PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

EUA e aliados planejam ‘estrangulamento’ financeiro para paralisar Rússia

Plano americano de estabelecer sanções ao Banco Central da Rússia visa levar o rublo, moeda do país, ao colapso

Soldados russos em Moscou
Por Saleha Mohsin
26 de Fevereiro, 2022 | 06:04 pm
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg — Os EUA e seus aliados europeus anunciaram novas e drásticas sanções à Rússia com expectativa de paralisar a economia e sistema financeiro depois que as penalidades iniciais não conseguiram impedir o presidente Vladimir Putin de intensificar a invasão da Ucrânia.

PUBLICIDADE

Os países ocidentais concordaram em excluir alguns bancos russos do sistema de mensagens e transferências internacionais de recursos Swift, usado em transações financeiras de trilhões de dólares entre bancos de todo o mundo.

A medida visa inicialmente bancos russos que já foram sancionados pela comunidade internacional, mas podem ser expandida para outras instituições financeiras russas, se necessário, segundo um porta-voz do governo alemão.

PUBLICIDADE

Além disso, as nações aliadas disseram que agiriam juntas para impor “medidas restritivas que impedirão o Banco Central da Rússia de utilizar suas reservas internacionais de maneira a prejudicar o impacto das sanções”. Mais penalidades contra o banco central podem ser anunciadas neste fim de semana, de acordo com uma autoridade dos EUA. A Rússia tem cerca de US$ 640 bilhões em reservas internacionais.

Veja mais: Ucrânia consegue US$ 5 milhões em crowdfunding com criptomoedas

“A sanção do Banco Central da Rússia provavelmente terá um efeito dramático na economia russa e em seu sistema bancário, semelhante ao que vimos em 1991″, disse Elina Ribakova, vice-economista-chefe do Instituto de Finanças Internacionais. “Isso provavelmente levaria a corridas bancárias maciças e dolarização, com uma forte liquidação, drenagem de reservas – e, possivelmente, um colapso total do sistema financeiro da Rússia”.

O Ocidente está planejando um estrangulamento financeiro na Rússia, enquanto Putin extingue qualquer esperança de diplomacia para acabar com os combates na Ucrânia, ordenando que seus militares avancem no sábado.

As decisões finais não foram tomadas, mas o governo Biden está considerando urgentemente todas as opções na tentativa de impedir Putin de mais devastação na Ucrânia, disseram as pessoas, falando sob condição de anonimato. Os EUA pretendem fazer cada movimento em conjunto com aliados em toda a Europa para obter o máximo impacto, disseram eles.

PUBLICIDADE

“Sancionar o Banco Central da Rússia é o tipo de medida draconiana que empregamos contra o Irã”, disse o deputado French Hill, republicano do Arkansas, no Twitter. “Não vejo por que esperar alguma [nova] estratégia. Putin tomou esta ação catastrófica. Ele precisa pagar o preço máximo agora.”

Uma porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca se recusou a comentar. O Banco da Rússia não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Veja mais: Alemanha envia armas à Ucrânia e admite remoção russa do Swift

O governo Biden já sancionou cinco bancos russos, incluindo o Sberbank e o VTB Group, que juntos respondem por cerca de metade dos ativos bancários do país. A Rússia tem mais de 360 bancos licenciados no início do ano.

Enquanto isso, a Alemanha está “trabalhando em como limitar os danos colaterais da dissociação da Swift de forma que afete as pessoas certas”, disseram em comunicado a ministra das Relações Exteriores Annalena Baerbock e o vice-chanceler Robert Habeck. Os EUA estão considerando um movimento semelhante.

Embora a Rússia tenha reduzido constantemente sua dependência de moeda estrangeira, o Banco Central ainda tinha 16,4% de suas participações em dólares no final de junho de 2021, de acordo com os dados oficiais mais recentes, abaixo dos 22,2% do ano anterior. A quota do euro subiu 32,2%.

PUBLICIDADE

Ao visar o Banco Central, os EUA podem complicar a promulgação da política monetária ao remover uma fonte potencial de dinheiro para o governo.

Perder o acesso a fundos no exterior reduziria a margem de manobra do Banco Central da Rússia, que tenta sustentar o rublo no mercado de câmbio com a venda de moeda forte. As intervenções diretas, anunciadas esta semana depois que Putin ordenou que seus militares atacassem a Ucrânia, marcam a primeira vez que o Banco da Rússia entrou no mercado desde 2014.

