
Por Bloomberg Línea
27 de Fevereiro, 2022 | 08:25 am
Tempo de leitura: 16 minutos

Blomberg Línea — -- Essa notícia está sendo atualizada --

No quarto dia de conflito, as forças russas atacaram Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia depois que uma nova rodada de sanções foi anunciada para punir o Kremlin pela invasão. O avanço para Kharkiv, a cerca de 54 quilômetros da fronteira com a Rússia, pode resultar nos combates urbanos mais intensos da invasão até agora.

PUBLICIDADE

O presidente Vladimir Putin ordenou que as forças nucleares estratégicas da Rússia fossem colocadas em alerta máximo, citando o que chamou de declarações “agressivas” dos líderes dos países da OTAN, informou a Tass. Autoridades de Kiev aceitaram se encontrar com oficiais russos na fronteira com a Belarus. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, expressou ceticismo sobre se as negociações dariam resultados, mas disse que estava disposto a tentar se isso significasse alguma chance de paz.

A União Europeia decidiu fechar seu espaço aéreo para a Rússia. A ação se aplica a qualquer avião de propriedade, fretado ou controlado por uma pessoa de nacionalidade russa, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. “Então deixe-me ser clara”, disse ela. “Nosso espaço aéreo será fechado para todos os aviões russos, e isso inclui os jatos particulares dos oligarcas.”

No sábado, os EUA e países aliados da Europa concordaram em excluir alguns bancos russos do Swift, um sistema de mensagens e transferências internacionais de recursos, ampliando as sanções para isolar financeiramente a Rússia. A medida envolve inicialmente bancos que já foram sancionados, mas pode incluir outras instituições financeiras, segundo um porta-voz alemão.

PUBLICIDADE

Confira as últimas notícias sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia. Todos os horários são de Brasília.

Rublo offshore desaba 29% (23h15)

O rublo offshore foi indicado para negociação com desvalorização de 29% em relação ao dólar na manhã desta segunda-feira, em meio a temores de que a Rússia possa revidar contra as sanções impostas pelos países ocidentais após a invasão da Ucrânia. Os negócios com rublo tiveram cotação indicada a 117,8170 por dólar com base em dados compilados pela Bloomberg, depois que o presidente Vladimir Putin colocou as forças nucleares do país em alerta máximo quando os aliados dos EUA e da Europa anunciaram planos para sancionar o banco central de Moscou e excluir alguns bancos russos do sistema de mensagens financeiras Swift.

Japonês se preocupa ataque a Taiwan (21h28)

Mais de três quartos dos japoneses estão preocupados que, se a comunidade internacional não puder impedir a invasão da Ucrânia pela Rússia, a China possa ser encorajada a atacar Taiwan, de acordo com uma pesquisa realizada pelo jornal Nikkei. A pesquisa foi publicada depois que o primeiro-ministro Fumio Kishida anunciou que o Japão estava se juntando aos EUA e à UE para bloquear alguns bancos russos do sistema Swift e congelar ativos de algumas autoridades russas.

Futuros de NY desabam e petróleo dispara em ‘dia de fúria’ nos mercados (20h30)

Os futuros de ações dos EUA iniciaram os negócios desta segunda-feira na Ásia com forte baixa, enquanto os títulos soberanos e o petróleo dispararam, em meio à maior incerteza do mercado depois que nações ocidentais anunciaram sanções mais duras à Rússia pela invasão da Ucrânia. Os contratos do S&P 500 (SPX) perderam mais de 2%, enquanto os do Nasdaq 100 (NDX), de alta tecnologia, caíram cerca de 3%. O petróleo bruto subiu mais de 7% no início dos negócios desta segunda.

O euro caiu cerca de 1% em relação ao dólar devido a preocupações com os riscos para a economia da Europa, enquanto o iene - um refúgio tradicional em tempos de estresse - avançou cerca de 0,2%. As moedas vinculadas a commodities e a libra caíram. Bitcoin (BTC), a maior criptomoeda do mundo, caiu abaixo de US$ 38 mil.

Nova York vai encerrar negócios estatais com Rússia (19h50)

A governadora de Nova York, Kathy Hochul, assinou uma ordem executiva no domingo com o objetivo de encerrar qualquer negócio estatal ou investimento na Rússia. “Nova York está firmemente com a Ucrânia e condena veementemente as ações da Rússia”, escreveu ela, ordenando que as agências estatais revisem quaisquer investimentos ou negócios com empresas sediadas na Rússia ou que apoiem a invasão de alguma forma.

