Brasil

Ciro diz a investidores que não existe desenvolvimento sem ‘Estado forte’

“Pouco interessa o discurso, o que funciona é a participação de Estados nacionais poderosos”, disse o candidato

"O que importa é o que Deng Xiaoping dizia; não é a cor do gato, é que ele cace o rato", diz Ciro em evento com investidores
23 de Fevereiro, 2022 | 04:36 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — O ex-ministro Ciro Gomes, candidato a presidente pelo PDT, disse nesta quarta-feira (23) a investidores que a saída para o desenvolvimento do Brasil passa por um “Estado forte”. “Defendo a lei do menor esforço. Nenhum país prosperou sem o Estado forte e sem uma iniciativa privada poderosa”, afirmou.

Veja também: Arthur Lira pressiona Senado a votar reformas

“Qual foi o país do mundo que conseguiu esse êxito civilizatório extraordinário dos Estados Unidos e da Europa Ocidental na história, e dos asiáticos na modernidade, sem um Estado nacional forte? Esqueçam a retórica. O que funciona, e pouco interessa o discurso, é a sólida participação de Estados nacionais poderosos. E o constrangimento é que nem democracias precisam ser: China”, disse.

Segundo ele, “o que importa é o que Deng Xiaoping dizia: ‘Não é a cor do gato, mas que ele cace o rato’”.

PUBLICIDADE

A fala de Ciro foi em resposta a uma pergunta sobre suas ideias para reformas na economia brasileira. Ele disse, então, que quer transformar a eleição num “plebiscito programático”, para que as pessoas votem nas ideias, e não só nos candidatos.

Temos que sair do debate ideológico de simplificações grosseiras e fazer um plano. Qual é o objetivo do país? Temos que hierarquizar prioridades”, disse.

Leia também:

Fundos dos EUA cortam ações tech e Goldman vê ‘mudança de regime’

A governança deve superar a ideologia nas eleições da América Latina

Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.