A medida seria “devastadora” para a Rússia, de acordo com Tim Ash, estrategista da Bluebay Asset Management em Londres. “Nós veríamos a queda do rublo.”

Irã e Venezuela: Embora a decisão seja sem precedentes para uma economia do tamanho da Rússia, os EUA já sancionaram os bancos centrais dos adversários. Em 2019, o Departamento do Tesouro colocou na lista negra as autoridades monetárias do Irã e da Venezuela por canalizar dinheiro que apoiava atividades desestabilizadoras nas respectivas regiões. O Banco Central da Coreia do Norte também está na lista.

PUBLICIDADE

O Banco da Rússia manteve 22% de suas reservas em ouro, a maioria das quais é mantida internamente e estaria fora do alcance das sanções ocidentais, enquanto cerca de 13% das participações do Banco Central estavam em yuan.

A Rússia ainda tem cerca de US$ 300 bilhões em moeda estrangeira no exterior - o suficiente para atrapalhar os mercados monetários se forem congelados por sanções, de acordo com o estrategista do Credit Suisse Group AG, Zoltan Pozsar.

Em um relatório desta semana que analisou dados do Banco Central e dos mercados financeiros, Pozsar calculou que uma parcela muito maior é mantida em dólares do que os números oficiais sugerem. A exposição ao dólar do Banco da Rússia é de cerca de 50%, estima o Credit Suisse.

Veja mais: Hackers destruíram dados de agência ucraniana antes de invasão

PUBLICIDADE

Quaisquer reservas não declaradas seriam muito mais difíceis de rastrear e punir com sanções, embora aumente o potencial para os EUA e outros visarem mais contas - se puderem identificar onde está esse dinheiro. Pozsar disse em sua nota que as participações em moeda offshore que ele descreveu podem ser vulneráveis a sanções, ou serem movidas para fora de seu alcance potencial, potencialmente alimentando ainda mais a desdolarização.

Sancionar o Banco Central também pode afetar a capacidade do país de facilitar o comércio e prejudicar sua capacidade de promover investimentos internacionais.

No caso do Irã, quando o governo Trump atacou o Banco Central do país em 2019, restava pouco da economia da República Islâmica que não havia sido penalizada, com os EUA já decretando sanções substanciais ao seu setor bancário.

Isso aumentou ainda mais o efeito assustador das sanções sobre fazer negócios com o Irã, impediu o Banco Central iraniano de acessar seus direitos especiais de saque sob o Fundo Monetário Internacional.

PUBLICIDADE

Caso as sanções contra o Banco da Rússia sejam modeladas de acordo com as impostas ao Irã, elas provavelmente resultarão em um congelamento de ativos em dólares e euros e podem se estender a ienes e outras moedas, exceto yuan, de acordo com Oleg Vyugin, um veterano banqueiro russo. e ex-primeiro vice-presidente do Banco Central.

‘Último passo’: “As sanções contra o Banco Central são o último passo”, disse ele. “É uma fórmula testada no Irã, que inicialmente resulta no declínio mais profundo da economia, produção e renda familiar. E então um país começa a se adaptar.”

A Rússia também pode não necessariamente poder contar com todas as instituições financeiras chinesas. Pelo menos dois dos maiores bancos estatais da China estão restringindo o financiamento para compras de commodities russas, informou a Bloomberg na sexta-feira.

Outras sanções financeiras que ainda podem estar na mesa incluem a proibição de fundos de pensão públicos ocidentais investirem em ativos russos e a exclusão do país do Emerging Market Bond Index do JPMorgan Chase & Co. Cinzas.

PUBLICIDADE

Sanções de bloqueio total contra alguns bancos russos já devem impedir sua capacidade de realizar pagamentos em dólares com contrapartes dos EUA, mesmo que mantenham acesso ao serviço global de mensagens.

Os bancos também podem recorrer a sistemas alternativos e até se comunicar por e-mail para enviar instruções de pagamento, disse Julia Friedlander, membro sênior do Atlantic Council.

Ainda assim, “é como um chute nas canelas”, disse ela. “As transações com a Rússia seriam mais lentas e mais caras. Um corte repentino também manterá muitos ativos atuais no limbo, para corporações e bancos.”

--Com assistência de Alberto Nardelli, Golnar Motevalli e Arne Delfs.

PUBLICIDADE

Veja também:

Venture capital: Volatilidade afeta receita, mas crescimento de startups compensa

Você apoia democracia, mas anda insatisfeito? Muita gente se sente assim