PUBLICIDADE

Reino Unido promete US$ 53 milhões em ajuda à Ucrânia (19h20)

O Reino Unido prometeu 40 milhões de libras (53 milhões de dólares) em ajuda humanitária adicional para pagar suprimentos médicos para a Ucrânia, disse o gabinete do primeiro-ministro Boris Johnson no domingo em comunicado. Depois de se encontrar com os ucranianos que vivem em Londres no domingo, Johnson também confirmou que as pessoas estabelecidas no Reino Unido poderão trazer familiares imediatos ucranianos para se juntarem a eles.

A nova ajuda soma 100 milhões de libras em assistência já prometida à Ucrânia este ano pela Grã-Bretanha. Johnson disse na semana passada que o Reino Unido também garantiria até US$ 500 milhões em empréstimos ao país por meio de bancos multilaterais de desenvolvimento.

Ásia inicia semana com forte baixa no euro (18h50)

O euro caiu e o iene subiu no início dos negócios desta segunda-feira na Ásia em meio ao aumento da incerteza do mercado depois que nações ocidentais anunciaram no fim de semana sanções mais duras à Rússia pela invasão da Ucrânia, inclusive contra seu banco central. O euro caiu cerca de 1% em relação ao dólar devido a preocupações com os riscos para a economia da Europa, enquanto o iene - um refúgio tradicional em tempos de estresse - avançou cerca de 0,2%. As moedas vinculadas a commodities e a libra caíram. Bitcoin (BTC), a maior criptomoeda do mundo, caiu abaixo de US$ 38 mil.

PUBLICIDADE

Os futuros de ações do Japão, Austrália e Hong Kong subiram mais cedo, refletindo uma recuperação de Wall Street na sexta-feira, mas as novas penalidades desde então prejudicaram o sentimento dos investidores. Operadores aguardam ansiosamente o início da negociação de ações, títulos, ouro e commodities como petróleo, com o Brent ainda perto de US$ 100 o barril.

UE aprova 450 milhões de euros em armas para Ucrânia (18h18)

Os ministros das Relações Exteriores da União Europeia concordaram em enviar 450 milhões de euros (US$ 500 milhões) em ajuda militar à Ucrânia para armamento, segundo Josep Borrell, chefe de política externa do bloco. A ajuda será financiada pelo Fundo Europeu para a Paz da UE e fará com que o bloco forneça armas a um país em guerra pela primeira vez em sua história. Outros 50 milhões de euros serão fornecidos para fins não armamentícios, disse Borrell em entrevista coletiva em Bruxelas no domingo.

O pacote de ajuda militar da UE pode incluir o fornecimento de caças para a força aérea ucraniana, disse Borrell. Ele disse ainda que a UE já teve discussões com o ministro das Relações Exteriores ucraniano, Dmytro Kuleba, sobre o tipo de jatos que os militares ucranianos precisam e há estados membros que podem fornecê-los.

UE propõe sanções contra bilionários russos (18h05)

A União Europeia está discutindo impor sanções contra alguns dos magnatas mais ricos da Rússia, bem como altos funcionários de empresas estatais e da mídia. A medida visa ampliar as penalidades pela invasão da Ucrânia por Moscou, segundo documentos vistos pela Bloomberg. A lista, que ainda precisa ser aprovada pelos governos europeus e pode mudar antes que isso aconteça, inclui bilionários que ainda não foram atingidos por sanções nos EUA. Entre eles, estão o magnata dos metais Alisher Usmanov; os proprietários do Grupo Alfa, Mikhail Fridman e Petr Aven; além de Alexei Mordashov, que controla uma grande empresa siderúrgica.

PUBLICIDADE

UE suspende transações com banco central da Rússia (17h05)

Os ministros das Relações Exteriores da União Europeia aprovaram a proibição de todas as transações com o banco central russo, segundo autoridades a par da decisão. A medida, que faz parte de um esforço para isolar a economia e o sistema financeiro de Moscou, abre caminho para que a medida seja adotada ainda na noite deste domingo, disseram as autoridades, que pediram para não serem identificadas porque o processo é privado.

A Rússia tem cerca de US$ 640 bilhões em reservas cambiais. A decisão de penalizar o banco central da Rússia e excluir alguns bancos russos do sistema de mensagens Swift, usado em transações de trilhões de dólares por bancos de todo o mundo, foi anunciada no sábado em um comunicado conjunto dos EUA, Comissão Europeia, França, Alemanha, Itália, Reino Unido e Canadá.

