Brasil

Em evento do BTG, Bolsonaro liga PT a liberação de drogas e aborto

Em desvantagem nas principais pesquisas, presidente adota discurso voltado a costumes

Em fala a investidores, Bolsonaro diz que eleição de Lula seria "volta" do comunismo ao Brasil
23 de Fevereiro, 2022 | 07:04 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Em discurso durante evento voltado a investidores organizado pelo banco BTG Pactual, o presidente Jair Bolsonaro (PL) atacou o ex-presidente Lula (PT), seu principal adversário nas eleições deste ano, sem citá-lo nominalmente, e atribuiu ao petista o que seria um programa de governo que inclui a reestatização de empresas privatizadas, legalização do aborto e das drogas.

“O que os senhores achariam se estas medidas fossem implementadas: se revogarmos a autonomia do Banco Central, a reforma trabalhista, se retornar o imposto sindical, se reestatizarmos as empresas que foram desestatizadas, se o governo começar a interferir nos preços da Petrobras e da energia, se viermos a fortalecer o MST?”, disse.

Veja mais: Eleições: por que a terceira via ainda é um desafio à matemática

E prosseguiu: “Se fizéssemos campanha para retirar as armas do cidadão de bem, se desmilitarizarmos as polícias militares, se extinguirmos os colégios cívico-militares, se liberarmos as drogas no Brasil, se legalizarmos o aborto, se voltarmos a nos aproximar de Cuba e de outras ditaduras pelo mundo. Apenas faço essas perguntas porque o outro lado defende tudo isso daí. Não é um debate. Se isso tudo fosse botado em prática, como estaria a economia do Brasil?”, discursou.

PUBLICIDADE

Depois, questionou: “Isso não representa nada para a classe pensante no Brasil? Ou podemos voltar a flertar com o comunismo?”. “O que falta é responsabilidade.”

Veja mais: Ciro diz a investidores que não existe desenvolvimento sem ‘Estado forte’

Bolsonaro e Lula vêm despontando como os principais candidatos nas eleições deste ano. O ex-presidente mantém dianteira, segundo os principais institutos de pesquisa.

O petista vem criticando a política de preços da Petrobras, de se atrelar às variações do mercado internacional, à reforma trabalhista e à privatização da Eletrobras, recentemente liberada pelo TCU (Tribunal de Contas da União).

PUBLICIDADE

Apoiadores do presidente usaram o mote da liberação do aborto na Colômbia, em decisão da corte constitucional daquele país, para fazer críticas ao PT e a Lula.

Nesta quarta, na tribuna da Câmara, Otoni de Paula (PSC-RJ) acusou o partido de apoiar o aborto. Vice de Haddad em 2018, a ex-deputada Manuela D’Ávila (PCdoB/RS) celebrou a decisão do Judiciário colombiano como “histórico” em um tuíte, apagado depois.

O print do tuíte tem sido divulgado nas redes sociais por apoiadores do presidente.

Leia também:

Moro: ‘Não faz sentido abdicar, se tenho mais chance de derrotar extremos’

Eleições: Gráficos mostram avanço de Bolsonaro após Auxílio Brasil

Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.