PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

União Europeia proíbe voos russos na tentativa de controlar Putin

A ação coletiva se aplica a qualquer avião de propriedade, fretado ou controlado por russos

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou a medida neste domingo. Foto: Thierry Monasse/Bloomberg
Por Anthony Palazzo
27 de Fevereiro, 2022 | 04:14 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A União Europeia vai fechar seu espaço aéreo para a Rússia, em uma tentativa de isolar ainda mais o presidente Vladimir Putin depois que ele ordenou que suas tropas invadissem a vizinha Ucrânia.

PUBLICIDADE

A ação coletiva se aplica a qualquer avião de propriedade, fretado ou controlado por uma pessoa russa, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no domingo, ao anunciar a medida.

“Então deixe-me ser clara”, disse ela a repórteres em Bruxelas. “Nosso espaço aéreo será fechado para todos os aviões russos, e isso inclui os jatos particulares dos oligarcas.”

PUBLICIDADE

A medida faz parte de uma série de auxílios à Ucrânia - desde envio de ajuda até restrições de voos - que nações ocidentais têm feito para punir Putin, pressionar os mais próximos a ele e persuadir o presidente a recuar.

Guerra Fria

Os maiores membros da UE, incluindo França e Alemanha, barraram os aviões russos mais cedo. As companhias aéreas de ambos os lados da divisão já estavam sentindo os efeitos das medidas recíprocas que definiram as condições operacionais décadas atrás, remontando às proibições da era da Guerra Fria em voos ocidentais pela Sibéria.

O acesso direto da Aeroflot aos pontos ocidentais foi bloqueado, forçando a operadora a se desviar muito para o norte ou para o sul. Moscou respondeu bloqueando o acesso ao espaço aéreo russo - um caminho fundamental para viagens de longa distância com a Ásia - para companhias aéreas do Reino Unido e vários países europeus em retaliação.

Isso, juntamente com as sanções da UE sobre peças de aeronaves, forçou algumas empresas a suspender voos para Rússia ou que tivessem que passar pela Rússia para destinos como Xangai, Seul e Hong Kong.

Dores das companhias aéreas

A Air France e a Finnair Oyj estavam entre as companhias aéreas que suspenderam voos para a Ásia. A linha aérea francesa disse que está estudando alternativas para restaurar o serviço, evitando o espaço aéreo russo. Já a Finnair citou o tempo extra e o custo do combustível.

PUBLICIDADE

“Para muitos de nossos voos no nordeste da Ásia, o reencaminhamento significaria um tempo de voo consideravelmente maior e as operações não seriam economicamente viáveis”, disse a operadora escandinava.

A antiga União Soviética abriu o espaço aéreo da Sibéria para um grupo de companhias aéreas ocidentais em 1970, reduzindo o tempo de viagem entre a Europa e o Japão em até três horas. Os sobrevoos foram proibidos por anos com base na falta de instalações aeroportuárias e de navegação, informou o New York Times na época - embora observadores ocidentais suspeitassem que a segurança fosse o principal fator.

As taxas de sobrevoo e pouso geram hoje centenas de milhões de dólares por ano para Moscou e Aeroflot.

As empresas da UE agora estão impedidas de proverem seguro a aviões e tecnologias russas, disse Adina Valean, comissária de transporte do bloco, no Twitter. Bens e tecnologia de aeronaves, incluindo peças de reposição e reparos, também estão inclusos na medida, disse ela.

Repositório de aeronaves

As repercussões econômicas para as operadoras se acumularam rapidamente.

A Virgin Atlantic Airways Ltd. suspendeu na sexta-feira uma rota apenas de carga do aeroporto de Heathrow, em Londres, para Xangai, em um exemplo de como as ações podem ir além das companhias aéreas para ter um impacto mais amplo na atividade comercial.

PUBLICIDADE

O braço holandês da Air France, a KLM, a alemã Lufthansa e a húngara Wizz Air Holdings disseram que suspenderiam voos de ou para a Rússia por sete dias.

A KLM citou as sanções da UE que impedem o envio de peças de aeronaves para a Rússia, mesmo para seus próprios aviões.

“Isso significa que a KLM não pode mais garantir que os voos para a Rússia ou que passem pelo território russo possam retornar com segurança”, disse a companhia aérea. A Wizz também citou a proibição de peças de reposição.

Quatro aeronaves Wizz permanecem retidas na Ucrânia e, com seu espaço aéreo doméstico fechado, a Ukraine International Airlines estendeu a suspensão de voos até 23 de março.

PUBLICIDADE

As operadoras também estavam avaliando como sanções, como possíveis proibições à Rússia do sistema de pagamentos internacionais SWIFT, poderiam afetar o acesso às aeronaves e a capacidade de voar.

Dezenas de aeronaves alugadas operadas pela Aeroflot e outras linhas aéreas russas podem estar vulneráveis à reintegração de posse, de acordo com analistas da consultoria de aviação IBA.

--Com a assistência de Andrew Davis, John Martens, Christopher Jasper e Danny Lee.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também