YouTube suspende anúncios de mídia estatal russa (16h40)

O YouTube deixará de veicular anúncios em canais da mídia estatal russa, além de algumas outras contas incluídas nas sanções pela invasão da Ucrânia por Moscou. O YouTube vai restringir o acesso à estatal RT (antigamente conhecida como Russia Today), e “vários outros canais” na Ucrânia, a empresa disse em comunicado na noite de sábado. O YouTube também vai limitar as recomendações a esses vídeos em sua plataforma.

O YouTube é enorme na Rússia, onde várias redes de mídia e pessoas ligadas ao Kremlin usam o site. A RT se autodenomina a maior rede de TV do YouTube. Agora, a suspensão de anúncios pausa a capacidade de monetização dos canais.

PUBLICIDADE

União Europeia fecha espaço aéreo para Rússia (16h14)

A União Europeia vai fechar seu espaço aéreo para a Rússia, em uma tentativa de isolar ainda mais o presidente Vladimir Putin depois que ele ordenou que suas tropas invadissem a vizinha Ucrânia. A ação coletiva se aplica a qualquer avião de propriedade, fretado ou controlado por uma pessoa de nacionalidade russa, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no domingo, ao anunciar a medida.

“Então deixe-me ser clara”, disse ela a repórteres em Bruxelas. “Nosso espaço aéreo será fechado para todos os aviões russos, e isso inclui os jatos particulares dos oligarcas.” A medida faz parte de uma série de auxílios à Ucrânia - desde envio de ajuda até restrições de voos - que nações ocidentais têm feito para punir Putin, pressionar os mais próximos a ele e persuadir o presidente a recuar.

Euro cai nas primeiras negociações após novas sanções (16h01)

O euro caiu 0,8%, para US$ 1,1177 nos primeiros 15 minutos de negociação, com a abertura dos mercados de câmbio na Ásia em meio à incerteza sobre a crise na Ucrânia e as sanções contra a Rússia. O iene subiu e o dólar australiano caiu com os investidores posicionados para que as novas sanções prejudiquem o sentimento de risco nos mercados.

Os títulos em rublo e da Rússia seguem no foco quando o pregão de segunda-feira começar na Ásia. Dez títulos russos denominados em dólares perderam quase um terço de seu valor - ou US$ 8,8 bilhões - na semana passada, e os investidores estão se preparando para mais perdas.

PUBLICIDADE

Noruega retira ativos russos de fundo soberano (16h05)

A Noruega decidiu iniciar um o processo para remover os ativos russos de seu fundo soberano de US$ 1,3 trilhão, disse o primeiro-ministro Jonas Gahr Store a repórteres em Oslo neste domingo. O governo decidiu congelar as participações russas no fundo em resposta à investida da Rússia na Ucrânia, disse o primeiro-ministro. O fundo detinha US$ 3,3 bilhões em ações e títulos no país no final de 2020.

A coroa norueguesa caiu mais de 1% após o anúncio, negociada a 8,97 por dólar americano.

Planos da UE para fornecer armas letais à Ucrânia (16h01)

A União Europeia buscará chegar a um acordo neste domingo para fornecer ajuda militar à Ucrânia e, pela primeira vez na história do bloco, isso incluirá armas letais, além de suprimentos não letais, de acordo com o chefe de política externa da UE, Josep Borrell.

A ajuda será dada por meio do Mecanismo Europeu de Paz do bloco, disse Borrell a repórteres em Bruxelas. Esse pacote tem um teto de financiamento de 5 bilhões de euros (US$ 5,6 bilhões) até 2027. Os Estados membros que não quiserem ser associados à contribuição de armas letais poderão se abster ou fazer uma contribuição paralela de ajuda não letal, de acordo com um oficial com conhecimento das discussões, que pediu para não ser identificado porque os preparativos são particulares.

PUBLICIDADE

BP abandona participação de 20% na Rosneft (15h55)

A petrolífera britânica BP Plc (BP) deixará sua participação na petrolífera russa Rosneft, numa reversão dramática após a invasão da Ucrânia pela Rússia. A BP está sob pressão do governo do Reino Unido por sua participação na petrolífera russa, com as nações ocidentais tentando infligir o máximo de sanções econômicas a Moscou.

A BP disse no domingo que cobrará pelos resultados do primeiro trimestre. Ele não deu detalhes, mas disse que o valor contábil do ativo era de US$ 14 bilhões.

Ucrânia relata danos a duas instalações nucleares (15h31)

Duas instalações ucranianas contendo resíduos nucleares sofreram danos no ataque da Rússia ao país, relataram monitores internacionais. Mísseis atingiram um local de descarte de resíduos radioativos em Kiev, e um transformador elétrico foi danificado em um depósito semelhante em Kharkiv, informou a Agência Internacional de Energia Atômica em comunicado. Os inspetores ainda aguardam as medições de radiação das autoridades locais para determinar a extensão dos danos.

