Negócios

Em recuperação judicial, Latam nega estar à venda e diz preparar reorganização

Companhia aérea diz preparar plano de reestruturação que o mercado espera para o próximo dia 15 de setembro

Desfecho da situação da Latam é acompanhado pelo trade turístico com ansiedade, já que pode faltar avião para atender à demanda reprimida de turistas no fim do ano
31 de Agosto, 2021 | 06:59 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — A companhia aérea Latam Brasil informou, nesta terça-feira (31), que não está à venda e que ainda prepara seu plano de reorganização para sair de recuperação judicial ainda neste ano. A Azul demonstra interesse em adquirir a operação brasileira. A expectativa do mercado é que a Latam apresente esse plano no dia 15 de setembro.

“A Latam não está à venda e não comenta sobre as intenções da Azul. A companhia está se preparando para entregar seu plano de reorganização no contexto do Chapter 11 com previsão de saída ainda este ano, se reerguendo com mais eficiência e custos mais enxutos em suas operações nacionais e internacionais”, comentou a Latam, em nota enviada pela sua assessoria de imprensa à Bloomberg Línea, ao ser questionada sobre a data de apresentação do plano de reestruturação.

Caso a proposta de reorganização seja aceita, a Latam poderá abandonar o Chapter 11 da Lei de Falências dos Estados Unidos, que permite um prazo para que as empresas se reorganizem financeiramente. O trade turístico aguarda o desfecho com ansiedade, já que começou a planejar as vendas de fim de ano, quando há a expectativa de um crescimento das viagens de Natal e Réveillon, além do período de férias, e existe o receio de faltar avião nos aeroportos para atender à demanda reprimida dos turistas que suspenderam viagens por causa da pandemia da Covid-19.

No último dia 20 de agosto, as ações da Azul dispararam 3% na B3, após o “The Wall Street Journal” publicar, citando fontes a par das negociações, que a companhia estaria em conversas com credores da Latam para uma aquisição.

PUBLICIDADE

A Latam Brasil entrou com pedido de recuperação judicial do grupo nos EUA, citando os impactos da crise do coronavírus nas operações da companhia, em julho do ano passado.

Ontem, o CEO da Latam Brasil, Jerome Cadier, afirmou ao O Globo que “os rumores de uma eventual proposta da Azul para adquirir a operação brasileira do grupo chileno têm como único objetivo atrasar e encarecer o processo de saída da companhia do Capítulo 11, a lei de recuperação judicial americana”.

“Eles estão minimizando as dificuldades e o tempo de aprovação. Mas esse é o jogo da Azul. Dificultar e encarecer a saída da Latam do Capítulo 11. Comprar mesmo, acho que eles sabem que é inviável do ponto de vista de prazo”, afirmou Jerome em entrevista à coluna “Capital”.

Azul

Na Bolsa brasileira, a ação da Azul fechou hoje em queda de 0,53% nesta terça-feira (31), cotada a R$ 37,69, e acumula valorização de 64,72% em 12 meses.

PUBLICIDADE

Veja mais: Azul negocia compra de 220 jatos elétricos com empresa alemã

A Azul está esperando a Latam Airlines Group apresentar o plano de restruturação para apresentar um plano alternativo para adquirir a Latam Airlines Brazil. Como dito em relatórios anteriores, a integração da malha aérea e sinergias em custos poderia resultar em um VPL (Valor Presente Líquido) de R$ 9,5 bilhões”, escreveu o analista do Bradesco BBI, Victor Mizusaki, em nota enviada hoje aos clientes.

Leia também

Bolsa hoje: Ibovespa fecha agosto com queda mensal de 2,5%, abaixo dos 119 mil

Como a ‘cultura dos brothers’ atrasa o ecossistema de inovação brasileiro

Google adia retorno obrigatório ao escritório até 2022 por Covid

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE