Mercados

Wall Street tem novos recordes antes de decisão do Fed

Foi o terceiro dia seguido de recordes em NY; margens seguem altas apesar de aumento de preços de commodities e problemas na cadeia de suprimentos

Wall Street tem novo dia de recordes na véspera de decisão do Fed
Por Rita Nazareth e Nathan Hager
02 de Novembro, 2021 | 05:50 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A implacável alta das ações empurrou os principais benchmarks dos EUA para seus máximos históricos apenas um dia antes da decisão de política monetária do Federal Reserve.

O que sustenta essa força é o fato de que as margens de lucro têm se mantido incrivelmente altas, apesar do aumento nos preços das commodities e dos problemas da cadeia de suprimentos. Muitas empresas conseguiram repassar os custos crescentes aos consumidores, com a maioria superando as estimativas de lucro. Independentemente do que o Federal Reserve possa dizer ou fazer nesta quarta, há uma percepção de que os EUA ainda terão taxas comparativamente baixas, o que é um bom presságio para as ações.

“Embora a vantagem para as ações possa estar desacelerando em relação ao que vimos ao longo dos últimos 18 meses, a realidade ainda é que há uma base sólida para que os ativos de risco continuem a ter um bom desempenho”, disse Ian Lyngen, estrategista da BMO Capital Markets, à Bloomberg TV nesta terça-feira.

O rendimentos títulos do Tesouro de dois anos se juntaram a uma queda global nas taxas de curto prazo, desencadeada pela declaração dovish do banco central australiano apenas um dia antes da decisão do Fed. Com os membros do comitê de política monetária dos EUA esperando para começar a reduzir seu programa de compra de ativos em breve, os economistas entrevistados pela Bloomberg estão intimamente divididos sobre se o aumento da taxa será no próximo ano ou no início de 2023.

PUBLICIDADE

“O Fed administrou as expectativas perfeitamente em termos de preparar os mercados para o que provavelmente será uma redução da velocidade”, disse Win Thin, chefe global de estratégia cambial da Brown Brothers Harriman. “A maioria das autoridades parece concordar que é melhor diminuir o mais rapidamente possível, a fim de deixar o Fed a flexibilidade máxima para aumentar as taxas quando necessário.”

Alguns destaques corporativos:

  • As ações da Tesla Inc. recuaram após o bilionário Elon Musk lançar dúvidas sobre o plano da Hertz Global Holdings Inc. de comprar 100 mil veículos elétricos, além de minimizar o potencial do negócio.
  • Avis Budget Group Inc. disparou em meio a uma forte atividades do varejo, já que a locadora de automóveis disse que terá um grande papel na adoção de veículos elétricos nos EUA.
  • A Pfizer Inc. subiu depois de aumentar sua previsão para o ano com a força de suas vendas de vacinas Covid-19. A empresa também projetou receita em 2022 acima das expectativas dos analistas.
  • A Under Armour Inc. deu um salto após a fabricante de equipamentos esportivos elevar suas perspectivas e divulgar receitas que superaram as estimativas.

Após a recente recuperação das ações, os indicadores técnicos estão sinalizando maior volatilidade. O S&P 500 não está apenas ultrapassando os limites de seus suportes de negócios - construído em torno de médias móveis de preços - mas o aumento de suas bandas superior e inferior também pode ser um precursor de oscilações maiores. Além disso, o índice de força relativa de 14 dias do indicador está em torno de 70, o que é visto por alguns traders como um limite para ser considerado como “overbought”.

Aqui estão alguns eventos para assistir esta semana:

PUBLICIDADE
  • Decisão de taxa do Fed, pedidos de fábricas e bens duráveis dos EUA, quarta-feira
  • reunião sobre produção da Opep+, quinta-feira
  • Decisão sobre a taxa do Banco da Inglaterra, quinta-feira
  • Comércio dos EUA, pedidos iniciais de seguro-desemprego, quinta-feira
  • Desemprego nos EUA, folhas de pagamento não agrícolas, sexta-feira

Alguns dos principais movimentos nos mercados:

Ações

  • O S&P 500 fechou com alta de subiu 0,37%, marcando 4.630,65 pontos, novo recorde
  • O Nasdaq subiu 0,34%
  • O Dow Jones subiu 0,39%
  • O índice MSCI World subiu 0,1%

Moedas

  • O Bloomberg Dollar Spot Index subiu 0,2%
  • O euro caiu 0,2% para US$ 1,1582
  • A libra esterlina caiu 0,4% para US$ 1,3616
  • O iene japonês pouco mudou em 113,95 por dólar

Renda fixa

  • O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos recuou 2 pontos base para 1,54%
  • O rendimento de 10 anos da Alemanha caiu seis pontos-base para -0,16%
  • O rendimento de 10 anos do Reino Unido caiu dois pontos-base para 1,04%

Commodities

  • O petróleo bruto West Texas Intermediate caiu 0,6%, para US$ 83,53 o barril
  • Os futuros do ouro caíram 0,4% para $ 1.788,60 a onça

--Com assistência de Andreea Papuc, Srinivasan Sivabalan, Sophie Caronello, Emily Graffeo e Kamaron Leach.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Papéis brasileiros recuam nos EUA apesar de recorde em Wall Street

Bolsa de Paris sobe com luxo e tem 1º recorde desde a bolha da internet

Preços de lajes comerciais no coração financeiro da Faria Lima explodem