“Esses dois incidentes destacam o risco muito real de que instalações com material radioativo sofram danos durante o conflito, com consequências potencialmente graves para a saúde humana e o meio ambiente”, disse o diretor-geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi.

PUBLICIDADE

Chefes de finanças do G-7 se reunirão na terça-feira (15h20)

Ministros das Finanças do Grupo dos Sete e chefes de bancos centrais vão manter conversas na terça-feira, tendo na agenda uma potencial ajuda humanitária para a Ucrânia, disse o presidente do Banco Mundial, David Malpass. “Eles podem decidir quanto da ajuda vai para a Ucrânia”, disse ele no programa “Face the Nation”, da CBS.

Zelenskiy diz estar cético sobre conversas, mas vale a pena tentar (14h55)

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy disse estar cético sobre os possíveis resultados de conversas com emissários russos na fronteira com Belarus. “Não acredito muito no resultado desta reunião – mas deixemos eles tentarem para que nenhum cidadão ucraniano tenha dúvidas de que eu, como presidente, não tenha tentado parar a guerra quando havia uma chance, ainda que pequena”, disse o presidente por meio do Telegram.

O ministro das Finanças, Serhiy Marchenko, anunciou separadamente a decisão de emitir títulos de guerra, com um leilão inicial planejado “em breve”. O ministro disse que os títulos serão comercializados para investidores internacionais, sem especificar o volume.

Ucrânia aceita retomar conversa com Rússia na fronteira com Belarus (12h07)

Autoridades ucranianas disseram que se encontrarão com oficiais russos na fronteira com Belarus, logo após Vladimir Putin colocar as forças nucleares russas em alerta máximo. Leia reportagem completa aqui.

No sábado, a Rússia informou que a Ucrânia tinha recusado retomar as negociações propostas em Belarus, segundo o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em uma teleconferência. Peskov afirmou que o presidente Vladimir Putin ordenou que as tropas russas parassem seu avanço na sexta-feira, enquanto os dois lados discutiam a possibilidade de negociações, mas não conseguiram chegar a um acordo sobre um formato ou local.

As forças russas atacaram no domingo Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia. Grande parte da Europa fechou seu espaço aéreo para a Rússia, e as ofertas de assistência militar continuam a chegar.

As nações ocidentais concordaram em excluir alguns bancos russos do sistema de mensagens SWIFT, usado para trilhões de dólares em transações entre bancos em todo o mundo, isolando ainda mais a economia e o sistema financeiro da Rússia.

Rússia coloca forças nucleares em alerta novas sanções (11h02)

O presidente Vladimir Putin ordenou que as forças nucleares estratégicas da Rússia fossem colocadas em alerta máximo, citando o que chamou de declarações “agressivas” dos líderes dos países da OTAN, informou a Tass. Putin fez os comentários neste domingo (27) em uma reunião com seu ministro da Defesa e chefe militar, na qual também chamou de ilegítimas as sanções ocidentais recém-impostas, disse Tass.

A Rússia realizou exercícios envolvendo suas forças nucleares no início deste mês, à medida que as tensões aumentaram, incluindo lançamentos de teste de mísseis.

UE propõe proibição do espaço aéreo para Rússia (10h09)

A União Europeia deve propor neste domingo a proibição de aviões russos no espaço aéreo do bloco, de acordo com um funcionário familiarizado com os planos, que pediu para não ser identificado porque as discussões estão em andamento. Os ministros europeus reunidos neste domingo também discutirão o bloqueio de navios russos nos portos da União Europeia.

Mais de uma dúzia de países europeus, incluindo Irlanda, Bélgica e Alemanha, já fecharam seu espaço aéreo para aviões da Rússia. As novas sanções da União Europeia se aplicariam a todos os 27 membros do bloco.

Ucrânia defende tribunal internacional para Rússia (8h40)

As iniciativas da Rússia durante a invasão mostram “sinais de genocídio”, disse o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy neste domingo em um discurso em vídeo. Ele afirmou que havia falado sobre o assunto com o secretário-geral da ONU, pedindo que fosse retirado da Rússia o direito de voto no Conselho de Segurança da ONU.

“Isso é terror, eles vão bombardear ainda mais nossas cidades”, disse Zelenskiy. “Eles mentiram que não tocariam em civis. Eles conscientemente escolheram táticas para destruir as pessoas e tudo o que torna a vida das pessoas simplesmente normal.”

