PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Biden ecoa Trump em desentendimento com aliados após recuo da França

Oito meses depois de assumir, aumentou a preocupação de que o presidente americano não seja tão seguro em assuntos internacionais como anunciado

Apesar de suas repetidas promessas de colocar os aliados dos EUA no centro da política externa, Biden os deixou se sentindo rejeitados e com raiva
Por Nick Wadhams
18 de Setembro, 2021 | 12:39 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — O presidente americano Joe Biden assumiu o cargo prometendo restaurar a competência da política externa dos Estados Unidos após quatro anos da bomba diplomática de Donald Trump.

Mas, oito meses depois, uma série de passos em falso irritou aliados, atraiu críticas até mesmo de apoiadores e aumentou a preocupação de que Biden não seja tão seguro em assuntos internacionais como anunciado. Na tarde de sexta-feira, a França chamou de volta seu embaixador, uma escalada dramática na tensão entre os dois aliados.

PUBLICIDADE

A razão mais imediata para o descontentamento da França foi a decisão da Austrália de descartar um contrato de submarino de US$ 66 bilhões em favor da tecnologia dos Estados Unidos e do Reino Unido. A França também chamou seu embaixador na Austrália, mas as autoridades ficaram especialmente irritadas com o fato de os Estados Unidos não informarem seu aliado mais antigo com antecedência de que o negócio estava em andamento.

A decisão do submarino foi um comportamento inaceitável que perturba a própria “concepção que temos de nossas alianças, nossas parcerias e a importância do Indo-Pacífico para a Europa”, disse o ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, em um comunicado.

Numerosos funcionários dos EUA rejeitaram a indignação francesa como sendo pouco mais do que penas irritadas e postura antes das eleições presidenciais do próximo ano. Mas a mudança para destituir o embaixador Philippe Etienne mostrou como o governo Biden havia julgado mal a resposta francesa. Ele também se encaixa em um padrão mais amplo, em que Biden, apesar de suas repetidas promessas de colocar os aliados dos EUA no centro da política externa, os deixou se sentindo rejeitados e com raiva.

PUBLICIDADE

“Você só tem que esperar mais movimentos unilaterais dos EUA quando isso serve aos interesses deles, apesar de suas boas palavras aos aliados”, disse Celia Belin, uma pesquisadora visitante no Centro para os Estados Unidos e Europa na Instituição Brookings. “Acho que os europeus acreditam que são considerados óbvios.”

Em um comunicado na noite da última sexta-feira (17), a Casa Branca parecia estar buscando uma reaproximação. “Temos mantido contato direto com nossos parceiros franceses sobre sua decisão de chamar de volta o embaixador Etienne a Paris para consultas”, disse Emily Horne, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional. “Compreendemos a posição deles e continuaremos nos empenhando nos próximos dias para resolver nossas diferenças, como fizemos em outros pontos ao longo de nossa longa aliança”.

No entanto, mesmo antes da decisão do submarino, os críticos europeus argumentaram que as ações de Biden em relação à Europa não correspondiam às suas promessas de amizade. Ele incomodou os aliados da OTAN com sua decisão de prosseguir com uma retirada rápida do Afeganistão, acelerada ainda mais pela tomada de controle do Taleban.

Veja mais: Vinte anos após o 11 de setembro, EUA precisam de nova estratégia contra ataques

As nações europeias, incluindo a França, também ficaram furiosas durante todo o verão com a recusa de Biden em suspender as restrições de viagens relacionadas ao coronavírus em voos do continente, embora a Europa estivesse permitindo a visita dos americanos.

Biden deixou a Polônia e a Ucrânia sentindo-se rejeitados ao abandonar os esforços para interromper o gasoduto Nord Stream 2 da Rússia à Alemanha, que os críticos argumentaram que prejudicaria a segurança europeia.

PUBLICIDADE

Para alguns aliados, não era a política dos EUA o problema: poucos discordaram que era hora de encerrar a guerra no Afeganistão ou, no caso do acordo submarino, de fortalecer as capacidades militares para enfrentar uma China mais assertiva no Indo-Pacífico. O que importava, em vez disso, era a execução, marcada pelos tipos de descuidos e erros que a equipe de Biden garantiu a todos que eles não cometeriam.

Le Drian havia falado em nome de muitas autoridades europeias quando anteriormente havia criticado a forma como Biden lidou com a questão do submarino.

“Esta decisão brutal, unilateral e imprevisível me lembra muito o que o Sr. Trump costumava fazer”, disse Le Drian a uma rádio francesa depois que a decisão do submarino foi anunciada. “Estou zangado e amargo. Isso não é feito entre aliados. "

PUBLICIDADE

Alguns funcionários dos EUA em particular rejeitaram a fúria pública de Le Drian como um acesso de raiva, contando piadas sobre a mesquinhez francesa quando a embaixada em Washington cancelou uma festa de aniversário de gala marcada para sexta-feira. Mais seriamente, eles argumentaram que era responsabilidade da Austrália informar a França de sua decisão.

Le Drian é um ex-ministro da Defesa que ajudou pessoalmente a negociar o contrato australiano, e o projeto significaria empregos para sua cidade natal, L’Orient. A Austrália já havia levantado preocupações de que o projeto estava se movendo lentamente e os submarinos não estariam suficientemente avançados.

Questionado sobre o que Biden achou do comentário de Le Drian na quinta-feira, a secretária de imprensa da Casa Branca Jen Psaki respondeu: “Eu diria que o presidente não pensa muito nisso”.

Desafio China

Os movimentos da equipe de Biden provocaram alguma reação do tipo “eu avisei” por parte dos membros da administração Trump, que viram as disputas como inevitáveis porque muitos dos objetivos de política externa de Biden não são tão diferentes dos de Trump.

PUBLICIDADE

Como Trump, Biden queria sair do Afeganistão a quase qualquer custo, e ele acredita que a concorrência com a China será um desafio central nas próximas décadas.

“Apesar de toda a retórica de Biden sobre não ser Trump, uma vez que ele assume o cargo, a realidade é que temos que tomar decisões das quais nossos aliados podem não gostar, e isso não vai embora só porque ele aparece e proclama este momento nirvana”, disse Wess Mitchell, ex-secretário de Estado assistente para a Europa no governo de Trump.

“Perdemos uma grande oportunidade de mostrar a unidade aliada na China e, em vez disso, demos a Pequim a oportunidade de destacar os frágeis laços dos EUA com a França.”

Estratégia Indo-Pacífica

Psaki insinuou a mudança de prioridades, sugerindo que conforme os EUA ajustassem seu foco para o Indo-Pacífico, sua parceria com a França se tornaria menos importante.

PUBLICIDADE

“Nossos recursos como país, como equipe de segurança nacional, não são ilimitados”, disse Psaki, acrescentando que o acordo de Biden com a Austrália visava “avançar para a segurança no Indo-Pacífico”.

Mas para os defensores da França, essa retirada ignorou o significado mais amplo do negócio e a perspectiva de que ele pode enfraquecer aqueles na França que buscam laços mais estreitos com os EUA. O contrato não era apenas uma venda de submarino com um alto preço. Foi um elemento-chave do pensamento estratégico da França para o Indo-Pacífico, um plano que deveria incluir compartilhamento de inteligência, exercícios conjuntos e uma presença intensificada em uma região onde a França já tem uma grande pegada.

Para a Casa Branca, “este negócio é percebido apenas como um contrato comercial com dimensões econômicas”, disse Pierre Morcos, pesquisador visitante do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. “Eles não veem que para a França é realmente mais do que isso - é parte de uma parceria estratégica mais ampla que deveria durar pelas próximas cinco décadas.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Biden sugeriu encontro com Xi Jinping, mas líder chinês recusou

Como investir no mercado de cannabis estando no Brasil

PUBLICIDADE