Agro

Trigo se recupera de baixa de três semanas, após preocupações com a safra

Cortes nas perspectivas de produção na Rússia e na Argentina são prováveis pois os dois países enfrentaram escassez de água, segundo a Agritel

Safras da Argentina e da Rússia podem sofrer novos cortes por conta da falta de chuvas nas regiões produtoras
Por Agnieszka de Sousa
27 de Agosto, 2021 | 01:40 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O trigo se recuperou de uma baixa de três semanas em Chicago em meio às expectativas de safra reduzidas. Soja e milho sofreram queda.

Cortes nas perspectivas de produção na Rússia e na Argentina são prováveis pois os dois países enfrentaram escassez de água, segundo a assessoria Agritel. A produção de trigo de inverno na Alemanha, um dos maiores produtores de grãos da União Europeia, cairá este ano, afirmou o Ministério da Agricultura na quarta-feira.

Veja mais: Estoque global de trigo encolhe e pressiona preços do pão em países pobres

“Os balanços mundiais continuam muito apertados para a moagem de trigo por um lado e milho do outro, com forte incerteza em relação a este último”, afirmou a Agritel em nota, acrescentando que uma questão-chave será o volume das importações da China na próxima safra .

PUBLICIDADE

O trigo subiu 1,2%, para US$ 7,34 por bushel em Chicago, após atingir a menor taxa desde 5 de agosto na quarta-feira. A soja perdeu 0,4% para US$ 13,2725 o bushel, e o milho caiu 0,5% para US$ 5,4875 o bushel.

Traders estão avaliando rendimentos potencialmente maiores de soja e milho nas áreas de cultivo dos EUA. As estimativas da Pro Farmer após um tour pela safra na semana passada mostram safras maiores de soja e milho do que o previsto pelo governo dos Estados Unidos, com a colheita marcada para começar em breve.

As chuvas recentes em áreas secas do meio-oeste dos EUA também podem ajudar na produtividade, principalmente para a soja, que está em um momento importante para o desenvolvimento.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Guedes sinaliza energia elétrica mais cara em setembro

Saída dos EUA do Afeganistão deixa Pentágono com orçamento de US$ 6 bilhões sem uso

Presidente argentino oferece doar o próprio salário para contornar escândalo sobre festa no auge da pandemia

PUBLICIDADE