Suíça decidirá sobre a abordagem a sanções (8h35)

O conselho federal da Suíça se reunirá na segunda-feira para considerar uma posição mais dura sobre as sanções da UE contra indivíduos russos, informaram jornais suíços. O governo discute se tal postura pode afetar a percepção de neutralidade do país e a capacidade de sediar futuras negociações de paz, informou o jornal Sonntagszeitung.

O governo disse na sexta-feira que está impedindo os bancos suíços de abrir novas contas de indivíduos e empresas russas sancionadas. O objetivo é impedir que essas empresas e pessoas possam contornar as sanções da União Europeia. Neste momento, nenhuma conta corrente ou ativos foram congelados.

Dez gregos étnicos mortos em ataques aéreos (8h31)

Dez gregos étnicos foram mortos no sábado por ataques aéreos russos perto da cidade ucraniana de Mariupol, disse o primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis em um post no Twitter pedindo o fim do bombardeio. O Ministério das Relações Exteriores da Grécia já protestou junto ao embaixador russo em Atenas e o convocou para discutir o caso na segunda-feira.

Rússia enfrenta isolamento total, diz Lituânia (8h27)

O ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, disse que os ministros das Relações Exteriores da União Europeia assinarão um terceiro pacote de sanções neste domingo e discutirão um novo pacote de ajuda à Ucrânia. Este não será o fim das sanções e o objetivo é o isolamento total da Rússia por suas ações, disse ele a repórteres em Vilnius no domingo.

Banco Central da Rússia promete muitos rublos (8h25)

Em seu primeiro comentário público desde que os EUA e a União Europeia disseram que congelariam suas reservas cambiais, o Banco da Rússia afirmou que fornecerá suprimentos “ininterruptos” de rublos aos bancos, mas não mencionou o apoio em moeda estrangeira.

O banco central disse que o sistema bancário da Rússia tem recursos adequados para manter o sistema funcionando e evitar ameaças à estabilidade financeira. As transações bancárias domésticas podem ser realizadas por meio do sistema de mensagens financeiras da Rússia, disse, uma aparente referência aos planos dos EUA e da UE de excluir alguns bancos russos do Swift.

Os EUA e a UE disseram no sábado que estão congelando os ativos do banco central russo. Grande parte de seus US$ 640 bilhões em reservas é mantida em dólares e euros.

Itália, Portugal e Grécia fornecem ajuda militar à Ucrânia (8h23)

As ofertas de ajuda militar à Ucrânia continuam a chegar. A Itália está trabalhando em um plano para fornecer à Ucrânia cerca de 500 mísseis Stinger e 1.000 armas antitanque, semelhante a uma proposta feita pela Alemanha, informou o jornal La Repubblica.

Portugal fornecerá equipamentos como capacetes, óculos de visão noturna, granadas, munições diversas, rádios portáteis e fuzis automáticos G3, informou o Ministério da Defesa. A Grécia também está enviando armas e munições.

A República Tcheca despachou um trem para a Ucrânia carregando metralhadoras, rifles, pistolas, munição e munição de artilharia, disse o Ministério da Defesa. A Romênia enviará combustível, munição, coletes à prova de balas, alimentos e equipamentos médicos para a Ucrânia. A Polônia também está enviando um comboio de munições.

Refugiados fogem para a Europa Oriental (8h22)

A Polônia disse que outros 77.300 ucranianos cruzaram sua fronteira apenas no sábado, elevando o número total de pessoas que chegam ao país desde o início da guerra na semana passada para 156 mil. De Varsóvia a Praga, os europeus orientais estavam enviando pacotes de ajuda que incluem sacos de dormir e barracas, enquanto uma grande onda de solidariedade com a Ucrânia atinge a região.

Forças russas atacam a 2ª maior cidade da Ucrânia (8h18)

As tropas russas atacaram Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, com uma população de 1,8 milhões de habitantes. O ataque ocorreu depois que uma nova rodada de sanções foi anunciada para punir o Kremlin por sua invasão.

Autoridades militares ucranianas informaram que continuavam defendendo a cidade. Eles forneceram imagens de veículos russos destruídos nas ruas da cidade. O avanço para Kharkiv, a cerca de 54 quilômetros da fronteira com a Rússia, pode resultar nos combates urbanos mais intensos da invasão até agora.

-- Com informações de Bloomberg News

-- Colaboraram Graciliano Rocha, Isabela Fleischmann e Toni Sciarretta

PUBLICIDADE