PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Vacina e metas climáticas ganham força na agenda da Assembleia Geral da ONU

Evento ocorrerá de 20 a 27 de setembro, em Nova York, de forma híbrida, depois de ter sido realizado virtualmente no ano passado. O presidente Jair Bolsonaro já confirmou sua presença

Na terça-feira, Bangladesh iniciou uma campanha de vacinação COVID-19 para refugiados Rohingya. Quase 48 mil refugiados Rohingya serão vacinados com a ajuda das agências da ONU
Por David Wainer
18 de Setembro, 2021 | 03:01 pm
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg — Expandir o acesso a vacinas contra Covid-19 e enfrentar os crescentes perigos da mudança climática são dois temas que dominarão os debates da próxima reunião da Organização das Nações Unidas, que volta a acontecer presencialmente, depois de ser realizada de forma virtual em 2020.

Mais 100 líderes mundiais são esperados para a Assembleia Geral anual da ONU, uma grande mudança em relação ao ano passado, quando o mundo lutou contra a pandemia ainda sem vacina. Agora, enquanto as nações debatem como distribuir bilhões de doses e o aumento dos impactos extremos dos eventos climáticos, o encontro está de volta em um modelo híbrido.

PUBLICIDADE

Veja mais: Biden planeja conferência sobre vacinas em Assembleia da ONU

Os chefes de estado programados para participar do evento de 20 a 27 de setembro incluem o presidente dos EUA, Joe Biden, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan e o presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Entre os que não comparecerão estão Vladimir Putin da Rússia e Xi Jinping da China, que regularmente pulam a assembleia da ONU, bem como Emmanuel Macron da França e Ebrahim Raisi, o novo presidente do Irã.

A comitiva que acompanha os líderes visitantes não será tão grande quanto no passado. As delegações estão limitadas a quatro membros cada no salão principal, enquanto os eventos paralelos serão em sua maioria virtuais. Isso é um aceno para a dolorosa realidade da Covid, mais de 18 meses após o surgimento do surto: a ONU quer que os diplomatas usem o tempo frente a frente para lidar sobre questões de crise, mas não querem ser lembrados por realizar um evento super-propagador.

PUBLICIDADE

“Esta não é a melhor solução”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, aos repórteres que se dirigiam para o evento. “Vamos tentar torná-la o segundo melhor, mobilizando todos os nossos recursos para permitir o máximo de interação.”

Frequentemente criticado, o órgão mundial vai para o encontro deste ano com uma avaliação positiva do público. Uma nova análise do Pew Research Center conclui que a ONU é vista de uma maneira positiva pela maioria dos pesquisados este ano, com uma mediana de 67% expressando uma opinião favorável, incluindo 59% nos EUA.

Principais temas e bastidores da próxima Assembleia Geral da ONU

  • Clima

Guterres e Johnson do Reino Unido estão convocando uma reunião informal a portas fechadas na segunda-feira, em um esforço para fazer os países chegarem a um acordo sobre compromissos mais ousados antes da cúpula do clima COP26 em Glasgow, Escócia, em novembro.

Líderes dos maiores emissores do mundo, incluindo os EUA, China e Austrália, bem como pequenos estados insulares mais imediatamente afetados pela elevação do nível do mar foram convidados a participar. Guterres disse que a ideia é “fazer um esforço para construir confiança, para permitir que essa tripla ambição seja alcançada antes da COP 26: ambição em finanças, ambição em adaptação, ambição em mitigação”.

A comunidade internacional precisa levantar “US$ 100 bilhões para financiar a adaptação e resiliência para países vulneráveis ao clima”, de acordo com a Embaixadora do Reino Unido Barbara Woodward. Isso significa “obter planos ambiciosos de países que não estabeleceram como reduzirão suas emissões, particularmente eliminando o carvão e revitalizando e protegendo a natureza”, disse ela.

  • Vacinas

Biden sediará uma cúpula virtual na quarta-feira que se concentrará em medidas concretas para pôr fim à pandemia. Biden planeja convocar líderes mundiais para doar coletivamente um bilhão de vacinas contra Covid-19, com o objetivo de inocular 70% do mundo no próximo ano, já que muitos países estão lutando para obter o imunizante.

PUBLICIDADE

Os EUA também vão pedir a doação e entrega de um bilhão de kits de teste até 2022 e uma aceleração da promessa anteriormente anunciada de dois bilhões de doses, segundo convite do governo Biden. O documento os descreve como “alvos de rascunho”.

Veja mais: Clique aqui para ver o monitor Covid-19 da Bloomberg Línea.

O apelo surge em meio à controvérsia sobre a eficácia e moralidade dos países que consideram aplicar doses de reforço para suas populações já vacinadas, enquanto centenas de milhões aguardam sua primeira dose.

PUBLICIDADE

Israel administrou milhões de doses de reforço e está se preparando para o caso de uma quarta rodada ser necessária. Os EUA podem começar a oferecer reforços ainda neste mês, pelo menos para aqueles que devem ser vulneráveis a doenças graves, enquanto o Reino Unido e a Europa também estão considerando a terceira dose. A China aprovou o uso de reforços para residentes de alto risco.

  • Afeganistão

Em seu primeiro discurso no pódio da ONU, Biden tentará, na terça-feira, assegurar ao mundo que a América ainda é um líder confiável no cenário multilateral, apesar de sua retirada precipitada do Afeganistão, depois que o Taleban tomou Cabul.

Com o alerta da ONU sobre uma “catástrofe humanitária” se a ajuda não continuar a fluir para o país devastado pela guerra, o corpo global está em um beco sem saída. Poucas nações querem reconhecer ou fornecer apoio financeiro ao governo do Taleban, que inclui terroristas sancionados e tem uma longa história de abuso dos direitos humanos, mas também não querem a retirada de forças estrangeiras para não provocar uma crise de refugiados ou problemas mais profundos.

Os ministros das Relações Exteriores dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - EUA, Rússia, Reino Unido, China e França - devem discutir o Afeganistão em uma reunião na quarta-feira.

PUBLICIDADE
  • Irã

O novo presidente do Irã não aparecerá, mas o ministro das Relações Exteriores, Hossein Amirabdollahian, representará a República Islâmica enquanto as negociações sobre o acordo nuclear, apoiado pela ONU, continuam paralisadas e os aliados dos EUA e do Ocidente alertam que o tempo está se esgotando para manter o acordo vivo.

A Agência Internacional de Energia Atômica conseguiu algum tempo para os negociadores, fechando um acordo com Teerã neste mês que permite que monitores substituam câmeras de vigilância danificadas e cartões de memória cheios em locais atômicos iranianos.

A Assembleia da ONU tem frequentemente servido como um lugar para diplomatas tentarem intermediar um acordo sobre as atividades nucleares do Irã. Desta vez, os EUA e seus aliados alertaram que o enriquecimento contínuo do Irã de material nuclear em breve significará que o acordo de 2015 não valerá a pena ser mantido.

  • Embaixadores Renegados

O pódio da ONU há muito é palco de momentos icônicos: o presidente venezuelano, Hugo Chávez, se exibindo sobre o cheiro de “enxofre” após o discurso do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush; o então primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu acenando com o desenho de uma bomba nuclear em estilo cartoon; e Evo Morales da Bolívia segurando uma folha de coca, o principal ingrediente da cocaína e um símbolo da cultura indígena andina.

PUBLICIDADE

Os discursos deste ano prometem um tipo diferente de drama. Embora as credenciais do atual embaixador de Mianmar, Kyaw Moe Tun, tenham sido contestadas pela junta que tomou o poder em um golpe este ano, o enviado permanece no cargo e provavelmente fará um discurso perante a assembleia. O atual embaixador do Afeganistão, nomeado pelo governo deposto do presidente Ashraf Ghani, também deve falar porque os novos governantes talibãs do país não contestaram suas credenciais.

  • Quad Alliance

A próxima semana terminará com os líderes de alguns dos aliados mais próximos da América na Ásia - o primeiro-ministro australiano Scott Morrison, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi e o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga - indo a Washington para a primeira reunião presencial do Quad bloco na sexta-feira.

A aliança das nações do Indo-Pacífico é amplamente vista como uma tentativa de colocar uma frente unida contra as ambições da China na região, e a reunião provavelmente atrairá críticas de Pequim.

A reunião entre Morrison e Biden será impulsionada pelo novo acordo de submarinos fechado entre Reino Unido, EUA e Austrália. Isso afundou um acordo de US$ 65 bilhões entre a Austrália e a França, levando o ministro francês das Relações Exteriores a dizer que se sentiu “apunhalado pelas costas” e o governo francês a chamar de volta seus embaixadores nos EUA e na Austrália.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Resgate de passagem com milhas tem retomada com avanço da vacinação

Como investir no mercado de cannabis estando no Brasil


PUBLICIDADE